Seculo

 

Tesoura na mão


02/01/2017 às 16:03

O clima nas posses dos prefeitos da Grande Vitória nesse domingo (1) foi bem diferente de município para município. De coral com música religiosa, em Cariacica, à pancadaria na Serra, cada prefeito sentiu de forma diferente o calor do eleitorado no início do ano. Mas uma coisa se pode dizer que foi uniforme: o discurso de cortes.

Max Filho (PSDB) anunciou o contingenciamento de 20% de cargos comissionados e 30% do orçamento de Vila Velha. Juninho, em Cariacica,  e Luciano Rezende, em Vitória, ambos do PPS, vão bloquear 10% de cargos e Audifax Barcelos (Rede), que tem a situação menos complicada – financeiramente falando –, também vai governar “como economista”.

Os prefeitos se baseiam na expectativa de que a crise permanecerá em 2017 e por isso é preciso apertar o cinto. Até porque, todos eles têm expectativa políticas futuras e precisam de gestões equilibradas para terem cartas na manga.

Uma solução para eles seria realmente a união de forças em torno da efetivação da região metropolitana, um discurso que ganhou fôlego com o fim da eleição, mas que parece ter esfriado com a proximidade da posse. Resta saber se depois do recesso esse tema voltará a ser debatido como se deve.

Outro ponto que deverá ser observado é a rivalidade. Todos os prefeitos que agora assumem têm no seu pé lideranças que podem aumentar o tom das críticas sob qualquer pretexto. Os derrotados nas disputas do segundo turno – Marcelo Santos (PMDB), Cariacica; Sérgio Vidigal (PDT), Serra e Amaro Neto (SD), em Vitória – já chegaram até a se reunir para debater essa estratégia.

Seja administrativamente, seja politicamente, os prefeitos da Grande Vitória entendem que podem se apresentar para o futuro político do Estado, mas a construção deste caminho passa por gestões de resultado nas prefeituras. Neste sentido, o corte agora é importante, mas precisarão avançar já no segundo ano de gestão se quiserem aumentar seus capitais políticos.

Fragmentos:

1 – Na Câmara de Linhares, norte do Estado, a aprovação da chapa única, encabeçada por Ricardo Bonomo (SD) não teve dificuldade na eleição, mas a divisão das comissões permanentes travou e uma nova sessão acontece nesta segunda-feira (2) para definir os cargos.

2 – Os vereadores de Vila Velha acabaram espremidos em um canto do palanque montado no Centro de Convenções de Vila Velha. O espaço foi bom, mas a visibilidade dos legisladores não foi grande.

3 – A deputada Raquel Lessa (SD) mudou de gabinete. A partir de agora, ela deixa o sétimo andar da Assembleia legislativa, e passa a atender no gabinete 902 que era do então deputado Edson Magalhães (PMDB). O antigo gabinete agora será ocupado pelo deputado Esmael de Almeida (PMDB).

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

Crônica de uma eleição

Vagões do trem do governador Paulo Hartung estão acima da capacidade da locomotiva. Haja peso para carregar...

OPINIÃO
Editorial
Futuro interrompido
Onde estão os promotores, delegados, políticos e demais agentes públicos para berrarem em defesa da infância? Mortes no Heimaba são alarmantes e inadmissíveis!
Bruno Toledo
Em defesa dos defensores
Nunca antes foi tão necessário e urgente o fortalecimento da Defensoria Pública
Eliza Bartolozzi Ferreira
A greve é um direito
Prefeito de Vitória ignorou o direito dos professores e adotou medidas coercitivas contra a liberdade de expressão e de greve
JR Mignone
Nova rádio
Tudo modificado, tudo moderno na Rádio Globo
BLOGS
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Arrogância também conta?
MAIS LIDAS

Vitória já poderia ter identificado as fontes de emissão de pó preto

Regimento Interno da Câmara da Serra torna nulo pedido de empréstimo para a prefeitura

Audiência Pública debate políticas de enfrentamento às desigualdades raciais

Pulverizações com agrotóxicos continuam no entorno do Parque de Itaúnas

Mordaça na escola