Seculo


  • Lava Jato no ES

 

Em Paul, empresa muda projeto e quer manutenção de tanques no local


25/12/2016 às 17:48
A polêmica em torno dos enormes tanques instalados no alto do Morro do Atalaia, em Paul, Vila Velha, pode voltar. O Terminal Portuário do Espírito Santo S.A. (TPES), empresa proprietária do complexo de tanques no local, apresentou ao Instituto Estadual de Meio Ambiente e Recursos Hídricos (Iema) novo projeto para uso do terminal. Segundo a proposta, apresentada em reunião entre representantes da empresa e de Paul, mediada pelo Ministério Público Estadual (MPES), os cinco tanques que receberiam produtos inflamáveis devem armazenar água, soda cáustica e uréia.
Na reunião, ocorrida no início deste mês, moradores apresentaram documentos e estudos técnicos mostrando impactos que os novos produtos poderão causar. Eles destacaram que dois tanques de armazenamento de soda cáustica em operação liberam gases que incomodam os moradores. Os representantes de Paul também reclamam da desvalorização imobiliária que o complexo causou no local. 
 
Há pouco mais de três anos, a comunidade do Atalaia vive em estado de aflição com os tanques instalados no alto do morro, praticamente colados às residências. A ideia da Liquiport, empresa então responsável pelo terminal, era armazenar combustíveis dos 10 tanques fixados no local. Temendo desastres, os moradores reagiram. Em fevereiro de 2014, o Iema notificou para realizar a desmobilização dos tanques. 
 
Em julho, o prazo para a desmontagem expirou, mas a empresa não a realizou por completo. Ainda restam cinco estruturas, destinadas, agora, conforme o novo projeto, para armazenagem de soda cáustica, uréia e água.
 
Na reunião, a TPES informou que o Iema orientou a empresa a realizar novo processo de licenciamento do projeto. O MPES, então, apresentou uma proposta: que, associado ao licenciamento, seja realizado um Estado de Impacto de Vizinhança (EIV), não só em relação à área, mas de todo o entorno, para identificar danos reais e potenciais. 
 
O EIV pode conferir ordenamento e debate a um processo que, até aqui, deu-se de forma atropelada e arbitrária. Em nenhum momento os moradores foram ouvidos sobre o projeto de armazenamento de combustíveis a poucos metros de suas residências. Segundo o novo presidente do Movimento Comunitário de Paul, Geremias Wyatt, a ideia, agora, é ouvir a comunidade. “Os moradores estão receosos. Estamos conversando com eles para tentar marcar uma assembleia em fevereiro”, diz. 

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

SOCIOECONÔMICAS
Caminhos eleitorais

PT no cenário de 2018: com Lula, missão no Estado caberá a Helder e Givaldo Vieira. Na falta dele, pode sair aliança com o PDT, que rende chapa forte à Câmara

OPINIÃO
Editorial
Acesso seletivo
Referência da comunidade escolar na Assembleia, Majeski acertou ao cobrar explicações sobre sessão que barrou professores
José Rabelo
A vez dos fichas-limpas
No país da Lava jato, pesquisa Datafolha aponta que a corrupção tornou-se a principal preocupação dos brasileiros
JR Mignone
Avalanche de informações
Talvez a juventude seja o seguimento que mais sofre com tantos fatos e versões
Geraldo Hasse
Salgado Filho, um simples herói
Hoje ninguém mais lembra o advogado que regulamentou o comércio dos ambulantes
Caetano Roque
Água da mesma pipa
Na verdade, não houve embate na eleição no Sindicomerciários
BLOGS
Blog do Phil

Phil Palma

Um homem nu.
Flânerie

Manuela Neves

Uma festa para Ro Ro que rolou escada abaixo
Panorama Atual

Roberto Junquilho

Mulher "noiada" mostra a falência de programas sociais
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Meu dia, seu dia
Gustavo Bastos
Blog destinado à divulgação de poesia, conteúdos literários, artigos e conhecimentos em geral.
MAIS LIDAS

Servidores públicos e da saúde aderem à greve geral da próxima sexta-feira

Deputado cobra apuração de responsabilidades em sessão que barrou comunidade escolar

Clima político em Itapemirim se acirra entre prefeito afastado e vice

Coser anuncia desembarque, mas se cala sobre oposição ao governo Hartung

Tribunal de Contas mira criação de cargos na Prefeitura de Pinheiros