Seculo

 

Em Paul, empresa muda projeto e quer manutenção de tanques no local


25/12/2016 às 17:48
A polêmica em torno dos enormes tanques instalados no alto do Morro do Atalaia, em Paul, Vila Velha, pode voltar. O Terminal Portuário do Espírito Santo S.A. (TPES), empresa proprietária do complexo de tanques no local, apresentou ao Instituto Estadual de Meio Ambiente e Recursos Hídricos (Iema) novo projeto para uso do terminal. Segundo a proposta, apresentada em reunião entre representantes da empresa e de Paul, mediada pelo Ministério Público Estadual (MPES), os cinco tanques que receberiam produtos inflamáveis devem armazenar água, soda cáustica e uréia.
Na reunião, ocorrida no início deste mês, moradores apresentaram documentos e estudos técnicos mostrando impactos que os novos produtos poderão causar. Eles destacaram que dois tanques de armazenamento de soda cáustica em operação liberam gases que incomodam os moradores. Os representantes de Paul também reclamam da desvalorização imobiliária que o complexo causou no local. 
 
Há pouco mais de três anos, a comunidade do Atalaia vive em estado de aflição com os tanques instalados no alto do morro, praticamente colados às residências. A ideia da Liquiport, empresa então responsável pelo terminal, era armazenar combustíveis dos 10 tanques fixados no local. Temendo desastres, os moradores reagiram. Em fevereiro de 2014, o Iema notificou para realizar a desmobilização dos tanques. 
 
Em julho, o prazo para a desmontagem expirou, mas a empresa não a realizou por completo. Ainda restam cinco estruturas, destinadas, agora, conforme o novo projeto, para armazenagem de soda cáustica, uréia e água.
 
Na reunião, a TPES informou que o Iema orientou a empresa a realizar novo processo de licenciamento do projeto. O MPES, então, apresentou uma proposta: que, associado ao licenciamento, seja realizado um Estado de Impacto de Vizinhança (EIV), não só em relação à área, mas de todo o entorno, para identificar danos reais e potenciais. 
 
O EIV pode conferir ordenamento e debate a um processo que, até aqui, deu-se de forma atropelada e arbitrária. Em nenhum momento os moradores foram ouvidos sobre o projeto de armazenamento de combustíveis a poucos metros de suas residências. Segundo o novo presidente do Movimento Comunitário de Paul, Geremias Wyatt, a ideia, agora, é ouvir a comunidade. “Os moradores estão receosos. Estamos conversando com eles para tentar marcar uma assembleia em fevereiro”, diz. 

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

SOCIOECONÔMICAS
Sobrou

Ninho tucano no Estado já estaria pequeno para Colnago, Ferraço e Luiz Paulo. Em desvantagem, o ex-prefeito de Vitória. Será?

OPINIÃO
Editorial
Ruim da cabeça ou doente do pé?
Luciano Rezende quer acabar com o chorinho de Camburi, o Som de Fogueira da Lama e com o tradicional circuito do samba no Centro
Renata Oliveira
Pequenos detalhes, grandes problemas
Situações que antes não eram sequer cogitadas hoje trazem dores de cabeça ao governador Paulo Hartung
Lídia Caldas
Livre-se da armadilha dos rótulos
A informação é o melhor remédio contra a indústria
Geraldo Hasse
Marcha à ré nos biocombustíveis
O governo Temer desmancha os vínculos entre a Petrobras e os agricultores familiares
Caetano Roque
Discurso surdo
Não adianta fazer informativo sobre o golpe que fica restrito à fábrica. É preciso envolver a sociedade
Nerter Samora
Um novo Ministério Público
Renovação no quadro de procuradores de Justiça é oportunidade para novos grupos politicos
BLOGS
Blog do Phil

Phil Palma

pelas beiras!
Flânerie

Manuela Neves

Carmélia, um pouco mais dela
Panorama Atual

Roberto Junquilho

Os tanques de guerra e a marcha dos insensatos
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Sob o céu de Miami
Gustavo Bastos
Blog destinado à divulgação de poesia, conteúdos literários, artigos e conhecimentos em geral.
MAIS LIDAS

Advogada denuncia pressão de secretário de Meio Ambiente contra retomada do nome original do Revis Fradinhos

Sobrou

Urgência de projeto de cessão de PMs segue no Expediente da Assembleia

TJES condena Gratz e Gilson Gomes por esquema de diárias na Assembleia

MPES vai investigar reestruturação administrativa da Prefeitura de Viana