Seculo

 

Discurso de ocasião?


03/01/2017 às 13:27

Os prefeitos da região metropolitana parecem ter descoberto a roda. Em todos os assuntos possíveis se referem a realização de um consórcio com os demais municípios. A tão sonhada região metropolitana parece cada vez mais real. Mas, por enquanto, tudo não passa de discurso. Se vai se efetivar vai depender do cenário econômico para este ano.

A realização de consórcios está bem longe de ser uma novidade. No Espírito Santo mesmo, essa prática é comum no interior do Estado, para que os prefeitos possam tentar solucionar problemas que afetam as cidades de forma comum, como a falta de especialidades médicas de média e alta complexidade, por exemplo. Mas na Grande Vitória, a situação é bem diferente.

Sempre se falou muito em integrar a região metropolitana. No início do governo Renato Casagrande (PSB) até foi criado um departamento na Secretaria de Governo para debater o assunto, mas o tema logo foi abandonado, como sempre acontece. O motivo é uma falta de interesse dos prefeitos em abrir mão da vaidade para unir forças em torno de problemas comuns.

Os cinco principais municípios da região – Cariacica, Vila Velha, Viana, Serra e Vitória –, apesar da proximidade física, têm características econômicas, políticas e sociais muito diferentes, e sempre houve o interesse dos prefeitos em preservar suas diferenças, garantindo assim a visibilidade dentro de suas cidades. Com a criação da região metropolitana, essa visibilidade ficaria bem diluída.

Agora, porém, a situação é outra. Com a crise política e econômica, as prefeituras têm encontrado muita dificuldade para apresentar resultados. No Estado, a redução de 12 para 4% dos recursos do Fundo de Desenvolvimento das Atividades Portuárias (Fundap) tirou de muitos prefeitos uma boa grana, o que prejudicou grande parte das gestões.

Sem recursos para fazer investimentos, a solução seria o consórcio dos prefeitos para realização de obras comuns que garantiriam entregas nas prefeituras, e fortaleceriam a imagem dos prefeitos, mas isso se concretizará se os municípios continuarem sem saída. Se um deles se desprender da crise, o consórcio se acaba.

Por enquanto, esse discurso alimenta expectativas, porque todo mundo fala sobre tudo e ninguém realiza nada. Neste contexto, pode até se falar em assumir obras que seriam de responsabilidade do Estado, como a Leitão da Silva. Tá tudo certo, é só discurso mesmo.

Fragmentos:

1 – O vereador Davi Esmael (PSB) faz parte agora da galeria dos ex-prefeitos de Vitória, no painel exposto na sede da prefeitura Municipal. Ele substituiu o prefeito Luciano Rezende (PPS) em 2014.

2 –  Na última quinzena de dezembro, os servidores da Serra fizeram um mutirão de organização de arquivos. Com esta ação foram liberadas cerca de 4 mil pastas de processos iniciados em 2013 e mais de 7 mil bailarinas (capas de processos), que foram devolvidas ao setor de protocolo para serem reutilizadas.

3 – Ao jornal Tempo Novo, da Serra, o vereador mais bem votado do município, Adriano Galinhão (PTC), afirmou, às vésperas da posse, que acreditava em uma eleição da Mesa Diretora tranquila. Errou feio.

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

OPINIÃO
Renata Oliveira
Demandas na mesa
Novo presidente da Assembleia terá o desafio de criar condições de visibilidade para deputados
Geraldo Hasse
A madre superiora manda recado
Tirar das cadeias os presos provisórios pode ser o primeiro passo para a implantação da Justiça
BLOGS
Blog do Phil

Phil Palma

Mais que mil palavras!
Flânerie

Manuela Neves

As primeiras artes de Luizah Dantas nas paredes da casa de Branca
Panorama Atual

Roberto Junquilho

Não basta excluir os pobres, é preciso matá-los?
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

A posição astral para 2017
Gustavo Bastos
Blog destinado à divulgação de poesia, conteúdos literários, artigos e conhecimentos em geral.
MAIS LIDAS

Erick Musso já teria os votos para ser eleito presidente da Assembleia

Histórico da Amunes favorece Zanon na disputa com Gilson Daniel

Sindicato pede mais tempo para reorganização de pessoal na Justiça capixaba

Movimento Nacional dos Direitos Humanos no ES vai debater situação do sistema prisional capixaba

Febre amarela já pode ter vitimado mais de mil macacos no Espírito Santo