Seculo

 

Tradições indígenas inspiram transição para alimentação natural


31/12/2016 às 20:07
A mandioca ou  aipim, castelinha, uaipi, macaxeira, mandioca-doce, mandioca-mansa, maniva, maniveira, mandioca-brava e mandioca-amarga são alguns termos usados para nomear o tubérculo. Eleita o alimento do século 21 pela ONU, a mandioca está no centro da alimentação tradicional dos índios americanos. Fácil de cultivar, versátil, altamente nutritiva, com baixo índice glicêmico e livre de glúten, é encontrada em todas as regiões do Brasil e durante o ano todo. Milho e outros tubérculos feculentos completam o cardápio básico dos povos originários das Américas – baseado nos vegetais frescos e encontrados localmente, em cada estação do ano.

Tão moderno e ancestral ao mesmo tempo. É que a roda do tempo gira e, muitas vezes, nos coloca novamente de frente com uma velha novidade, só que repaginada, adaptada às novas tecnologias, ao novo ritmo do tempo em questão ...

É nesse sentido que caminha o trabalho da dupla Lígia Sancio (culinarista) e Rafaela Brito Fardin (nutricionista): inspirar-se na ancestralidade alimentar ameríndia de propor uma alimentação vegana e orgânica/agroecológica, que atenda às necessidades de uma dieta mais saudável, não só individualmente, para as pessoas, mas igualmente saudável para o planeta como um todo.

“Nosso pressuposto é fazer uma boa alimentação, variada, colorida, local, orgânica e vegetariana. E ajudar as pessoas a fazerem isso na vida delas também”, resume Lígia.  Consciente da crescente procura por dietas sem glútens, com baixo índice glicêmico e com baixa ou nenhuma ingestão de proteína animal, a culinarista e a nutricionista buscam, em seus cursos, organizar, disponibilizar e trocar explicações culturais, territoriais e antropológicas que sustentem essa mudança alimentar.

“Não é só porque é fit, porque está na moda”, justifica Lígia, adepta do veganismo e da agroecologia há muitos anos. “É a alimentação como ato político”, emenda Rafaela

Da feira ao prato

O próximo curso da dupla será no dia 21 de janeiro, de 7h00 às 14h00, iniciando na feira orgânica do Barro Vermelha e seguindo para a Residência Vegana no bairro Santa Cecília, ambos em Vitória. A intenção é promover uma pequena vivência, envolvendo os participantes na aquisição, preparo e consumo dos alimentos.

A parte teórica irá enfocar as diferentes formas de cultivo e os benefícios de reduzir a presença dos industrializados e privilegiar os orgânicos/agroecológicos que, naturalmente, nos levam a respeitar a sazonalidade dos alimentos. Além da história do trigo, enfatizando que ele, isoladamente, não é o culpado pela epidemia celíaca que assola o mundo. Mas que, por outro lado, “nossas raízes ameríndias são essencialmente sem glúten!”

E tudo o que faz bem para o corpo individual, humano, reflete em benefícios também em escala global. “A alimentação é a primeira forma de comunicação coletiva do ser humano”, afirma Rafaela, que entende a consciência alimentar como a principal porta para uma percepção mais profunda e orgânica da sustentabilidade.

“Estar próxima da agroecologia, respeitar a sazonalidade dos alimentos ... tudo isso nos aproxima da dimensão ecológica. E o movimento vegano, ou a parte mais saudável dele, dialoga muito também com a conservação ambiental”, pondera Lígia. “É internalizar pra externalizar”, sintetiza a nutricionista.

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

SOCIOECONÔMICAS
'Tudo dominado'

Até agora, o terreno parece armado para permitir que César Colnago acumule a vice-governadoria com a presidência do PSDB no Estado. Só parece?

OPINIÃO
Editorial
Ajuste fiscal, a 'isca' do negócio
Hartung tem feito publicidade nacional para mostrar que o ES é o novo paraíso para investidores. Esconde, porém, os problemas internos, que não são poucos
Piero Ruschi
Risco à natureza gera efeito bolha em turismo de Santa Teresa
Desenvolvimento tem sido norteado pelo crescimento do turismo e seu potencial. Mas ‘corre solto’, o que pode ter um preço alto demais
Renata Oliveira
Tem que saber separar
Governador troca ministro por conversa com jornalistas, só para evitar Rose de Freitas
Gustavo Bastos
Swinging London
Um dos pontos de convergência em que a arte em geral se movia
Caetano Roque
Sindicalismo unilateral
O processo de debate no movimento sindical deve ser participativo, mas não é isso que vem acontecendo no país
JR Mignone
Proliferação de rádios na internet
Fazer rádio todo mundo gosta e quer fazer, mas fazer rádio de bom gosto ainda é difícil
BLOGS
Flânerie

Manuela Neves

Quem me ensinou a nadar
Panorama Atual

Roberto Junquilho

Este blog fica por aqui
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Algo de novo no ar
Gustavo Bastos
Blog destinado à divulgação de poesia, conteúdos literários, artigos e conhecimentos em geral.
MAIS LIDAS

Sindicalismo unilateral

Hartung se reúne com Rodrigo Maia em Brasília

Tem que saber separar

Tribunal de Contas volta a cobrar informações sobre venda da Cesan

'Tudo dominado'