Seculo

 

Volta às origens


20/12/2016 às 10:51
A coluna não quer incentivar isso, mas neste momento é preciso se pronunciar. A maioria dos trabalhadores não quer saber de se sindicalizar. Os patrões conseguiram convencê-los de que o Sindicato não tem validade. Isso, somando às bobagens que alguns dirigentes sindicais vem cometendo à frente das entidades, cria-se uma barreira muito grande para a atuação das entidades sindicais. 
 
Neste cenário, podemos chegar a duas conclusões. A primeira: é vamos ver se é mesmo intenção do patrão acabar com o sindicato. Afinal, isso está nas mãos deles, se acabarem com o imposto sindical, vão deixar todos os sindicatos no vermelho, o que pode fazer com que as entidades voltem à sua função de origem, depurando suas direções, tirando do sindicato quem quer fazer carreira com o dinheiro do trabalhador. 
 
A segunda é a posição dos trabalhadores, se querem ou não acabar com o sindicato. Se sentirem que é importante ter a representatividade, vão se voltar para o sindicato, tirando eles mesmos, as direções que não representam o interesse do trabalhador; ou se entenderem que não há essa necessidade, que deixem os sindicatos falirem. 
 
A coluna paga para ver. Afinal, o imposto sindical é uma prisão tanto para os dirigentes que acabaram minguando a luta do trabalhador e, por outro lado, se transformou em moeda de troca na mão da classe empresarial e do governo, que defende o capital. 
 
A luta pelo fim do imposto sindical não é nova. Os próprios dirigentes, aqueles comprometidos com a luta dos trabalhadores, sabem que esse recurso desmobiliza as categorias. A CUT foi criada tendo como uma das principais bandeiras para acabar com ele, e até hoje não conseguiu. Muitos dirigentes se perpetuam à frente das entidades, justamente para viver às custas desse recurso. 
 
Neste sentido, o momento, que parece sombrio para a classe trabalhadora, pode ter um lado positivo, pois permitirá que se faça esse corte, mostrando quais os sindicatos que realmente estão comprometidos com a luta e quais estão aí só para garantir a boa vida de seus dirigentes. Neste caso, há males que vem para o bem. 
 
É hora de a onça beber água!

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

SOCIOECONÔMICAS
A bolha de Luciano

Prefeito comemora o Carnaval de Vitória ''sem ocorrências policiais'' e exagera: ''a paz venceu o medo''. Claro - que não!

OPINIÃO
Editorial
Acabou o teatro
O governo disse que não negocia mais com as mulheres dos PMs. Nenhuma novidade. Hartung nunca quis buscar uma saída negociada para a crise
Renata Oliveira
Não cola mais
O governador Paulo Hartung tem sua imagem desconstruída em nível nacional
Ivana Medeiros Zon
Vacilou, dançou
Idosos são alvos crescentes de tentativas de golpes
JR Mignone
Retrocesso
Temo pelo futuro do rádio e dou motivo ao título deste artigo
Nerter Samora
Benesse exposta
Em meio do caos da segurança pública, a questão dos incentivos fiscais da Era Hartung volta à tona
Caetano Roque
O que é mais importante?
Movimento sindical perdeu chance de ouro de colocar contra a parede o projeto neoliberal de Hartung
BLOGS
Blog do Phil

Phil Palma

Crianças trans... Trans - Encontro com Fátima Bernardes.
Flânerie

Manuela Neves

As primeiras artes de Luizah Dantas nas paredes da casa de Branca
Panorama Atual

Roberto Junquilho

Os tanques de guerra e a marcha dos insensatos
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Flamingos no quintal
Gustavo Bastos
Blog destinado à divulgação de poesia, conteúdos literários, artigos e conhecimentos em geral.
MAIS LIDAS

Governo só retoma negociações se mulheres desbloquearem batalhões da PM

Com maioria, Coser não terá problema para se reeleger presidente do PT capixaba

Base do governo na Assembleia barra sessão especial sobre crise na segurança

Não cola mais

CNJ inicia trabalhos de inspeção no Tribunal de Justiça capixaba