Seculo


  • Lava Jato no ES

 

Governo suspende estado de alerta para crise hídrica


29/12/2016 às 13:16
A Agência Estadual de Recursos Hídricos (Agerh) publicou na última quarta-feira (28) a Resolução nº 047/2016, que revoga o estado de alerta contra a crise hídrica em todo o Estado do Espírito Santo, revogando, portanto, a Resolução 037, de agosto de 2016 e seus efeitos.

A medida, no entanto, mantém vigentes os Acordos de Cooperação Comunitária (ACCs) devidamente homologados pela AGERH, sendo que o descumprimento às normas dos ACCs está sujeito à aplicação das penalidades previstas ao Artigo 71 da Lei 10.179/14.

O texto da Resolução também reitera a recomendação, a todos os usuários, para que permaneçam com as ações de racionalização do uso da água em caráter sustentável e permanente.

A suspensão do alerta contra a crise hídrica se soma a outras duas medidas vindas de Brasília que, em conjunto, tornam a vida do pequeno agricultor familiar, incluindo os que aguardam assentamentos por Reforma Agrária, bastante complicada em 2017.

Primeiro, as Medidas Provisórias publicadas pelo Governo federal com relação às dívidas dos agricultores, inviabiliza a aquisição de novos financiamentos para investir na próxima safra. “Enquanto não concluir o pagamento do refinanciamento, o agricultor não pode tomar outro empréstimo. E se ele não refinanciar, fica inadimplente e não consegue financiamento do mesmo jeito”, resume Adelso Lima Rocha, membro da coordenação estadual do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST).

Em segundo lugar, o governo federal excluiu o Espírito Santo na lista de 15 estados que receberão investimentos para amenização dos efeitos da seca. São R$ 755 milhões para construção de cisternas e microaçudes e para implantação de programas de acesso à água.

Para as famílias acampadas, à espera de assentamento, 2017 será ainda um ano em que o Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra) estará impedido de realizar vistorias para criação de novos assentamentos, restando apenas a compra de terras como alternativa à Reforma Agrária no estado, ferramenta, no entanto, que nunca deslanchou no estado.

“São exemplos das políticas punitivas, nos mais diversos sentidos, contra os agricultores familiares, aos trabalhadores sem terra e aos assentados pela Reforma Agrária, tanto em nível federal quanto estadual”, avalia o líder do MST. 

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

SOCIOECONÔMICAS
Tem, sim!

Não escapou Hartung nem Baianinho dos protestos de desta sexta-feira no Estado

OPINIÃO
Editorial
A PM sendo PM
Depois de estarem do “outro lado do balcão, policiais militares voltam a recorrer à violência para reprimir greve geral dos trabalhadores no ES
Renata Oliveira
O que esperar de PH para 2018?
A história do Baianinho pegou e dificulta o caminho eleitoral do governador
Geraldo Hasse
Os apuros do rei da petroquímica
A ascensão da Braskem faz lembrar o ditado: tudo que sobe rápido demais, desce ligeirinho
Lídia Caldas
Como ter um coração saudável?
Curioso que algumas coisas que hoje são heresias amanhã podem se tornar dogmas
BLOGS
Blog do Phil

Phil Palma

Um homem nu.
Flânerie

Manuela Neves

Nenna, em transição
Panorama Atual

Roberto Junquilho

A Odebrecht quebrou a "Omertá", e agora?
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Aniversário devia ser feriado
Gustavo Bastos
Blog destinado à divulgação de poesia, conteúdos literários, artigos e conhecimentos em geral.
MAIS LIDAS

O que esperar de PH para 2018?

Justiça absolve ex-secretário Neivaldo Bragato de acusação de improbidade

Prefeitura publica edital para alienação do Saldanha da Gama

Projetos prejudiciais ao governo adormecem na pauta da Assembleia

Prefeitura realiza audiência pública sobre condomínio de luxo na Bacutia