Seculo

 

Tesoura na mão


02/01/2017 às 16:03

O clima nas posses dos prefeitos da Grande Vitória nesse domingo (1) foi bem diferente de município para município. De coral com música religiosa, em Cariacica, à pancadaria na Serra, cada prefeito sentiu de forma diferente o calor do eleitorado no início do ano. Mas uma coisa se pode dizer que foi uniforme: o discurso de cortes.

Max Filho (PSDB) anunciou o contingenciamento de 20% de cargos comissionados e 30% do orçamento de Vila Velha. Juninho, em Cariacica,  e Luciano Rezende, em Vitória, ambos do PPS, vão bloquear 10% de cargos e Audifax Barcelos (Rede), que tem a situação menos complicada – financeiramente falando –, também vai governar “como economista”.

Os prefeitos se baseiam na expectativa de que a crise permanecerá em 2017 e por isso é preciso apertar o cinto. Até porque, todos eles têm expectativa políticas futuras e precisam de gestões equilibradas para terem cartas na manga.

Uma solução para eles seria realmente a união de forças em torno da efetivação da região metropolitana, um discurso que ganhou fôlego com o fim da eleição, mas que parece ter esfriado com a proximidade da posse. Resta saber se depois do recesso esse tema voltará a ser debatido como se deve.

Outro ponto que deverá ser observado é a rivalidade. Todos os prefeitos que agora assumem têm no seu pé lideranças que podem aumentar o tom das críticas sob qualquer pretexto. Os derrotados nas disputas do segundo turno – Marcelo Santos (PMDB), Cariacica; Sérgio Vidigal (PDT), Serra e Amaro Neto (SD), em Vitória – já chegaram até a se reunir para debater essa estratégia.

Seja administrativamente, seja politicamente, os prefeitos da Grande Vitória entendem que podem se apresentar para o futuro político do Estado, mas a construção deste caminho passa por gestões de resultado nas prefeituras. Neste sentido, o corte agora é importante, mas precisarão avançar já no segundo ano de gestão se quiserem aumentar seus capitais políticos.

Fragmentos:

1 – Na Câmara de Linhares, norte do Estado, a aprovação da chapa única, encabeçada por Ricardo Bonomo (SD) não teve dificuldade na eleição, mas a divisão das comissões permanentes travou e uma nova sessão acontece nesta segunda-feira (2) para definir os cargos.

2 – Os vereadores de Vila Velha acabaram espremidos em um canto do palanque montado no Centro de Convenções de Vila Velha. O espaço foi bom, mas a visibilidade dos legisladores não foi grande.

3 – A deputada Raquel Lessa (SD) mudou de gabinete. A partir de agora, ela deixa o sétimo andar da Assembleia legislativa, e passa a atender no gabinete 902 que era do então deputado Edson Magalhães (PMDB). O antigo gabinete agora será ocupado pelo deputado Esmael de Almeida (PMDB).

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

OPINIÃO
Renata Oliveira
Demandas na mesa
Novo presidente da Assembleia terá o desafio de criar condições de visibilidade para deputados
Geraldo Hasse
A madre superiora manda recado
Tirar das cadeias os presos provisórios pode ser o primeiro passo para a implantação da Justiça
BLOGS
Blog do Phil

Phil Palma

Mais que mil palavras!
Flânerie

Manuela Neves

As primeiras artes de Luizah Dantas nas paredes da casa de Branca
Panorama Atual

Roberto Junquilho

Não basta excluir os pobres, é preciso matá-los?
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

A posição astral para 2017
Gustavo Bastos
Blog destinado à divulgação de poesia, conteúdos literários, artigos e conhecimentos em geral.
MAIS LIDAS

Erick Musso já teria os votos para ser eleito presidente da Assembleia

Histórico da Amunes favorece Zanon na disputa com Gilson Daniel

Sindicato pede mais tempo para reorganização de pessoal na Justiça capixaba

Movimento Nacional dos Direitos Humanos no ES vai debater situação do sistema prisional capixaba

Febre amarela já pode ter vitimado mais de mil macacos no Espírito Santo