Seculo

 

Nova trilha ecoturística em Vitória


12/12/2016 às 17:48
Conhecida quase que exclusivamente por pescadores, a trilha até o Porto de Tubarão foi lançada como opção ecoturística pela Associação de Amigos da Praia de Camburi (AAPC) nesse sábado (10). A caminhada sai do final do calçadão de Camburi e leva pouco mais de duas horas. “O acesso é difícil, é pra quem é tirilheiro, mesmo”, avalia o fotógrafo Tiago Melo.

Após a área afetada com o passivo ambiental da Vale – toneladas de sacos com pó de minério, lançados pela empresa, que há 40 anos contamina o extremo norte da Praia de Camburi –, o caminhante passa por quatro pequenas praias, atravessa uma segunda trilha, com grau de dificuldade um pouco maior, e chega no limite com o Porto de Tubarão.

O acesso é melhor com maré baixa, mas de qualquer forma exige experiência com trilhas e muita cautela. No caminho, belezas naturais, incluindo um ângulo de visão exclusivo da baía de Vitória, e também muita degradação. “Muito lixo, que a corrente marinha leva pra lá”, relata Tiago, que ressalta também a vulnerabilidade a que ficam expostas as tartarugas marinhas que se alimentam no local e podem se asfixiar ao ingerir plástico e outros resíduos.

“Carcaças de balsas, tanques de combustível, Equipamentos de Proteção Individual (EPIs), estruturas metálicas, minério de ferro ...” enumera Paulo Pedrosa, da Associação de Amigos da Praia de Camburi (AAPC), entidade que organizou a trilha.

Paulo reivindica presença do poder público. “É preciso retirar os restos industriais do ambiente costeiro e marinho”, orienta. Em breve a AAPC divulgará uma nova data para a aventura. “As pessoas não devem ir sozinhas, a menos que conheçam bem o caminho e tenham experiência com trilhas”, recomenda o ativista, que anuncia a presença de um apoio aos trilheiros pelo mar na próxima edição. 

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

SOCIOECONÔMICAS
Agência Senado
Cotações

Apesar de já ter anunciado apoio a Majeski, sobem as apostas de que Max Filho poderá, mesmo, é fixar lugar no palanque de Rose

OPINIÃO
Editorial
Quem paga a conta senta na cabeceira?
O financiamento pela Arcelor de uma pesquisa da Ufes de R$ 2 milhões acende o alerta sobre a autonomia universitária e a transparência nos acordos entre academia e capital privado
Piero Ruschi
Visita à coleção zoológica de Augusto Ruschi
Visitei a coleção zoológica criada por meu pai e seu túmulo na Estação Biológica. Por um lado, bom, por outro, angústia
JR Mignone
Uma análise
Algumas emissoras, aquelas que detêm alguma ou boa audiência, dedicam-se pouco à situação do país
Geraldo Hasse
Refém do Mercado
O País está preso ao neoliberalismo do tucano Pedro Parente, presidente da BR
Roberto Junquilho
A montagem da cena
Em baixa junto aos prefeitos da Grande Vitória, Hartung dispara para o interior do Estado
BLOGS
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Arrogância também conta?
MAIS LIDAS

Candidatura de Lula à Presidência será lançada neste domingo em Vitória e Serra

Servidores do Ibama e ICMBio no Estado protestam contra loteamento político do órgão

O 7x1 da literatura

Quem paga a conta senta na cabeceira?

Projeto da nova sede do IPAJM é 'reavaliado' por Instituto de Obras do Estado