Seculo

 

A ponte Chapecó-Medellín


02/12/2016 às 11:29
O gosto pelo futebol me levou recentemente a acompanhar os jogos da Chapecoense, clube de futebol que se apegou ao lugar recém-conquistado entre os 20 integrantes da Série A do Campeonato Brasileiro. Com pouco mais de 40 anos de existência (fundado em 1973), o time ganhou cinco campeonatos catarinenses e no Brasileirão fez o suficiente para disputar a Copa Sul-Americana. Estava a caminho da primeira partida final em Medellín quando o avião em que viajava caiu a cinco minutos do aeroporto local. O jogo foi cancelado. Em seu lugar, a população das duas cidades lotou os estádios de Chapecó e Medellín, formando uma inédita ponte de solidariedade na noite em que a partida seria jogada.
 
Nunca se viu tamanha corrente de paz e amor.
 
Chapecó, a capital das carnes brancas e um dos principais polos brasileiros de cooperativismo.
 
Medellín, a capital do tráfico da cocaína e o primeiro centro difusor da teologia da libertação cristã (em 1968, na conferência episcopal latino-americana).
 
Pelo retrospecto, a Chape levaria uma surra do Atlético Nacional, o time mais competitivo do continente, no momento, tanto que é o atual campeão da Taça Libertadores da América. Mas, se perdesse por pouco em Medellín, a Chape poderia reverter o placar no Brasil. Já estava certo que a segunda partida final não poderia ser realizada na Arena Condá, onde só cabem, apertadas, 20 mil pessoas. A disputa fora marcada para o estádio do Coritiba por influência do técnico Caio, paranaense de Cascavel que fazia sucesso em Chapecó depois de ter treinado clubes do Rio, São Paulo, Porto Alegre e do Oriente Médio.
 
Caio e mais 19 jogadores, além de jornalistas, dirigentes e torcedores, tiveram a carreira liquidada pela queda do avião da LaMia, fretado por 140 mil dólares, mais do que o dobro do orçamento mensal do time de Chapecó, onde se misturavam veteranos e novatos irmanados por um espírito de grande depreendimento, algo que acontece frequentemente na prática dos esportes, sejam pequenas ou grandes as agremiações.
 
A ascensão e queda da Chapecoense traz à lembrança algumas façanhas futebolísticas mais ou recentes. No ano passado quem chegou quase tão perto da Copa Sulamericana foi a Ponte Preta, que caiu na semifinal. Fundada em 1900 em Campinas, a Ponte Preta nunca ganhou nada mas é um dos clubes mais queridos do Brasil. Possui uma aura popular que se traduz na bandeira alvinegra e no símbolo do seu estandarte – uma macaca brincalhona que vive de dar susto nos times mais representativos das capitais. Já ganhou vários vice-campeonatos, como o paulista de 1977, quando a Macaca quase montou uma zebra sobre o Corinthians.
 
Aqui abrimos um parágrafo para lembrar que o escritor Renato Pompeu (1941-2014) escreveu um romance – A Saída do Primeiro Tempo (Alfa Omega, 1978) – cujo protagonista central é “o espectro da Ponte Preta”. Difícil explicar um livro tão genial. Melhor dar a palavra ao próprio romancista, que abre sua narrativa nos seguintes termos – primeiro parágrafo:
 
“Noite alta, quase madrugada (...) é a hora em que o espectro da Ponte Preta começa a rondar Campinas. Trata-se de grande mãe preta velha gorda, de saia e blusa branca e manto bordado de seda negra, que sobrevoa como mancha leitosa os prédios e ruas. Está sempre à noite pelos ares da cidade, flutuando como fiapo de algodão. (...) Quando não há ninguém atento, entretanto, o espectro da Ponte Preta paira no ar e penetra pelos cômodos das casas, roçando as testas das pessoas adormecidas e causando mudanças pequenas mas definitivas nos seus sonhos.”
 
No parágrafo seguinte, um delegado sonha que virou mulher de olhos verdes momentos antes de discursar numa reunião política da burguesia de Campinas, a cidade que serve como cenário do romance em que diversos personagens -- professores, operários, aposentados, moças, senhoras – são afetados pelo toque mágico da negra velha identificada com a alma popular da Associação Atlética Ponte Preta. Ao longo de 182 páginas, o escritor brinca com a soberba campineira e desenvolve uma série de episódios mais ou menos hilários, como narrar o Jogo Zero ou discutir a expressão “a bola é nossa”. Ele gasta 70 páginas do livro para elaborar o que chama de “crítica da economia política do futebol”. No final conclui, citando nominalmente a Ponte Preta, seu rival Guarany e outros clubes, que “os times de futebol constituem as bandeiras da consciência do povo brasileiro”.
 
A bandeira do momento é verde-e-branca e pertence à Associação Chapecoense de Futebol, que encontrou na solidariedade internacional um forte motivo para retomar sua caminhada. Segundo a língua caigangue, Chapecó significa “lugar de onde se avista o caminho da roça”.  

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

OPINIÃO
Piero Ruschi
O ‘Santo Graal’ de Augusto Ruschi
Eventos recentes de desrespeito ao Museu Mello Leitão, camuflados sob a criação do INMA, ressuscitam episódios históricos lamentáveis
Renata Oliveira
Uma nova bandeira se ergue
O programa de combate à violência contra a mulher leva o governador Paulo Hartung a nova narrativa para 2018
Gustavo Bastos
O verão do amor e o movimento hippie
O que representava o movimento hippie como tal era a utopia
Geraldo Hasse
As abelhas e o Agro
Alguns líderes se dão conta da mútua dependência entre animais e plantas
BLOGS
Flânerie

Manuela Neves

Quem me ensinou a nadar
Panorama Atual

Roberto Junquilho

Este blog fica por aqui
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Algo de novo no ar
Gustavo Bastos
Blog destinado à divulgação de poesia, conteúdos literários, artigos e conhecimentos em geral.
MAIS LIDAS

Contas públicas viram pano de fundo para disputa entre 'doutores' em Itapemirim

'Refiliação' de secretário aumenta tensão no PSDB

Sessão solene de homenagem a professores é marcada por protesto

As abelhas e o Agro

Bancada apresenta R$ 1,4 bi em emendas para o Espírito Santo