Seculo


  • Lava Jato no ES

 

É recesso?


27/12/2016 às 12:11

No início do ano, sob a justificativa de que o País estaria mergulhado em crise econômica por causa da incompetência presidencial, um golpe foi dado para retirar a presidente Dilma Rousseff do governo. O movimento sindical ficou assistindo a tudo isso, até ensaiou uma ida para as ruas para tentar impedir o golpe, mas sem sucesso.

Já nas primeiras medidas do governo ilegítimo, a possibilidade do aumento da carga horária dos trabalhadores chegou a ser cogitada, e as mudanças trabalhistas passaram a fazer parte da agenda do governo, tudo isso, evidentemente, sem que os trabalhadores participassem do debate. Até porque, não dá para sentar e conversar com um governo que não tem legitimidade para governar.

Ainda falando em crise, o presidente Michel Temer sancionou um reajuste de 41,4% para o Judiciário. Em uma tentativa de ganhar apoio dos ministros das cortes superiores, o presidente tenta se segurar no Poder agradando o Judiciário, já que sabe que são eles que podem tirá-lo do poder quando quiserem.

Agora o governo fala em mudar o regime da previdência, aumentando o tempo de contribuição e idade mínima para a aposentadoria, tornando quase impossível para o trabalhador conseguir se aposentar. Fica bem claro a serviço de quem o governo está. Se protege agradando o judiciário e cria obstáculos cada vez mais intransponíveis para o trabalhador.

Enquanto tudo isso acontece, a coluna se pergunta: onde está o movimento sindical? O fim de ano chegou, mas parece que o movimento está em recesso desde o início de 2016. O que chama atenção é que estão dentro do movimento castas de advogados, economistas, cientistas sociais, todos ligados à esquerda e que nada dizem sobre a situação atual.

Observa-se o avanço cada vez maior do golpe em contrapartida a um silêncio ensurdecedor do movimento sindical. O quê as categorias esperam para começar o enfrentamento? Não se pode ficar calado diante do avanço da direita com riscos sérios às garantias conquistadas pela classe trabalhadora.

O movimento parece ter se acostumado com o momento de tranquilidade vivido nos últimos anos e agora não entendeu que a hora é de contra-atacar. Ou o movimento se levanta agora ou não vai mais ter sentido de existir.

Luta de classes já!

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

SOCIOECONÔMICAS
Caminhos eleitorais

PT no cenário de 2018: com Lula, missão no Estado caberá a Helder e Givaldo Vieira. Na falta dele, pode sair aliança com o PDT, que rende chapa forte à Câmara

OPINIÃO
Editorial
Acesso seletivo
Referência da comunidade escolar na Assembleia, Majeski acertou ao cobrar explicações sobre sessão que barrou professores
José Rabelo
A vez dos fichas-limpas
No país da Lava jato, pesquisa Datafolha aponta que a corrupção tornou-se a principal preocupação dos brasileiros
JR Mignone
Avalanche de informações
Talvez a juventude seja o seguimento que mais sofre com tantos fatos e versões
Geraldo Hasse
Salgado Filho, um simples herói
Hoje ninguém mais lembra o advogado que regulamentou o comércio dos ambulantes
Caetano Roque
Água da mesma pipa
Na verdade, não houve embate na eleição no Sindicomerciários
BLOGS
Blog do Phil

Phil Palma

Um homem nu.
Flânerie

Manuela Neves

Uma festa para Ro Ro que rolou escada abaixo
Panorama Atual

Roberto Junquilho

Mulher "noiada" mostra a falência de programas sociais
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Meu dia, seu dia
Gustavo Bastos
Blog destinado à divulgação de poesia, conteúdos literários, artigos e conhecimentos em geral.
MAIS LIDAS

Servidores públicos e da saúde aderem à greve geral da próxima sexta-feira

Deputado cobra apuração de responsabilidades em sessão que barrou comunidade escolar

Clima político em Itapemirim se acirra entre prefeito afastado e vice

Coser anuncia desembarque, mas se cala sobre oposição ao governo Hartung

Tribunal de Contas mira criação de cargos na Prefeitura de Pinheiros