Seculo

 

Turistas indignados com obra na Bacutia


27/12/2016 às 18:32
A cena é bizarra. Um costão rochoso outrora coberto com vegetação nativa, em uma das praias mais valorizadas turística e economicamente do Estado, agora totalmente desmatado, recebendo tratores e outras máquinas de construção civil.


Abaixo, à beira do mar azul, turistas, surpresos, tentam relevar a desagradável presença e continuar seu lazer em paz. “É um absurdo esse desmatamento! Como as autoridades permitiram isso? Uma agressão!  Como autorizaram o desmatamento de uma área verde assim?”, protesta Letícia Bianchi, turista de Alfredo Chaves, sul do Estado.

“E a legislação ambiental?”, reclama a socióloga Viviane Chaia, moradora de Vitória, proprietária de um apartamento no balneário. “Se o Espírito Santo for um Estado sério, o Ibama [Instituto Brasileiro de Meio Ambiente e Recursos Naturais Renováveis] deverá tomar uma providência. O Idaf [Instituto deDefesa Agropecuária e Florestal] tem feito muito isso, autorizado desmatamentos em áreas verdes de forma totalmente questionável”, acusa.

A obra em curso é de um condomínio de 22 casas de luxo, de um grupo de 20 empresários, que formam a Pacífico Empreendimentos e Participações, com grande influência política e econômica na Capital, como circula no município. O licenciamento ambiental foi autorizado pela Prefeitura de Guarapari, tendo havido também licença do Idaf para o corte raso da vegetação. “É o poder econômico de grupos poderosos acima dos interesses da coletividade. Um órgão estadual autorizou um crime ambiental, o Ibama tem que se manifestar”, avalia Viviane.

A Associação de Moradores da Enseada Azul (Ameazul) entrou com uma tutela provisória cautelar antecedente na Justiça Federal, requerendo, entre outros pedidos, a interrupção da obra até que seja verificada a legitimidade do licenciamento por parte da prefeitura e a autorização de desmate pelo Idaf.

A Justiça Federal, não encontrando órgãos ambientais federais envolvidos no caso, declinou para a Justiça Estadual, que expediu ofícios ao Ibama e outros órgãos da União, para que se pronunciem com relação ao interesse em investigar as denúncias.

Em paralelo, a Ameazul está aguardando envio de toda a documentação relativa às autorizações, pela prefeitura e Idaf, para verificar que outras medidas legais podem ser tomadas.

“Pode ser que eles estejam dentro da lei, mas precisamos analisar toda a documentação para saber. Por ora, o nosso sentir é de que é um empreendimento de alto impacto, feito sem audiências públicas. Estamos estarrecidos”, informa o advogado da Associação, João Alexandre de Vasconcelos, que não descarta a hipótese de uma ação civil pública no Ministério Público Federal.

O processo pode ser acompanhado pelo site do Tribunal de Justiça do Espírito Santo, com o número 0011709-14.2016.8.08.0021. 

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

Espelho democrático

PH, com certeza, vai jogar pra frente dúvida sobre candidatura à reeleição. Mas não o vejo fora da disputa e sem mandato

OPINIÃO
Editorial
MPES omisso
Ministério Público decidiu não participar das audiências de custódia. Um dos prejuízos: denúncias contra tortura, comumente relatada por presos
JR Mignone
O voto facultativo
Atual insatisfação com a política seria uma chance para começar a estudar a implantação do voto facultativo?
BLOGS
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Para, relógio
MAIS LIDAS

Extermínio da juventude negra será tema de jornada de luta no mês da abolição

Presidenciável do PRB articula construção de palanque eleitoral no Estado

Sindicato dos Médicos e CRM encontram cenário caótico em hospitais do norte e noroeste

Processo de nepotismo contra Sérgio Vidigal vai a julgamento nesta terça-feira no TJES

Um filme sobre o extermínio da juventude negra