Seculo

 

Iema inicia processo de licenciamento da expansão do Portocel em Aracruz


05/12/2016 às 15:06
Será que a construção de um píer na foz do Rio Riacho, em Aracruz (norte do Estado), vai mesmo melhorar a situação dos pescadores que precisam da boca da barra aberta? Será que o tal centro de educação ambiental na praia tem mesmo foco nas necessidades da comunidade?

Com décadas de acompanhamento dos gigantescos e variados impactos socioambientais provocados por grandes empreendimentos industriais sobre sua comunidade, Herval Nogueira, ativista da Rede Alerta Contra o Deserto Verde, tem muitas dúvidas.

Sobrevivendo como pode depois da instalação da Aracruz Celulose (Fibria) e seu porto, da Jurong, Imetame ... a ameaça da vez é a expansão do Portocel. A consulta pública do Termo de Referência para a elaboração do Estudo de Impacto Ambiental (EIA) do Projeto Portocel II, em Barra do Riacho, será nesta quinta-feira (8).

Até o momento, do que se sabe dentro da comunidade, os destaques são o píer e o centro de lazer na praia. “Nós esperamos melhorar”, palpita Edinaldo Marques, presidente da Associação de Pescadores Familiares de Barra do Riacho e Barra do Sahy.

“Uma dúvida que a gente, que é leigo, tem: se fizer o píer e não tiver vazão de água dos rios, ele vai ser suficiente?”, questiona Herval Nogueira, alegando que, antes de chegar à foz, o Rio Riacho sofre com dezenas de intervenções que diminuem muito sua vazão. São 35 córregos e três rios que servem à Aracruz Celulose (Fibria), através de barragens e desvios, conta o ativista.

E, pra completar, a quatro quilômetros da foz, comportas controladas pela Aracruz Celulose (Fibria) pioram a vazão do Riacho, que repetidas vezes não consegue alcançar o mar. Será essa a principal causa das mortandades quase quinzenais de peixes na região?

Muitas dúvidas, muito medo. A história da região é motivo mais do que suficiente para a desconfiança. Dois dos mais emblemáticos casos são o do Canal Caboclo Bernardo e do rio Jumuma. O primeiro entrou em operação em 2000, com seus 50 km que desviam água do Rio Doce para o Rio Riacho, a fim de abastecer a maior planta produtora de celulose do mundo. Herval lembra que, na época do licenciamento, a comunidade foi usada como justificativa, mas o que acontece é que o volume desviado visa prioritariamente garantir o funcionamento da fábrica.

Já o Jumuma é “o único rio, que eu tenho conhecimento, que dá marcha-ré”, relata o ambientalista. A “mágica” é possível devido a uma escavação feita para que a gravidade, associada a bombas de sucção, façam o rio voltar ao invés de seguir para o mar, caindo num sistema que canaliza água para a Aracruz Celulose.

“E como se fosse um corpo que não aguenta mais peso”, metáfora Herval, para explicar a extrapolação do ponto de resiliência da Barra do Riacho frente a novos empreendimentos industriais. “É preciso ter muito juízo, que o Estado não tem, porque vem legitimar esse tipo de investimento. Não tem nenhuma preocupação com a região, que está saturada, reclama. “Tem um monte de coisa obscura que precisa estar com transparência pra comunidade. E que possa servir na prática, não só nas palavras”, cobra o ativista. 
 
A consulta pública do Termo de Referência para o processo de licenciamento da expansão do Portocel será realizada pelo Instituto Estadual de Meio Ambiente e Recurso Hídricos (Iema), de 19 às 22 horas,  no auditório da Associação Comunitária de Barra do Riacho.

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

SOCIOECONÔMICAS
Quem dá mais?

Enquanto o mercado político se divide cada vez mais entre o bloco palaciano e o puxado por Casagrande, Audifax segue com acenos para o lado que mais convém

OPINIÃO
Editorial
Castigada seja a hipocrisia!
Ideal, mesmo, seria ver tamanha indignação dos deputados estaduais no debate sobre nudez artística em casos reais de atentado à paciência da sociedade
Geraldo Hasse
Manobras perigosas
Os empresários, que surfaram na onda de Lula, estão assustados com a pororoca de Temer
JR Mignone
Banalização
O carnaval fez com que se desse uma trégua nas informações sobre política no Brasil
Roberto Junquilho
Hora do plano B
Os planos de Hartung e Colnago retornam à estaca zero com a saída de Luiz Paulo do PSDB
BLOGS
Flânerie

Manuela Neves

A arte de pilotar motocicletas – ou com Chico na garupa
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Yes, nós também!
Gustavo Bastos
Blog destinado à divulgação de poesia, conteúdos literários, artigos e conhecimentos em geral.
MAIS LIDAS

Assembleia Legislativa enterra projeto de censura nas artes

Daniel da Açaí exonera todos os aposentados da prefeitura de São Mateus

Plástico que mata animais marinhos é encontrado na águas das torneiras

Castigada seja a hipocrisia!

Majeski reapresenta projeto que obriga Executivo a informar incentivos fiscais