Seculo

 

Em Paul, empresa muda projeto e quer manutenção de tanques no local


25/12/2016 às 17:48
A polêmica em torno dos enormes tanques instalados no alto do Morro do Atalaia, em Paul, Vila Velha, pode voltar. O Terminal Portuário do Espírito Santo S.A. (TPES), empresa proprietária do complexo de tanques no local, apresentou ao Instituto Estadual de Meio Ambiente e Recursos Hídricos (Iema) novo projeto para uso do terminal. Segundo a proposta, apresentada em reunião entre representantes da empresa e de Paul, mediada pelo Ministério Público Estadual (MPES), os cinco tanques que receberiam produtos inflamáveis devem armazenar água, soda cáustica e uréia.
Na reunião, ocorrida no início deste mês, moradores apresentaram documentos e estudos técnicos mostrando impactos que os novos produtos poderão causar. Eles destacaram que dois tanques de armazenamento de soda cáustica em operação liberam gases que incomodam os moradores. Os representantes de Paul também reclamam da desvalorização imobiliária que o complexo causou no local. 
 
Há pouco mais de três anos, a comunidade do Atalaia vive em estado de aflição com os tanques instalados no alto do morro, praticamente colados às residências. A ideia da Liquiport, empresa então responsável pelo terminal, era armazenar combustíveis dos 10 tanques fixados no local. Temendo desastres, os moradores reagiram. Em fevereiro de 2014, o Iema notificou para realizar a desmobilização dos tanques. 
 
Em julho, o prazo para a desmontagem expirou, mas a empresa não a realizou por completo. Ainda restam cinco estruturas, destinadas, agora, conforme o novo projeto, para armazenagem de soda cáustica, uréia e água.
 
Na reunião, a TPES informou que o Iema orientou a empresa a realizar novo processo de licenciamento do projeto. O MPES, então, apresentou uma proposta: que, associado ao licenciamento, seja realizado um Estado de Impacto de Vizinhança (EIV), não só em relação à área, mas de todo o entorno, para identificar danos reais e potenciais. 
 
O EIV pode conferir ordenamento e debate a um processo que, até aqui, deu-se de forma atropelada e arbitrária. Em nenhum momento os moradores foram ouvidos sobre o projeto de armazenamento de combustíveis a poucos metros de suas residências. Segundo o novo presidente do Movimento Comunitário de Paul, Geremias Wyatt, a ideia, agora, é ouvir a comunidade. “Os moradores estão receosos. Estamos conversando com eles para tentar marcar uma assembleia em fevereiro”, diz. 

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

SOCIOECONÔMICAS
Caravana do Amaro

Com a consolidação do movimento em torno de Amaro Neto, deputados partem agora para suas bases eleitorais, exibindo o porta-estandarte de 2018

OPINIÃO
Editorial
A ‘súmula Zenkner’
O desfecho do caso do promotor que queria passar um ano nos Estados Unidos mostrou a importância do papel da imprensa de fiscalizar os agentes públicos
Piero Ruschi
Crise Ambiental
Apesar de ser abençoado pela ausência de desastres naturais como vulcões, terremotos e tufões, o Brasil amarga a desgraça de suas catástrofes ambientais
Renata Oliveira
Amaro assusta?
Os senadores Ricardo Ferraço e Magno Malta tiveram reações diferentes ao movimento do deputado
JR Mignone
Rádio saúde
Nova rádio na web mostra que esse segmento deve crescer na internet
Caetano Roque
A nova do imposto sindical
Como o Movimento Sindical não foi protagonista no processo, agora o recurso virou moeda de troca na mão do capital
BLOGS
Blog do Phil

Phil Palma

Um homem nu.
Flânerie

Manuela Neves

Sizino, o pioneiro
Panorama Atual

Roberto Junquilho

A Força Nacional e o marketing de uma falsa segurança
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Sopa de Letrinhas
Gustavo Bastos
Blog destinado à divulgação de poesia, conteúdos literários, artigos e conhecimentos em geral.
MAIS LIDAS

Caravana do Amaro

Ministério Público pede rejeição das contas de oito prefeituras em 2015

Ex-presidente da Câmara de Vereadores Viana é condenado a ressarcir erário

Recorde de baleias jubartes encalhadas mostra falhas no processo de monitoramento e resgate

Vereadores de Aracruz aprovam criação de CPI ‘mais ampla’ sobre contratos de lixo