Seculo

 

Iema inicia processo de licenciamento da expansão do Portocel em Aracruz


05/12/2016 às 15:06
Será que a construção de um píer na foz do Rio Riacho, em Aracruz (norte do Estado), vai mesmo melhorar a situação dos pescadores que precisam da boca da barra aberta? Será que o tal centro de educação ambiental na praia tem mesmo foco nas necessidades da comunidade?

Com décadas de acompanhamento dos gigantescos e variados impactos socioambientais provocados por grandes empreendimentos industriais sobre sua comunidade, Herval Nogueira, ativista da Rede Alerta Contra o Deserto Verde, tem muitas dúvidas.

Sobrevivendo como pode depois da instalação da Aracruz Celulose (Fibria) e seu porto, da Jurong, Imetame ... a ameaça da vez é a expansão do Portocel. A consulta pública do Termo de Referência para a elaboração do Estudo de Impacto Ambiental (EIA) do Projeto Portocel II, em Barra do Riacho, será nesta quinta-feira (8).

Até o momento, do que se sabe dentro da comunidade, os destaques são o píer e o centro de lazer na praia. “Nós esperamos melhorar”, palpita Edinaldo Marques, presidente da Associação de Pescadores Familiares de Barra do Riacho e Barra do Sahy.

“Uma dúvida que a gente, que é leigo, tem: se fizer o píer e não tiver vazão de água dos rios, ele vai ser suficiente?”, questiona Herval Nogueira, alegando que, antes de chegar à foz, o Rio Riacho sofre com dezenas de intervenções que diminuem muito sua vazão. São 35 córregos e três rios que servem à Aracruz Celulose (Fibria), através de barragens e desvios, conta o ativista.

E, pra completar, a quatro quilômetros da foz, comportas controladas pela Aracruz Celulose (Fibria) pioram a vazão do Riacho, que repetidas vezes não consegue alcançar o mar. Será essa a principal causa das mortandades quase quinzenais de peixes na região?

Muitas dúvidas, muito medo. A história da região é motivo mais do que suficiente para a desconfiança. Dois dos mais emblemáticos casos são o do Canal Caboclo Bernardo e do rio Jumuma. O primeiro entrou em operação em 2000, com seus 50 km que desviam água do Rio Doce para o Rio Riacho, a fim de abastecer a maior planta produtora de celulose do mundo. Herval lembra que, na época do licenciamento, a comunidade foi usada como justificativa, mas o que acontece é que o volume desviado visa prioritariamente garantir o funcionamento da fábrica.

Já o Jumuma é “o único rio, que eu tenho conhecimento, que dá marcha-ré”, relata o ambientalista. A “mágica” é possível devido a uma escavação feita para que a gravidade, associada a bombas de sucção, façam o rio voltar ao invés de seguir para o mar, caindo num sistema que canaliza água para a Aracruz Celulose.

“E como se fosse um corpo que não aguenta mais peso”, metáfora Herval, para explicar a extrapolação do ponto de resiliência da Barra do Riacho frente a novos empreendimentos industriais. “É preciso ter muito juízo, que o Estado não tem, porque vem legitimar esse tipo de investimento. Não tem nenhuma preocupação com a região, que está saturada, reclama. “Tem um monte de coisa obscura que precisa estar com transparência pra comunidade. E que possa servir na prática, não só nas palavras”, cobra o ativista. 
 
A consulta pública do Termo de Referência para o processo de licenciamento da expansão do Portocel será realizada pelo Instituto Estadual de Meio Ambiente e Recurso Hídricos (Iema), de 19 às 22 horas,  no auditório da Associação Comunitária de Barra do Riacho.

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

SOCIOECONÔMICAS
Precipitou-se

Com um olho em 2018 e outro em 2020, Luciano Rezende antecipou o processo eleitoral, mas esqueceu a Lava Jato. Aí mora o problema.

OPINIÃO
Renata Oliveira
Bicho-papão
O ajuste fiscal de Paulo Hartung precisa do exemplo do Rio de Janeiro tanto para cortar quanto para supervalorizar a liberação de recursos
Renata Oliveira
Majeski deve bater asas
Pelo andar da carruagem da disputa pela presidência do PSDB estadual, a história do deputado com o partido caminha para um melancólico fim
JR Mignone
Qual rádio ouviria hoje?
Sinceramente, não saberia explicar que tipo de rádio eu ouviria hoje, isto é, que me motivaria a ligar o botão para ouvi-la: uma de notícia ou uma só de música selecionada
Geraldo Hasse
A doença da intolerância
Ela está nos estádios, nos governos, nas igrejas, nos parlamentos, nas ruas, nos tribunais
Caetano Roque
Emprego de ficção
Diariamente vagas e mais vagas são prometidas nos jornais e onde está o sindicato para cobrar isso
BLOGS
Flânerie

Manuela Neves

Branca, o Teatro e a sala de estar
Panorama Atual

Roberto Junquilho

Fuzis e baionetas, nunca mais!
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Turista acidental
Gustavo Bastos
Blog destinado à divulgação de poesia, conteúdos literários, artigos e conhecimentos em geral.
MAIS LIDAS

Precipitou-se

Subseção da OAB-ES cobra esclarecimento sobre atuação de Homero Mafra na defesa de acusado

Posse de tucano no Turismo é demonstração interna de força de Colnago

Justiça Federal determina que 14 municípios adotem ponto eletrônico para médicos e dentistas

Dary Pagung vai fechar a porta para emendas de deputados no orçamento