Seculo


  • Lava Jato no ES

 

Defesa da democracia


17/03/2015 às 12:42
Na década de 50 ocorreu um grande movimento na Central do Brasil, justamente em um 13 de março, pedindo as reformas de base, que garantiram democracia, liberdade e transparência. Uma década depois, dia 15 de março, deu-se início o governo militar no Brasil. Pelo jeito, cada lado escolheu friamente a data para seus protestos deste fim de semana. A coluna fica preocupada com o próximo dia 31, dia do golpe militar. 
 
O movimento da década de 50 não impediu que anos depois o País caísse na mais obscura página de sua história, com o golpe militar, que cerceou os direitos fundamentais da democracia no Brasil. 
 
Desde 2013, uma série de movimentos na rua vem acontecendo no Brasil com uma cobrança de pautas diversas, sem um foco político que traga realmente mudanças políticas profundas que contribuam para o aprimoramento da democracia. 
 
Aliás, o movimento que foi às ruas no domingo (15) não tem esse objetivo mesmo. Diante da derrota nas urnas, o movimento que se disse apartidário, quer ganhar no grito. Até aí, é da democracia, mas o que preocupa é o discurso da defesa do militarismo, em pleno século 21, depois de tanta luta para tirar o País desse momento tenebroso, um retorno anti-democrático fica difícil de entender.
 
Ainda bem que os militares de hoje têm um pouco mais de consciência, naquela época eles comandaram um golpe de estado, controlado pela direita. Desta vez, apesar do apelo da burguesia, estão quietos. Mas todo cuidado é pouco. 
 
Diante dessas movimentações todas, há de se destacar o movimento da última sexta-feira (13). A Central Única dos Trabalhadores (CUT) entendeu errado o momento. Fez um movimento em horário comercial, no momento em que o trabalhador estava no trabalho. Quem foi às ruas foram, políticos ligados ao PT e aposentados. O resultado não poderia ser outro, uma série de atos minguados. 
 
O movimento sindical entendeu errado o momento e acabou prejudicando mais do que ajudando a defesa do governo federal. A estratégia deveria ter sido pensada com mais calma e ser mais eficiente, afinal, desde o final da eleição essa movimentação já vinha sendo ensaiada. 
 
A defesa da Petrobras, das ações do governo e, sobretudo, da imagem da presidente Dilma Rousseff. Disso depende a manutenção dos ganhos da classe trabalhadora nesse período e, mais importante, a defesa da democracia. 
 
Só quando se perde um direito é que se sente falta dele. Por isso, trabalhador, abra seu olho. 
 
O caminho é pela esquerda, um retorno à direita seria desastroso!

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

SOCIOECONÔMICAS
Caminhos eleitorais

PT no cenário de 2018: com Lula, missão no Estado caberá a Helder e Givaldo Vieira. Na falta dele, pode sair aliança com o PDT, que rende chapa forte à Câmara

OPINIÃO
Editorial
Acesso seletivo
Referência da comunidade escolar na Assembleia, Majeski acertou ao cobrar explicações sobre sessão que barrou professores
José Rabelo
A vez dos fichas-limpas
No país da Lava jato, pesquisa Datafolha aponta que a corrupção tornou-se a principal preocupação dos brasileiros
JR Mignone
Avalanche de informações
Talvez a juventude seja o seguimento que mais sofre com tantos fatos e versões
Geraldo Hasse
Salgado Filho, um simples herói
Hoje ninguém mais lembra o advogado que regulamentou o comércio dos ambulantes
Caetano Roque
Água da mesma pipa
Na verdade, não houve embate na eleição no Sindicomerciários
BLOGS
Blog do Phil

Phil Palma

Um homem nu.
Flânerie

Manuela Neves

Uma festa para Ro Ro que rolou escada abaixo
Panorama Atual

Roberto Junquilho

Mulher "noiada" mostra a falência de programas sociais
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Meu dia, seu dia
Gustavo Bastos
Blog destinado à divulgação de poesia, conteúdos literários, artigos e conhecimentos em geral.
MAIS LIDAS

Servidores públicos e da saúde aderem à greve geral da próxima sexta-feira

Deputado cobra apuração de responsabilidades em sessão que barrou comunidade escolar

Clima político em Itapemirim se acirra entre prefeito afastado e vice

Coser anuncia desembarque, mas se cala sobre oposição ao governo Hartung

Tribunal de Contas mira criação de cargos na Prefeitura de Pinheiros