Seculo

 

É recesso?


27/12/2016 às 12:11

No início do ano, sob a justificativa de que o País estaria mergulhado em crise econômica por causa da incompetência presidencial, um golpe foi dado para retirar a presidente Dilma Rousseff do governo. O movimento sindical ficou assistindo a tudo isso, até ensaiou uma ida para as ruas para tentar impedir o golpe, mas sem sucesso.

Já nas primeiras medidas do governo ilegítimo, a possibilidade do aumento da carga horária dos trabalhadores chegou a ser cogitada, e as mudanças trabalhistas passaram a fazer parte da agenda do governo, tudo isso, evidentemente, sem que os trabalhadores participassem do debate. Até porque, não dá para sentar e conversar com um governo que não tem legitimidade para governar.

Ainda falando em crise, o presidente Michel Temer sancionou um reajuste de 41,4% para o Judiciário. Em uma tentativa de ganhar apoio dos ministros das cortes superiores, o presidente tenta se segurar no Poder agradando o Judiciário, já que sabe que são eles que podem tirá-lo do poder quando quiserem.

Agora o governo fala em mudar o regime da previdência, aumentando o tempo de contribuição e idade mínima para a aposentadoria, tornando quase impossível para o trabalhador conseguir se aposentar. Fica bem claro a serviço de quem o governo está. Se protege agradando o judiciário e cria obstáculos cada vez mais intransponíveis para o trabalhador.

Enquanto tudo isso acontece, a coluna se pergunta: onde está o movimento sindical? O fim de ano chegou, mas parece que o movimento está em recesso desde o início de 2016. O que chama atenção é que estão dentro do movimento castas de advogados, economistas, cientistas sociais, todos ligados à esquerda e que nada dizem sobre a situação atual.

Observa-se o avanço cada vez maior do golpe em contrapartida a um silêncio ensurdecedor do movimento sindical. O quê as categorias esperam para começar o enfrentamento? Não se pode ficar calado diante do avanço da direita com riscos sérios às garantias conquistadas pela classe trabalhadora.

O movimento parece ter se acostumado com o momento de tranquilidade vivido nos últimos anos e agora não entendeu que a hora é de contra-atacar. Ou o movimento se levanta agora ou não vai mais ter sentido de existir.

Luta de classes já!

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

SOCIOECONÔMICAS
Sobrou

Ninho tucano no Estado já estaria pequeno para Colnago, Ferraço e Luiz Paulo. Em desvantagem, o ex-prefeito de Vitória. Será?

OPINIÃO
Editorial
Ruim da cabeça ou doente do pé?
Luciano Rezende quer acabar com o chorinho de Camburi, o Som de Fogueira da Lama e com o tradicional circuito do samba no Centro
Renata Oliveira
Pequenos detalhes, grandes problemas
Situações que antes não eram sequer cogitadas hoje trazem dores de cabeça ao governador Paulo Hartung
Lídia Caldas
Livre-se da armadilha dos rótulos
A informação é o melhor remédio contra a indústria
Geraldo Hasse
Marcha à ré nos biocombustíveis
O governo Temer desmancha os vínculos entre a Petrobras e os agricultores familiares
Caetano Roque
Discurso surdo
Não adianta fazer informativo sobre o golpe que fica restrito à fábrica. É preciso envolver a sociedade
Nerter Samora
Um novo Ministério Público
Renovação no quadro de procuradores de Justiça é oportunidade para novos grupos politicos
BLOGS
Blog do Phil

Phil Palma

pelas beiras!
Flânerie

Manuela Neves

Carmélia, um pouco mais dela
Panorama Atual

Roberto Junquilho

Os tanques de guerra e a marcha dos insensatos
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Sob o céu de Miami
Gustavo Bastos
Blog destinado à divulgação de poesia, conteúdos literários, artigos e conhecimentos em geral.
MAIS LIDAS

Advogada denuncia pressão de secretário de Meio Ambiente contra retomada do nome original do Revis Fradinhos

Sobrou

Urgência de projeto de cessão de PMs segue no Expediente da Assembleia

TJES condena Gratz e Gilson Gomes por esquema de diárias na Assembleia

MPES vai investigar reestruturação administrativa da Prefeitura de Viana