Seculo

 

Em pleno verão, rotativo de Guarapari vive crise de credibilidade


01/01/2017 às 16:59
O que era para ser solução, virou problema. O sistema de estacionamento rotativo de Guarapari vive uma crise aguda de credibilidade em pleno verão, quando a população na cidade triplica com os turistas. 
 
No início de dezembro, a Comissão Especial de Investigação (CEI) da Câmara Municipal de Guarapari instaurada para apurar possíveis irregularidades na licitação e no funcionamento do rotativo pediu a suspensão e cancelamento do contrato com a Vista Group Network Sistemas e Empreedimentos Ltda ME (VGN), concessionária do sistema. E, segundo relatório final da comissão, a dívida da empresa com os cofres públicos chegaria a R$ 400 mil, segundo matéria do jornal Folha da Cidade do último dia 23. 
 
O relatório final ainda não foi aprovado. Os membros da comissão, o presidente Thiago Paterlini (PSDB), o relator Manoel Couto (PT) e a vice-presidente Fernanda Mezzelli (PSD), irão tentar a convocação de sessão extra para obter a aprovação do texto. Já o requerimento foi aprovado em plenário.
 
O pedido de suspensão e cancelamento do contrato é amparado em dois pontos. Segundo a comissão, o contrato determina o repasse de 34% da receita bruta para a prefeitura. Mas, até o início de dezembro, os vereadores garantiam que nenhum valor fora repassado. Eles destacam a cláusula que permite a suspensão do contrato em caso de atraso de 30 dias do repasse. Em 9 de dezembro, a empresa anunciou o parcelamento da dívida com o município.
 
Os vereadores também acusam a empresa de vender cotas para investidores com o objetivo de levantar capital. Eles argumentam que há uma cláusula no contrato que veda a prática, o que também ensejou o pedido de suspensão e cancelamento do contrato com a prefeitura.
 
Hoje abrangendo cerca de mil vagas de estacionamento no Centro e em Muquiçaba, com expectativa de implantar outras 500 vagas no Aeroporto, na orla da Praia do Morro e na Enseada Azul, o rotativo de Guarapari começou a operar fevereiro deste ano após alguns meses de embates judiciais. Em julho de 2015, a Justiça acatou ação da Associação dos Comerciantes de Guarapari pela suspensão do serviço. Em dezembro, do mesmo ano, a Justiça indeferiu pedido de reconsideração interposto pelo Município de Guarapari em face de decisão. 
 
Em janeiro, a Justiça negou novo pedido interposto pela prefeitura para reforma da decisão. Ainda assim, o prefeito Orly Gomes (DEM) oficiara o sócio-diretor da empresa para início da operação do rotativo a partir de 4 de janeiro. Novo pedido de reforma da decisão, desta vez interposto pela VGN, foi negado pela Justiça ainda em janeiro. O rotativo só iniciou de fato as operações após acordo entre empresa e associação dos comerciantes. 
 
O sistema também já foi alvo de investigação da CPI da Máfia dos Guinchos, na Assembleia Legislativa. Em maio, a comissão ouviu o representante do empresa, Ricardo Silva Martins, sobre autuações e guinchamento de veículos. A CPI chegou a convocar o prefeito Orly Gomes para esclarecer a licitação, mas esbarrou em habeas corpus obtido pelo demista para não prestar depoimento.

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

OPINIÃO
Editorial
Maquiagem oficial
Depois de episódios de repressão, governo Hartung tira a semana para valorizar uma das piores áreas de sua gestão: segurança pública
JR Mignone
Rádio Carnaval
'Taí' um dos poucos eventos em que o rádio perde feio para a televisão
Roberto Junquilho
O dia seguinte
O governador Paulo Hartung terá que se voltar mais intensamente à sua sucessão, depois de desfeito o sonho de ser vice de Luciano Huck
BLOGS
Flânerie

Manuela Neves

A arte de pilotar motocicletas – ou com Chico na garupa
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Yes, nós também!
Gustavo Bastos
Blog destinado à divulgação de poesia, conteúdos literários, artigos e conhecimentos em geral.
MAIS LIDAS

Majeski busca sensibilizar presidente do TJES sobre fechamento de escolas

Repasses da prefeitura à Lieges já foram alvos de investigações no MPES e Polícia Civil

Mergulho profissional sem condições de segurança condena empresas no Estado

Maquiagem oficial

Imetame será tema de audiência pública em Aracruz