Seculo

 

Turistas indignados com obra na Bacutia


27/12/2016 às 18:32
A cena é bizarra. Um costão rochoso outrora coberto com vegetação nativa, em uma das praias mais valorizadas turística e economicamente do Estado, agora totalmente desmatado, recebendo tratores e outras máquinas de construção civil.


Abaixo, à beira do mar azul, turistas, surpresos, tentam relevar a desagradável presença e continuar seu lazer em paz. “É um absurdo esse desmatamento! Como as autoridades permitiram isso? Uma agressão!  Como autorizaram o desmatamento de uma área verde assim?”, protesta Letícia Bianchi, turista de Alfredo Chaves, sul do Estado.

“E a legislação ambiental?”, reclama a socióloga Viviane Chaia, moradora de Vitória, proprietária de um apartamento no balneário. “Se o Espírito Santo for um Estado sério, o Ibama [Instituto Brasileiro de Meio Ambiente e Recursos Naturais Renováveis] deverá tomar uma providência. O Idaf [Instituto deDefesa Agropecuária e Florestal] tem feito muito isso, autorizado desmatamentos em áreas verdes de forma totalmente questionável”, acusa.

A obra em curso é de um condomínio de 22 casas de luxo, de um grupo de 20 empresários, que formam a Pacífico Empreendimentos e Participações, com grande influência política e econômica na Capital, como circula no município. O licenciamento ambiental foi autorizado pela Prefeitura de Guarapari, tendo havido também licença do Idaf para o corte raso da vegetação. “É o poder econômico de grupos poderosos acima dos interesses da coletividade. Um órgão estadual autorizou um crime ambiental, o Ibama tem que se manifestar”, avalia Viviane.

A Associação de Moradores da Enseada Azul (Ameazul) entrou com uma tutela provisória cautelar antecedente na Justiça Federal, requerendo, entre outros pedidos, a interrupção da obra até que seja verificada a legitimidade do licenciamento por parte da prefeitura e a autorização de desmate pelo Idaf.

A Justiça Federal, não encontrando órgãos ambientais federais envolvidos no caso, declinou para a Justiça Estadual, que expediu ofícios ao Ibama e outros órgãos da União, para que se pronunciem com relação ao interesse em investigar as denúncias.

Em paralelo, a Ameazul está aguardando envio de toda a documentação relativa às autorizações, pela prefeitura e Idaf, para verificar que outras medidas legais podem ser tomadas.

“Pode ser que eles estejam dentro da lei, mas precisamos analisar toda a documentação para saber. Por ora, o nosso sentir é de que é um empreendimento de alto impacto, feito sem audiências públicas. Estamos estarrecidos”, informa o advogado da Associação, João Alexandre de Vasconcelos, que não descarta a hipótese de uma ação civil pública no Ministério Público Federal.

O processo pode ser acompanhado pelo site do Tribunal de Justiça do Espírito Santo, com o número 0011709-14.2016.8.08.0021. 

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

OPINIÃO
Editorial
Maquiagem oficial
Depois de episódios de repressão, governo Hartung tira a semana para valorizar uma das piores áreas de sua gestão: segurança pública
JR Mignone
Rádio Carnaval
'Taí' um dos poucos eventos em que o rádio perde feio para a televisão
Roberto Junquilho
O dia seguinte
O governador Paulo Hartung terá que se voltar mais intensamente à sua sucessão, depois de desfeito o sonho de ser vice de Luciano Huck
BLOGS
Flânerie

Manuela Neves

A arte de pilotar motocicletas – ou com Chico na garupa
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Yes, nós também!
Gustavo Bastos
Blog destinado à divulgação de poesia, conteúdos literários, artigos e conhecimentos em geral.
MAIS LIDAS

Majeski busca sensibilizar presidente do TJES sobre fechamento de escolas

Repasses da prefeitura à Lieges já foram alvos de investigações no MPES e Polícia Civil

Mergulho profissional sem condições de segurança condena empresas no Estado

Maquiagem oficial

Imetame será tema de audiência pública em Aracruz