Seculo

 

Em Paul, empresa muda projeto e quer manutenção de tanques no local


25/12/2016 às 17:48
A polêmica em torno dos enormes tanques instalados no alto do Morro do Atalaia, em Paul, Vila Velha, pode voltar. O Terminal Portuário do Espírito Santo S.A. (TPES), empresa proprietária do complexo de tanques no local, apresentou ao Instituto Estadual de Meio Ambiente e Recursos Hídricos (Iema) novo projeto para uso do terminal. Segundo a proposta, apresentada em reunião entre representantes da empresa e de Paul, mediada pelo Ministério Público Estadual (MPES), os cinco tanques que receberiam produtos inflamáveis devem armazenar água, soda cáustica e uréia.
Na reunião, ocorrida no início deste mês, moradores apresentaram documentos e estudos técnicos mostrando impactos que os novos produtos poderão causar. Eles destacaram que dois tanques de armazenamento de soda cáustica em operação liberam gases que incomodam os moradores. Os representantes de Paul também reclamam da desvalorização imobiliária que o complexo causou no local. 
 
Há pouco mais de três anos, a comunidade do Atalaia vive em estado de aflição com os tanques instalados no alto do morro, praticamente colados às residências. A ideia da Liquiport, empresa então responsável pelo terminal, era armazenar combustíveis dos 10 tanques fixados no local. Temendo desastres, os moradores reagiram. Em fevereiro de 2014, o Iema notificou para realizar a desmobilização dos tanques. 
 
Em julho, o prazo para a desmontagem expirou, mas a empresa não a realizou por completo. Ainda restam cinco estruturas, destinadas, agora, conforme o novo projeto, para armazenagem de soda cáustica, uréia e água.
 
Na reunião, a TPES informou que o Iema orientou a empresa a realizar novo processo de licenciamento do projeto. O MPES, então, apresentou uma proposta: que, associado ao licenciamento, seja realizado um Estado de Impacto de Vizinhança (EIV), não só em relação à área, mas de todo o entorno, para identificar danos reais e potenciais. 
 
O EIV pode conferir ordenamento e debate a um processo que, até aqui, deu-se de forma atropelada e arbitrária. Em nenhum momento os moradores foram ouvidos sobre o projeto de armazenamento de combustíveis a poucos metros de suas residências. Segundo o novo presidente do Movimento Comunitário de Paul, Geremias Wyatt, a ideia, agora, é ouvir a comunidade. “Os moradores estão receosos. Estamos conversando com eles para tentar marcar uma assembleia em fevereiro”, diz. 

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

SOCIOECONÔMICAS
A bolha de Luciano

Prefeito comemora o Carnaval de Vitória ''sem ocorrências policiais'' e exagera: ''a paz venceu o medo''. Claro - que não!

OPINIÃO
Editorial
Acabou o teatro
O governo disse que não negocia mais com as mulheres dos PMs. Nenhuma novidade. Hartung nunca quis buscar uma saída negociada para a crise
Renata Oliveira
Não cola mais
O governador Paulo Hartung tem sua imagem desconstruída em nível nacional
Ivana Medeiros Zon
Vacilou, dançou
Idosos são alvos crescentes de tentativas de golpes
JR Mignone
Retrocesso
Temo pelo futuro do rádio e dou motivo ao título deste artigo
Nerter Samora
Benesse exposta
Em meio do caos da segurança pública, a questão dos incentivos fiscais da Era Hartung volta à tona
Caetano Roque
O que é mais importante?
Movimento sindical perdeu chance de ouro de colocar contra a parede o projeto neoliberal de Hartung
BLOGS
Blog do Phil

Phil Palma

Crianças trans... Trans - Encontro com Fátima Bernardes.
Flânerie

Manuela Neves

As primeiras artes de Luizah Dantas nas paredes da casa de Branca
Panorama Atual

Roberto Junquilho

Os tanques de guerra e a marcha dos insensatos
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Flamingos no quintal
Gustavo Bastos
Blog destinado à divulgação de poesia, conteúdos literários, artigos e conhecimentos em geral.
MAIS LIDAS

Governo só retoma negociações se mulheres desbloquearem batalhões da PM

Com maioria, Coser não terá problema para se reeleger presidente do PT capixaba

Base do governo na Assembleia barra sessão especial sobre crise na segurança

Não cola mais

CNJ inicia trabalhos de inspeção no Tribunal de Justiça capixaba