Seculo

 

Cidade partida


04/01/2017 às 11:40

A disputa pela presidência da Câmara da Serra, que acabou em confusão no plenário da Câmara no primeiro dia do ano, é um sintoma que a briga política entre o prefeito Audifax Barcelos (Rede) e o deputado federal Sérgio Vidigal (PDT) já está fugindo do campo democrático e pode prejudicar a cidade, que já virou coadjuvante nesta história.

A impressão é que a disputa entre os dois já não guarda mais relação com a prefeitura em si ou a melhoria das condições de vida da população serrana, trata-se de uma disputa particular que não tem fim. Durante o processo eleitoral, Vidigal deixou claro que o tamanho político de um, é alimentado pela disputa com o outro. No entendimento de Vidigal, se um deles não estiver presente na disputa, não há condição de o outro se manter.

Enquanto essa disputa se dá no campo da campanha eleitoral, com as disputas pelos votos, andando pelos bairros da Serra e tentando conquistar o maior número possível de eleitores, tudo bem. Mas quando isso se transporta para a discussão interna da Câmara de Vereadores, que acaba em pancadaria, é sinal de que as coisas começam a fugir do controle.

E essa não é a primeira instituição que a briga afeta. A Federação das Associações de Moradores da Serra (FAMS) até hoje não resolveu o impasse da eleição da presidência. A disputa, que foi um exercício da disputa eleitoral em meados do ano, colocou frente a frente apoiadores de Audifax e Vidigal e o impressionante resultado, empate, mostrou como a cidade está dividida entre essas duas lideranças.

A eleição em si contou com um fator emocional que desequilibrou a disputa para o lado de Audifax, mas a disputa pela presidência da Câmara e o desfecho do caso no dia 1º deixa claro que essa peleja entre os dois vai continuar dividindo o eleitorado da Serra por muito tempo.

Enquanto cenário se mantém  polarizado, fica difícil para outras lideranças se colocarem. Embora tanto Audifax quanto Vidigal afirmem que essa radicalização esteja prestes a se esgotar, não se visualiza entre as demais lideranças do município, nomes em condições de ocupar esse espaço, ao passo que o jogo segue cada vez mais duro, inclusive de se assistir.

Fragmentos:

1 – O ex-deputado e agora vereador por Vila Velha, Reginaldo Almeida (PSC), foi eleito na primeira e polêmica sessão ordinária de 2017 na Câmara o novo presidente da Comissão de Justiça, uma das mais importantes da Casa.

2 – O vereador Heliossandro Matos (PR) mostrou já na sessão de posse um indício de que não engoliu o fato de não ter conseguido a presidência da Comissão de Finanças. O vereador que retorna a Câmara tem fama de criar confusão por onde passa.

3 – Surgiu no mês passado uma conversa deputado estadual Amaro Neto (SD) estaria aguardando uma acomodação como secretario de Estado, mas pelo jeito nao vai conseguir. Ele deve retornar à apresentação de seu programa na TV Vitória após o Carnaval.

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

PH é estopim da crise no PSDB

Crise no partido é prenúncio de que a era Hartung está encerrando seu ciclo no Espírito Santo

OPINIÃO
Editorial
Oásis
Os capixabas que ouvem o governador Hartung propagandear os atrativos do ES devem pensar que moram em outro Estado
Renata Oliveira
Paraísos artificiais
O que o governador Paulo Hartung e o prefeito Luciano Rezende têm em comum?
Gustavo Bastos
O verão do amor e o movimento hippie
O que representava o movimento hippie como tal era a utopia
Geraldo Hasse
As abelhas e o Agro
Alguns líderes se dão conta da mútua dependência entre animais e plantas
BLOGS
Flânerie

Manuela Neves

Quem me ensinou a nadar
Panorama Atual

Roberto Junquilho

Este blog fica por aqui
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Olha no mapa
Gustavo Bastos
Blog destinado à divulgação de poesia, conteúdos literários, artigos e conhecimentos em geral.
MAIS LIDAS

Oásis

'Eu quero uma direção independente, capaz de optar pela melhor estratégia no ano que vem’

Fórum de Fundão não conta com nenhum analista judiciário

Pó preto extrapola legislações municipal e estadual e ONG cobra providências

Estratégia do PSDB nacional pode desmontar ação de Ricardo Ferraço