Seculo

 

Em pleno verão, rotativo de Guarapari vive crise de credibilidade


01/01/2017 às 16:59
O que era para ser solução, virou problema. O sistema de estacionamento rotativo de Guarapari vive uma crise aguda de credibilidade em pleno verão, quando a população na cidade triplica com os turistas. 
 
No início de dezembro, a Comissão Especial de Investigação (CEI) da Câmara Municipal de Guarapari instaurada para apurar possíveis irregularidades na licitação e no funcionamento do rotativo pediu a suspensão e cancelamento do contrato com a Vista Group Network Sistemas e Empreedimentos Ltda ME (VGN), concessionária do sistema. E, segundo relatório final da comissão, a dívida da empresa com os cofres públicos chegaria a R$ 400 mil, segundo matéria do jornal Folha da Cidade do último dia 23. 
 
O relatório final ainda não foi aprovado. Os membros da comissão, o presidente Thiago Paterlini (PSDB), o relator Manoel Couto (PT) e a vice-presidente Fernanda Mezzelli (PSD), irão tentar a convocação de sessão extra para obter a aprovação do texto. Já o requerimento foi aprovado em plenário.
 
O pedido de suspensão e cancelamento do contrato é amparado em dois pontos. Segundo a comissão, o contrato determina o repasse de 34% da receita bruta para a prefeitura. Mas, até o início de dezembro, os vereadores garantiam que nenhum valor fora repassado. Eles destacam a cláusula que permite a suspensão do contrato em caso de atraso de 30 dias do repasse. Em 9 de dezembro, a empresa anunciou o parcelamento da dívida com o município.
 
Os vereadores também acusam a empresa de vender cotas para investidores com o objetivo de levantar capital. Eles argumentam que há uma cláusula no contrato que veda a prática, o que também ensejou o pedido de suspensão e cancelamento do contrato com a prefeitura.
 
Hoje abrangendo cerca de mil vagas de estacionamento no Centro e em Muquiçaba, com expectativa de implantar outras 500 vagas no Aeroporto, na orla da Praia do Morro e na Enseada Azul, o rotativo de Guarapari começou a operar fevereiro deste ano após alguns meses de embates judiciais. Em julho de 2015, a Justiça acatou ação da Associação dos Comerciantes de Guarapari pela suspensão do serviço. Em dezembro, do mesmo ano, a Justiça indeferiu pedido de reconsideração interposto pelo Município de Guarapari em face de decisão. 
 
Em janeiro, a Justiça negou novo pedido interposto pela prefeitura para reforma da decisão. Ainda assim, o prefeito Orly Gomes (DEM) oficiara o sócio-diretor da empresa para início da operação do rotativo a partir de 4 de janeiro. Novo pedido de reforma da decisão, desta vez interposto pela VGN, foi negado pela Justiça ainda em janeiro. O rotativo só iniciou de fato as operações após acordo entre empresa e associação dos comerciantes. 
 
O sistema também já foi alvo de investigação da CPI da Máfia dos Guinchos, na Assembleia Legislativa. Em maio, a comissão ouviu o representante do empresa, Ricardo Silva Martins, sobre autuações e guinchamento de veículos. A CPI chegou a convocar o prefeito Orly Gomes para esclarecer a licitação, mas esbarrou em habeas corpus obtido pelo demista para não prestar depoimento.

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

SOCIOECONÔMICAS
CMV
Gandini e a máquina

Atual 'sacada' eleitoral de Fabrício Gandini é na área de segurança e com reforço de comitiva da prefeitura, onde até outro dia era o ''supersecretário''

OPINIÃO
Editorial
As novas roupagens da censura
Os resquícios da ditadura militar ainda assombram a liberdade de expressão no País, estendendo seus tentáculos para o trabalho da imprensa
Eliza Bartolozzi Ferreira
A raposa cuidando do galinheiro
Na lógica do custo-benefício, governo Hartung entende que deve ofertar um ensino pasteurizado, de baixo custo e restrito a quem podem estudar em período integral
JR Mignone
A cobertura da Copa
No mês que antecedeu a Copa e no mês do desenrolar da competição, a Globo abusou da cobertura a ponto de cansar até o telespectador que gosta de esportes
BLOGS
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Entre a salada e o vinho
MAIS LIDAS

Agricultores orgânicos de Santa Maria de Jetibá e de Linz organizam intercâmbio

Ministro do STF mantém afastamento do prefeito de Itapemirim

MPF quer que motoristas multados tenham acesso às imagens das infrações

STJ concede habeas corpus para ortopedista preso em Lama Cirúrgica

Câmara de Vitória realiza a primeira de três audiências sobre Escola Sem Partido