Seculo

 

Campo fechado


30/12/2016 às 17:37

Os dois senadores do Estado que terão suas vagas em disputa em 2018, Ricardo Ferraço (PSDB) e Magno Malta (PR), estão trabalhando em conjunto para tentar ganhar fortalecimento e ganhar visibilidade e capital político para a disputa à reeleição em 2018. Depois de oito anos atuando fora do Estado e com a necessidade de alcançar mais de um milhão de votos, a tarefa por si só não é fácil.

Mas os dois tem uma ameaça a mais para a eleição. Se o governador Paulo Hartung (PMDB) seguir a tendência natural da disputa e entrar na briga para o Senado, qual das duas cadeiras estará mais ameaçada? Se Hartung se filiar mesmo ao PSDB, a situação de Ferraço fica mais complicada, até porque essa história de que ele poderá disputar o governo no lugar de César Colnago não cola.

Como a esperança é a última que morre, os senadores vão apostar no retrospecto de Hartung de dizer uma coisa e realizar outra. O governador vem sendo lembrando como um nome forte para compor uma eventual chapa como candidato a vice-presidente da República. Outro alento é o fato de ele dizer que sua inserção no debate nacional dependerá do cenário político e do “clamor popular”, ou seja, ele também não descarta a possibilidade de disputar a reeleição.

Se uma dessas hipóteses se concretizar, a situação dos senadores fica mais aliviada. Tirando Harutng da corrida ao Senado, o cenário político do Estado hoje não apresenta um nome que possa ameaçar tão seriamente os senadores. O ex-governador Renato Casagrande (PSB) pode até representar algum perigo se disputar, mas precisa aumentar sua visibilidade.

Mas um ano de planície pode prejudicar sua movimentação em 2018, principalmente se o governador Paulo Hartung deixar de lado a disputa indireta com seu antecessor. Também vale destacar que essa força de Hartung hoje é alimentada pela propaganda de sua gestão fora do Estado. Mas, se não conseguir manter esse discurso, seu capital político pode também minar.

Por isso, os dois senadores vão passar 2017 cuidando de suas imagens, trabalhando suas articulações políticas e vigiando os movimentos do governador em busca da acomodação para os palanques de 2018.

Fragmentos:

1 – O vereador eleito de Vitória, Roberto Martins (PTB), já apresentou toda a equipe, com o currículo de cada um nas redes sociais. Interessante a iniciativa, pois aproxima seus assessores da população.

2 – Mais uma vez o governo do Estado espera o fim do ano para aumentar o valor da tarifa do Transcol. Com os estudantes em férias, é mais fácil dar o golpe. Mas se ficar em R$ 3,20 mesmo, não vai ser fácil segurar a revolta das ruas.

3 – O jornal Século Diário vai acompanhar as posses dos prefeitos Luciano Rezende (PPS), em Vitória; Max Filho (PSDB), em Vila Velha, Audifax Barcelos (Rede), na Serra e Juninho (PPS), em Cariacica neste domingo (1). Confira.

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

Crônica de uma eleição

Vagões do trem do governador Paulo Hartung estão acima da capacidade da locomotiva. Haja peso para carregar...

OPINIÃO
Editorial
Futuro interrompido
Onde estão os promotores, delegados, políticos e demais agentes públicos para berrarem em defesa da infância? Mortes no Heimaba são alarmantes e inadmissíveis!
Bruno Toledo
Em defesa dos defensores
Nunca antes foi tão necessário e urgente o fortalecimento da Defensoria Pública
Eliza Bartolozzi Ferreira
A greve é um direito
Prefeito de Vitória ignorou o direito dos professores e adotou medidas coercitivas contra a liberdade de expressão e de greve
JR Mignone
Nova rádio
Tudo modificado, tudo moderno na Rádio Globo
BLOGS
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Arrogância também conta?
MAIS LIDAS

Vitória já poderia ter identificado as fontes de emissão de pó preto

Regimento Interno da Câmara da Serra torna nulo pedido de empréstimo para a prefeitura

Audiência Pública debate políticas de enfrentamento às desigualdades raciais

Pulverizações com agrotóxicos continuam no entorno do Parque de Itaúnas

Mordaça na escola