Seculo

 

'Milagre capixaba'


27/12/2016 às 21:01
Como já se tornou corriqueiro, Paulo Hartung (PMDB) voltou a abusar das frases feitas, muitas pinçadas de almanaques de gestão, para construir sua narrativa. No balanço de 2016, apresentado na manhã desta terça-feira (27), no Palácio Anchieta, não foi diferente. Mas o discurso saiu um pouco da curva, no momento em que o governador (em duas ocasiões) citou o refrão de “Argumento”, de Paulinho da Viola. Ainda procurou inspiração na Bíblia para propor o “milagre do pão”.
 
O tom predominante era de otimismo, “pero no mucho”. Hartung comemorou os resultados do seu governo. Destacou que estava fechando as contas no azul, com R$ 40 milhões em caixa, mas foi logo avisando que o cofre continuará fechado em 2017. “É preciso [como o velho marinheiro, de Paulinho da Viola] levar o barco devagar”. E acrescentou: “Ainda não saímos do nevoeiro”. 
 
No seu discurso de pouco mais de uma hora, Hartung deixou a modéstia de lado para exaltar os resultados do seu governo. Aliás, está era exatamente a tônica do seu discurso: registrar que a guerra continua, mas que seu governo venceu pelo segundo ano seguido a sangrenta peleja contra o dragão da crise. A narrativa construída ainda na campanha ao governo em 2014 destaca que as contas do Estado foram “irresponsavelmente desorganizadas na gestão anterior”. Sem citar o nome do ex-governador Renato Casagrande (PSB), ele lembrou que assumiu o Estado com um déficit de R$ 1,3 bilhão, corrigiu o orçamento de 2015 para a realidade, e conseguiu reorganizar as contas graças a um ajuste fiscal severo. 
 
A narrativa supervaloriza sua gestão. Mas não bastava ao governador afirmar que está vencendo o dragão da crise, mas exaltar que esse não é um dragão qualquer, mas aquele de sete cabeças. “É a pior crise dos cem, cento e vinte anos”, valorizou.
 
Hartung queria mostrar que tirou o Estado do fundo do poço, fez um ajuste fiscal digno de manual de gestão, que deveria (ou deve) servir de modelo para o resto dos gestores do País, começando por Temer, passando por prefeitos e governadores. Ele fez questão de enfatizar que seu feito é único ao comparar a saúde financeira do Espírito Santo com a de outros estados: “Meteram o pé na jacá”, ironizou, se referindo aos colegas governadores que estão com a corda no pescoço e os pés no cadafalso.
 
Antes que os críticos de plantão dissessem que ele conseguiu os resultados, sacrificando investimentos sociais, Hartung se antecipou. Recorreu aos resultados de “programas-vitrines” (Escola Viva e Ocupação Social) para não ser acusado de negligenciar a área social, uma das nódoas indeléveis dos seus dois primeiros governos. 
 
Tanto o Escola Viva quanto o Ocupação são dois programas risíveis em termos de alcance e resultados, mas que têm cumprido o propósito de mostrar que o governo é "socialmente responsável". Hartung também inclui no pacote de realizações sociais cerca de 200 leitos criados na saúde para exaltar que ainda reservou recursos para investir em áreas-chave.
 
Em seguida, volta a repetir que os resultados positivos não significam o afrouxamento da política de austeridade. Muito ao contrário, ele vislumbra um 2017 ainda difícil e avisou que vai arrochar os gastos o quanto for preciso para não permitir que as contas desandem. Hartung sempre lembra que “ainda estamos próximos do precipício”. E adverte: “Não dá pra fazer dança de roda na beira do precipício”. 
 
Manter essa advertência é estratégico para justificar que o cofre seguirá trancado em 2017. O alerta serve de recado para os prefeitos eleitos. Hartung repetiu que pode ajudar com conselhos. Falando quase como um consultor, ele disse que pode colaborar, orientando os novos prefeitos a se manterem na margem de segurança do precipício. 
 
Inspirado, Hartung incluiu o “criar” aos dizeres da bandeira do Espírito Santo e aconselhou: “Crie, trabalhe e confie”. Depois trocou os versos de Paulinho da Viola e os conceitos tirados dos manuais de gestão pelos escritos bíblicos. Ele queria explicar como pretende distribuir os parcos recursos de forma igualitária entre os 78 prefeitos: “(...) como um pai que tem muitos filhos e pouco pão”. Pronto, o Milagre dos Pães de Jesus acabara de ganhar uma versão nova na “parábola” de Hartung. Agora só falta replicar o “milagre capixaba” para o resto do País.

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

SOCIOECONÔMICAS
Declaração de guerra

Luciano Rezende inflou tanto a candidatura de Denninho, para se livrar da única oposição que sofria na Câmara, que acabou arrumando um problemão dentro de casa

OPINIÃO
Editorial
Operação seletiva
Mandado de busca coletivo cumprido nesta quinta (17) em Jesus de Nazareth viola Estado Democrático de Direito
Renata Oliveira
A escolha de Sofia
Os prefeitos do Estado têm de escolher entre Rose de Freitas ou Paulo Hartung
Geraldo Hasse
Pedalando rumo ao Norte
Até quando os brasileiros se deixarão governar por quem não os representa?
BLOGS
Blog do Phil

Phil Palma

Um homem nu.
Flânerie

Manuela Neves

Sizino, o pioneiro
Panorama Atual

Roberto Junquilho

A Força Nacional e o marketing de uma falsa segurança
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

A árvore da via
Gustavo Bastos
Blog destinado à divulgação de poesia, conteúdos literários, artigos e conhecimentos em geral.
MAIS LIDAS

Megaoperação foi baseada em mandados de busca ilegais

'Nós não conseguimos passar duas eleições com a mesma regra'

Câmara de Vereadores arquiva denúncia contra prefeito interino de Itapemirim

PSB realiza encontro municipal neste sábado na Serra de olho em 2018

Placar ambiental da minuta do PDU de Vitória está empatado