Seculo

 

A chave é sua


19/12/2016 às 15:18
Uma prefeita da região sul do Espírito Santo tomou uma atitude inusitada: em reunião com o promotor local, não se fez de rogada, e entregou a “chave da prefeitura” para que ele administrasse o município. Na hora, ela justificou a atitude pela reiterada interferência do órgão ministerial na administração. É claro que a reação do promotor foi de espanto, sem saber o que responder naquele momento. Óbvio, também, que Vossa Excelência não aceitou a nobre missão.

Esse caso poderia ser mais um entre tantos que fazem parte do folclore político no País. Só que o caso aconteceu de verdade, muito embora o jornal se reserve a não divulgar o nome dos envolvidos. Até porque são inúmeros os relatos de prefeitos que vivem às turras com os representantes do Ministério Público em seus municípios. Alguns deles foram denunciados e outros até mesmo afastados do cargo, muitas vezes pela simples alegação de deixar de responder a pedidos de informações pelo Ministério Público Estadual (MPES).

O episódio revela a importância da discussão de lei de abuso de autoridade, hoje em tramitação no Senado Federal. À primeira vista, a proposta nada tem a ver com a limitação à atuação da magistratura ou do Ministério Público, tampouco como uma tentativa de acabar com a Lava Jato – argumento comumente repetido pelas entidades de classe para lançar a opinião pública contra o projeto que visa coibir atitudes que escapem ao Estado Democrático de Direito.

É claro que existem políticos que gostariam de impor limites à atuação de juízes e promotores, sobretudo, após a divulgação de listas e mais listas de propinas pagas por empreiteiras. Só que essas sanções mais duras, como o caso de prisão e até a perda do cargo no caso de abuso de autoridade, servem apenas para aqueles que extrapolam os limites de suas atribuições e prejudicam o gozo dos direitos e garantias fundamentais. E não o contrário...

Mas voltando ao debate sobre a situação dos prefeitos, é comum ver gestões que são totalmente reféns do Ministério Público, que exerce um papel fundamental como o guardião da lei. No entanto, as atribuições do órgão não podem ser confundidas com a interferência em outro Poder, neste caso, tomando o controle da administração – este que deve ser exercido por seu representante legítimo, eleito pela população.

Caso algum prefeito, vereador, deputado ou até o governador do Estado cometa qualquer irregularidade, que responda por seus atos no foro judicial correspondente. Só não é possível que os gestores públicos fiquem submetidos ao cerco de outras instituições sob a ameaça de serem criminalizados pela simples recusa de atender a uma recomendação do MPES, por exemplo. Vale lembrar que a própria Constituição Federal fez questão de assinalar que os poderes são independentes e harmônicos entre si.

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

Espelho democrático

PH, com certeza, vai jogar pra frente dúvida sobre candidatura à reeleição. Mas não o vejo fora da disputa e sem mandato

OPINIÃO
Editorial
MPES omisso
Ministério Público decidiu não participar das audiências de custódia. Um dos prejuízos: denúncias contra tortura, comumente relatada por presos
JR Mignone
O voto facultativo
Atual insatisfação com a política seria uma chance para começar a estudar a implantação do voto facultativo?
BLOGS
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Para, relógio
MAIS LIDAS

Extermínio da juventude negra será tema de jornada de luta no mês da abolição

Presidenciável do PRB articula construção de palanque eleitoral no Estado

Sindicato dos Médicos e CRM encontram cenário caótico em hospitais do norte e noroeste

Processo de nepotismo contra Sérgio Vidigal vai a julgamento nesta terça-feira no TJES

Um filme sobre o extermínio da juventude negra