Seculo

 

A chave é sua


19/12/2016 às 15:18
Uma prefeita da região sul do Espírito Santo tomou uma atitude inusitada: em reunião com o promotor local, não se fez de rogada, e entregou a “chave da prefeitura” para que ele administrasse o município. Na hora, ela justificou a atitude pela reiterada interferência do órgão ministerial na administração. É claro que a reação do promotor foi de espanto, sem saber o que responder naquele momento. Óbvio, também, que Vossa Excelência não aceitou a nobre missão.

Esse caso poderia ser mais um entre tantos que fazem parte do folclore político no País. Só que o caso aconteceu de verdade, muito embora o jornal se reserve a não divulgar o nome dos envolvidos. Até porque são inúmeros os relatos de prefeitos que vivem às turras com os representantes do Ministério Público em seus municípios. Alguns deles foram denunciados e outros até mesmo afastados do cargo, muitas vezes pela simples alegação de deixar de responder a pedidos de informações pelo Ministério Público Estadual (MPES).

O episódio revela a importância da discussão de lei de abuso de autoridade, hoje em tramitação no Senado Federal. À primeira vista, a proposta nada tem a ver com a limitação à atuação da magistratura ou do Ministério Público, tampouco como uma tentativa de acabar com a Lava Jato – argumento comumente repetido pelas entidades de classe para lançar a opinião pública contra o projeto que visa coibir atitudes que escapem ao Estado Democrático de Direito.

É claro que existem políticos que gostariam de impor limites à atuação de juízes e promotores, sobretudo, após a divulgação de listas e mais listas de propinas pagas por empreiteiras. Só que essas sanções mais duras, como o caso de prisão e até a perda do cargo no caso de abuso de autoridade, servem apenas para aqueles que extrapolam os limites de suas atribuições e prejudicam o gozo dos direitos e garantias fundamentais. E não o contrário...

Mas voltando ao debate sobre a situação dos prefeitos, é comum ver gestões que são totalmente reféns do Ministério Público, que exerce um papel fundamental como o guardião da lei. No entanto, as atribuições do órgão não podem ser confundidas com a interferência em outro Poder, neste caso, tomando o controle da administração – este que deve ser exercido por seu representante legítimo, eleito pela população.

Caso algum prefeito, vereador, deputado ou até o governador do Estado cometa qualquer irregularidade, que responda por seus atos no foro judicial correspondente. Só não é possível que os gestores públicos fiquem submetidos ao cerco de outras instituições sob a ameaça de serem criminalizados pela simples recusa de atender a uma recomendação do MPES, por exemplo. Vale lembrar que a própria Constituição Federal fez questão de assinalar que os poderes são independentes e harmônicos entre si.

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

De demolidor a demolido

Até outro dia, o MDB era o partido mais importante do Estado, mas entrou em agonia com a interferência de PH

OPINIÃO
Piero Ruschi
O Governo do ES e seu amor antigo ao desamparo ambiental
Mais um ''Dia Mundial do Meio Ambiente'' se passou. Foi um dia de ''comemoração'' (política)
Bruno Toledo
Estado sem PIEDADE!
As tragédias que se sucedem no Morro da Piedade sintetizam as contradições mais evidentes e brutais do modelo de sociedade e de Estado que estamos mergulhados
Geraldo Hasse
Mundo velho sem catraca
Cinquenta anos depois, é possível fazer um curso técnico por correspondência via internet
Roberto Junquilho
Hartung, o suspense
O governador Paulo Hartung mantém o suspense e pode até não disputar a reeleição em 2018
BLOGS
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Uma revoada de colibris
MAIS LIDAS

Visita de interlocutores de Hartung a Rodrigo Maia sinaliza mudança de cenário

Contrato do governo do Estado com a Cetesb sobre poluição do ar continua sigiloso

Juiz Leopoldo mais próximo de ir a Júri Popular por assassinato de Alexandre Martins

LDO será votada na próxima segunda-feira na Assembleia

Hartung, o suspense