Seculo

 

Tudo sob controle


12/12/2016 às 19:47

A Assembleia Legislativa aprovou, na tarde desta segunda-feira (12), o Orçamento do Estado para o ano de 2017. Novamente, a votação se deu a toque de caixa, sem considerar os (raros) destaques apresentados pelos parlamentares ou os anseios da população que participou das audiências públicas, mais uma vez, tratada como um ato meramente protocolar. Chamou atenção o empenho da liderança do governo para agilizar a votação, apesar do evidente despreparo do relator das contas, deputado Dary Pagung (PRP), que preside a Comissão de Finanças.

O roteiro de votação das contas não mudou em nada o que já virou rotina no Legislativo capixaba desde o início da Era Hartung, em 2003. Mesmo com a realização de audiências públicas no interior - diferenciando-se neste ponto do ano passado, quando a participação popular se resumiu a uma única sessão, na própria Assembleia -, a vontade popular não prevaleceu. Pelo contrário, o orçamento aprovado segue inteiramente ao desejo do Palácio Anchieta, que não precisou de muito esforço para obter uma votação quase unânime.

A exceção foi novamente o deputado Sérgio Majeski (PSDB), um dos poucos a apresentar destaques ao voto do relator Dary Pagung, que atua na Assembleia para tentar viabilizar uma futura pretensão de se tornar conselheiro do Tribunal de Contas do Estado (TCE). Vale também uma menção ao deputado Gilsinho Lopes (PR), que também apresentou destaques. No entanto, o tucano Majeski resumiu, mais uma vez, a forma de funcionamento do Legislativo - apesar da curta experiência no parlamento.

De forma acertada, o deputado-professor concluiu que a votação do Orçamento estadual está longe de ser um ato de responsabilidade, como tentou definir as lideranças governistas. Isso porque, segundo Majeski, o governo não se preocupa sequer em fazer uma peça muito correta, pois sabe que poderá mexer nele quando quiser e que a Assembleia não vai alterar o planejamento sem sua autorização. Tristes tempos para o Poder Legislativo, cuja uma de suas principais atribuições é justamente a fiscalização do Executivo, principalmente, por meio da votação do Orçamento.

O mais inusitado de tudo isso é que os deputados são vítimas da sua própria postura, já que o governo não atende sequer ao compromisso de liberação das emendas parlamentares. Em tempos de crise financeira, o governo reduziu ainda mais o valor das emendas, sendo que algumas delas jamais serão liberadas, deixando os parlamentares a ver navios em suas bases políticas. Revelando de vez a submissão da Assembleia ao Palácio Anchieta, que segue cada vez mais como um poder meramente homologador.

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

SOCIOECONÔMICAS
Choque

Como diz o ditado, dois bicudos não se beijam. É isso mesmo, Fabrício Gandini?

OPINIÃO
Renata Oliveira
Carona perigosa
Hartung fez evento no mesmo dia da eleição da Amunes para atrair prefeitos, mas ausências ganharam mais destaque
Ivana Medeiros Zon
Mude de vida
Pensar na influência do comportamento e dos hábitos individuais, incluindo os de consumo, vai muito além do que podemos imaginar.
Nerter Samora
Pauta bomba
Fim da anistia a benefícios irregulares pode vingar rasteira dada em Ferraço por Hartung
JR Mignone
A volta da reza
Em 2013 escrevi sobre o ''Poder da Reza''. Hoje volto com ela, pois rezar, orar, falar com Deus, meditar, seja como for, nunca é demais
Caetano Roque
Briga desleal
Com a mídia na mão, o capital consegue fazer com que o cidadão acredite nas mentiras que eles querem
BLOGS
Blog do Phil

Phil Palma

pelas beiras!
Flânerie

Manuela Neves

Carmélia, um pouco mais dela
Panorama Atual

Roberto Junquilho

Deputado vai propor CPI para apurar crime da Samarco
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Entre sustos e suspresas
Gustavo Bastos
Blog destinado à divulgação de poesia, conteúdos literários, artigos e conhecimentos em geral.
MAIS LIDAS

Hartung muda discurso e atuação política depois da crise na segurança

Ferraço afirma que contrato de antecipação de royalties foi 'malfeito'

Presos do semiaberto vão trabalhar em obras e serviços públicos da Prefeitura de Colatina

Dúvida sobre relator do Caso Alexandre pode adiar julgamento de recurso no TJES

Da Vitória faz discurso apaziguador, mas mantém posição independente na Assembleia