Seculo

 

O ano da observação


31/12/2016 às 17:34

O ano de 2017 começa neste domingo com a posse dos novos prefeitos e os prefeitos reeleitos e os vereadores, eleitos em outubro passado. O ano que antecede a eleição de 2018 será de muita observação para quem começa o mandato, para quem saiu derrotado da disputa e para quem apoiou um dos lados. Com a possibilidade de a crise econômica e política perdurar durante todo o ano que começa, pode trazer mudanças nos projetos das lideranças do Estado.

Os principais holofotes vão ficar voltados para o governador Paulo Hartung (PDMB), que tenta mais uma vez confundir o mercado político sobre seu futuro eleitoral. Os principais interessados no movimento do governador são os senadores Ricardo Ferraço (PMDB) e Magno Malta (PR), que disputam a reeleição em 2018. Com Hartung no páreo, a vida deles pode ficar mais complicada. O retrospecto do governador, porém, não garante que ele seguirá esse caminho, o que deixa o meio político em compasso de espera.

Outro foco das observações será o início de gestão dos quatro prefeitos eleitos na Grande Vitória e a marcação forte dos adversários deles que saíram derrotados na disputa do segundo turno, vão estudar com muita paciência os movimentos uns dos outros.

Para Luciano Rezende (PPS), Audifax Barcelos (Rede) e Juninho (PPS), prefeitos de Vitória, Serra e Cariacica, respectivamente, o desafio é maior. Eles começam o segundo mandato. Muita gente se desgasta nesta fase, perdendo força política. Mas pelo menos dois deles – Luciano e Audifax – têm pretensões de chegar ao governo do Estado no futuro e para isso vão ter de mostrar serviço, fazendo gestões bem melhores do que os primeiros quatro anos.

A onda da crise nacional pode ser excelente para o governador Paulo Hartung, mas os prefeitos não vão conseguir segurar esse discurso por mais um ano. Com a indisposição do governo do Estado em ajudar os municípios, a situação vai ficar ainda mais complicada para essas lideranças.

O desafio é grande, mas se considerarmos que o governador Paulo Hartung encerra em 2018 seu ciclo no Estado e com o espaço político de Renato Casagrande (PSB) diminuindo na planície, o caminho pode ficar mais fácil para novas lideranças que queiram avançar em novos desafios. O que não podem é abrir espaço para que os adversários derrotados possam cobrar, aí passam a ser vidraça e vidraça quebra com pedrada.

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

OPINIÃO
Renata Oliveira
Demandas na mesa
Novo presidente da Assembleia terá o desafio de criar condições de visibilidade para deputados
Geraldo Hasse
A madre superiora manda recado
Tirar das cadeias os presos provisórios pode ser o primeiro passo para a implantação da Justiça
BLOGS
Blog do Phil

Phil Palma

Mais que mil palavras!
Flânerie

Manuela Neves

As primeiras artes de Luizah Dantas nas paredes da casa de Branca
Panorama Atual

Roberto Junquilho

Não basta excluir os pobres, é preciso matá-los?
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

A posição astral para 2017
Gustavo Bastos
Blog destinado à divulgação de poesia, conteúdos literários, artigos e conhecimentos em geral.
MAIS LIDAS

Erick Musso já teria os votos para ser eleito presidente da Assembleia

Histórico da Amunes favorece Zanon na disputa com Gilson Daniel

Sindicato pede mais tempo para reorganização de pessoal na Justiça capixaba

Movimento Nacional dos Direitos Humanos no ES vai debater situação do sistema prisional capixaba

Febre amarela já pode ter vitimado mais de mil macacos no Espírito Santo