Seculo

 

Discurso de ocasião?


03/01/2017 às 13:27

Os prefeitos da região metropolitana parecem ter descoberto a roda. Em todos os assuntos possíveis se referem a realização de um consórcio com os demais municípios. A tão sonhada região metropolitana parece cada vez mais real. Mas, por enquanto, tudo não passa de discurso. Se vai se efetivar vai depender do cenário econômico para este ano.

A realização de consórcios está bem longe de ser uma novidade. No Espírito Santo mesmo, essa prática é comum no interior do Estado, para que os prefeitos possam tentar solucionar problemas que afetam as cidades de forma comum, como a falta de especialidades médicas de média e alta complexidade, por exemplo. Mas na Grande Vitória, a situação é bem diferente.

Sempre se falou muito em integrar a região metropolitana. No início do governo Renato Casagrande (PSB) até foi criado um departamento na Secretaria de Governo para debater o assunto, mas o tema logo foi abandonado, como sempre acontece. O motivo é uma falta de interesse dos prefeitos em abrir mão da vaidade para unir forças em torno de problemas comuns.

Os cinco principais municípios da região – Cariacica, Vila Velha, Viana, Serra e Vitória –, apesar da proximidade física, têm características econômicas, políticas e sociais muito diferentes, e sempre houve o interesse dos prefeitos em preservar suas diferenças, garantindo assim a visibilidade dentro de suas cidades. Com a criação da região metropolitana, essa visibilidade ficaria bem diluída.

Agora, porém, a situação é outra. Com a crise política e econômica, as prefeituras têm encontrado muita dificuldade para apresentar resultados. No Estado, a redução de 12 para 4% dos recursos do Fundo de Desenvolvimento das Atividades Portuárias (Fundap) tirou de muitos prefeitos uma boa grana, o que prejudicou grande parte das gestões.

Sem recursos para fazer investimentos, a solução seria o consórcio dos prefeitos para realização de obras comuns que garantiriam entregas nas prefeituras, e fortaleceriam a imagem dos prefeitos, mas isso se concretizará se os municípios continuarem sem saída. Se um deles se desprender da crise, o consórcio se acaba.

Por enquanto, esse discurso alimenta expectativas, porque todo mundo fala sobre tudo e ninguém realiza nada. Neste contexto, pode até se falar em assumir obras que seriam de responsabilidade do Estado, como a Leitão da Silva. Tá tudo certo, é só discurso mesmo.

Fragmentos:

1 – O vereador Davi Esmael (PSB) faz parte agora da galeria dos ex-prefeitos de Vitória, no painel exposto na sede da prefeitura Municipal. Ele substituiu o prefeito Luciano Rezende (PPS) em 2014.

2 –  Na última quinzena de dezembro, os servidores da Serra fizeram um mutirão de organização de arquivos. Com esta ação foram liberadas cerca de 4 mil pastas de processos iniciados em 2013 e mais de 7 mil bailarinas (capas de processos), que foram devolvidas ao setor de protocolo para serem reutilizadas.

3 – Ao jornal Tempo Novo, da Serra, o vereador mais bem votado do município, Adriano Galinhão (PTC), afirmou, às vésperas da posse, que acreditava em uma eleição da Mesa Diretora tranquila. Errou feio.

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

SOCIOECONÔMICAS
Rabiscos eleitorais

Articuladores já fazem suas contas de 2018. Entre os deputados considerados reeleitos, está quase toda bancada do PMDB, incluindo Erick Musso. Mas, antes, terá que colocar um ''bonde'' pra correr

OPINIÃO
Editorial
À oposição, o respeito!
Seja manifestando uma simples opinião ou criticando medidas do próprio legislativo ou do governo, falou em Sergio Majeski, o tiroteio é garantido
Piero Ruschi
Carta de aniversário ao papai
‘Venho lhe desejar um feliz aniversário de 102 anos, o mais feliz possível, diante de todas mazelas que atormentam o Museu que o senhor criou e o meio ambiente que tanto defendeu
Gustavo Bastos
Destino e acaso
''Quanto ao cético do acaso, ele chama destino de delírio e acaso de nada''
Geraldo Hasse
Em defesa da soberania
Manifesto combate o entreguismo, filho dileto do colonialismo neoliberal
Roberto Junquilho
Os pequenos se movem
Para garantir verba do fundo partidário, siglas como o PCdoB têm que apresentar chapa majoritária em 2018. E, no Estado, como fica?
BLOGS
Flânerie

Manuela Neves

Quem me ensinou a nadar
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Quem quer dinheiro?
Gustavo Bastos
Blog destinado à divulgação de poesia, conteúdos literários, artigos e conhecimentos em geral.
MAIS LIDAS

Hartung reforça interesse em projeto nacional nas eleições de 2018

Manifesto denuncia ameaças a lideranças mobilizadas contra agrotóxicos em Boa Esperança

Fundação Renova é multada e Samarco/Vale-BHP vira alvo de mais uma ação civil pública

Morre Chico Flores

Trabalhadores encerram Greve em Brasília e Jejum nos estados