Seculo

 

É recesso?


27/12/2016 às 12:11

No início do ano, sob a justificativa de que o País estaria mergulhado em crise econômica por causa da incompetência presidencial, um golpe foi dado para retirar a presidente Dilma Rousseff do governo. O movimento sindical ficou assistindo a tudo isso, até ensaiou uma ida para as ruas para tentar impedir o golpe, mas sem sucesso.

Já nas primeiras medidas do governo ilegítimo, a possibilidade do aumento da carga horária dos trabalhadores chegou a ser cogitada, e as mudanças trabalhistas passaram a fazer parte da agenda do governo, tudo isso, evidentemente, sem que os trabalhadores participassem do debate. Até porque, não dá para sentar e conversar com um governo que não tem legitimidade para governar.

Ainda falando em crise, o presidente Michel Temer sancionou um reajuste de 41,4% para o Judiciário. Em uma tentativa de ganhar apoio dos ministros das cortes superiores, o presidente tenta se segurar no Poder agradando o Judiciário, já que sabe que são eles que podem tirá-lo do poder quando quiserem.

Agora o governo fala em mudar o regime da previdência, aumentando o tempo de contribuição e idade mínima para a aposentadoria, tornando quase impossível para o trabalhador conseguir se aposentar. Fica bem claro a serviço de quem o governo está. Se protege agradando o judiciário e cria obstáculos cada vez mais intransponíveis para o trabalhador.

Enquanto tudo isso acontece, a coluna se pergunta: onde está o movimento sindical? O fim de ano chegou, mas parece que o movimento está em recesso desde o início de 2016. O que chama atenção é que estão dentro do movimento castas de advogados, economistas, cientistas sociais, todos ligados à esquerda e que nada dizem sobre a situação atual.

Observa-se o avanço cada vez maior do golpe em contrapartida a um silêncio ensurdecedor do movimento sindical. O quê as categorias esperam para começar o enfrentamento? Não se pode ficar calado diante do avanço da direita com riscos sérios às garantias conquistadas pela classe trabalhadora.

O movimento parece ter se acostumado com o momento de tranquilidade vivido nos últimos anos e agora não entendeu que a hora é de contra-atacar. Ou o movimento se levanta agora ou não vai mais ter sentido de existir.

Luta de classes já!

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

SOCIOECONÔMICAS
Rabiscos eleitorais

Articuladores já fazem suas contas de 2018. Entre os deputados considerados reeleitos, está quase toda bancada do PMDB, incluindo Erick Musso. Mas, antes, terá que colocar um ''bonde'' pra correr

OPINIÃO
Editorial
À oposição, o respeito!
Seja manifestando uma simples opinião ou criticando medidas do próprio legislativo ou do governo, falou em Sergio Majeski, o tiroteio é garantido
Piero Ruschi
Carta de aniversário ao papai
‘Venho lhe desejar um feliz aniversário de 102 anos, o mais feliz possível, diante de todas mazelas que atormentam o Museu que o senhor criou e o meio ambiente que tanto defendeu
Gustavo Bastos
Destino e acaso
''Quanto ao cético do acaso, ele chama destino de delírio e acaso de nada''
Geraldo Hasse
Em defesa da soberania
Manifesto combate o entreguismo, filho dileto do colonialismo neoliberal
Roberto Junquilho
Os pequenos se movem
Para garantir verba do fundo partidário, siglas como o PCdoB têm que apresentar chapa majoritária em 2018. E, no Estado, como fica?
BLOGS
Flânerie

Manuela Neves

Quem me ensinou a nadar
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Quem quer dinheiro?
Gustavo Bastos
Blog destinado à divulgação de poesia, conteúdos literários, artigos e conhecimentos em geral.
MAIS LIDAS

Hartung reforça interesse em projeto nacional nas eleições de 2018

Manifesto denuncia ameaças a lideranças mobilizadas contra agrotóxicos em Boa Esperança

Fundação Renova é multada e Samarco/Vale-BHP vira alvo de mais uma ação civil pública

Morre Chico Flores

Trabalhadores encerram Greve em Brasília e Jejum nos estados