Seculo

 

Iema inicia processo de licenciamento da expansão do Portocel em Aracruz


05/12/2016 às 15:06
Será que a construção de um píer na foz do Rio Riacho, em Aracruz (norte do Estado), vai mesmo melhorar a situação dos pescadores que precisam da boca da barra aberta? Será que o tal centro de educação ambiental na praia tem mesmo foco nas necessidades da comunidade?

Com décadas de acompanhamento dos gigantescos e variados impactos socioambientais provocados por grandes empreendimentos industriais sobre sua comunidade, Herval Nogueira, ativista da Rede Alerta Contra o Deserto Verde, tem muitas dúvidas.

Sobrevivendo como pode depois da instalação da Aracruz Celulose (Fibria) e seu porto, da Jurong, Imetame ... a ameaça da vez é a expansão do Portocel. A consulta pública do Termo de Referência para a elaboração do Estudo de Impacto Ambiental (EIA) do Projeto Portocel II, em Barra do Riacho, será nesta quinta-feira (8).

Até o momento, do que se sabe dentro da comunidade, os destaques são o píer e o centro de lazer na praia. “Nós esperamos melhorar”, palpita Edinaldo Marques, presidente da Associação de Pescadores Familiares de Barra do Riacho e Barra do Sahy.

“Uma dúvida que a gente, que é leigo, tem: se fizer o píer e não tiver vazão de água dos rios, ele vai ser suficiente?”, questiona Herval Nogueira, alegando que, antes de chegar à foz, o Rio Riacho sofre com dezenas de intervenções que diminuem muito sua vazão. São 35 córregos e três rios que servem à Aracruz Celulose (Fibria), através de barragens e desvios, conta o ativista.

E, pra completar, a quatro quilômetros da foz, comportas controladas pela Aracruz Celulose (Fibria) pioram a vazão do Riacho, que repetidas vezes não consegue alcançar o mar. Será essa a principal causa das mortandades quase quinzenais de peixes na região?

Muitas dúvidas, muito medo. A história da região é motivo mais do que suficiente para a desconfiança. Dois dos mais emblemáticos casos são o do Canal Caboclo Bernardo e do rio Jumuma. O primeiro entrou em operação em 2000, com seus 50 km que desviam água do Rio Doce para o Rio Riacho, a fim de abastecer a maior planta produtora de celulose do mundo. Herval lembra que, na época do licenciamento, a comunidade foi usada como justificativa, mas o que acontece é que o volume desviado visa prioritariamente garantir o funcionamento da fábrica.

Já o Jumuma é “o único rio, que eu tenho conhecimento, que dá marcha-ré”, relata o ambientalista. A “mágica” é possível devido a uma escavação feita para que a gravidade, associada a bombas de sucção, façam o rio voltar ao invés de seguir para o mar, caindo num sistema que canaliza água para a Aracruz Celulose.

“E como se fosse um corpo que não aguenta mais peso”, metáfora Herval, para explicar a extrapolação do ponto de resiliência da Barra do Riacho frente a novos empreendimentos industriais. “É preciso ter muito juízo, que o Estado não tem, porque vem legitimar esse tipo de investimento. Não tem nenhuma preocupação com a região, que está saturada, reclama. “Tem um monte de coisa obscura que precisa estar com transparência pra comunidade. E que possa servir na prática, não só nas palavras”, cobra o ativista. 
 
A consulta pública do Termo de Referência para o processo de licenciamento da expansão do Portocel será realizada pelo Instituto Estadual de Meio Ambiente e Recurso Hídricos (Iema), de 19 às 22 horas,  no auditório da Associação Comunitária de Barra do Riacho.

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

SOCIOECONÔMICAS
Mais um 'lote'

Depois de conseguir o controle do PSDB e retomar o do DEM, Hartung se volta para um antigo aliado: o PDT

OPINIÃO
Editorial
'Caos' das artes
Previsão de gastos com Cais das Artes até 2018 daria para comprar 60 clubes iguais ao Saldanha da Gama
Piero Ruschi
Perseguição à honra de Ruschi
Infelizmente, de nada valeram meus 14 anos de contribuição mediante a minha postura de defender o Museu Mello Leitão, criado por meu pai
Renata Oliveira
Cidadãos ilustres
Assembleia deve tomar cuidado com suas medalhas, pois os homenageados de hoje podem ser os apedrejados de amanhã
Gustavo Bastos
Bancas de jornal
A banca de jornal, hoje, é um mundo que tem tudo
Geraldo Hasse
Os golpes se sucedem
Em plena era do GPS, a reforma trabalhista sugere multiplicar os ''chapas''
Caetano Roque
Agora é tarde
Não adianta a bancada fazer discurso a favor do trabalhador se ela votou quase à unanimidade a favor do impeachment
BLOGS
Flânerie

Manuela Neves

Quem me ensinou a nadar
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Fuga do Paraíso
Gustavo Bastos
Blog destinado à divulgação de poesia, conteúdos literários, artigos e conhecimentos em geral.
MAIS LIDAS

Mais um 'lote'

Operação da Polícia Federal pune empresa que lançava esgoto in natura no Rio Doce

PDT realiza convenção estadual em dezembro de olho em 2018

Impopularidade de proposta teria pressionado recuo em homenagem a Lula

MPES quer reinclusão do fundador da Imetame em ação de improbidade