Seculo

 

Ruschi preveniu sobre o avanço do deserto verde no Espírito Santo (parte 2)


04/01/2017 às 16:45

A substituição da Mata Atlântica por plantações de eucaliptos no norte e noroeste do Espírito Santo foi outro antigo e grave crime socioambiental denunciado veementemente por Augusto Ruschi e que mancha de sangue e cinzas a história do Espírito Santo.

Extermínio regional de um dos biomas mais biodiversificados do mundo, desertificação do solo, desaparecimento de centenas de córregos e rios, morte, expulsão, marginalização e, agora, criminalização e perseguição – inclusive com apoio policial – de comunidades tradicionais... Será possível pagar um passivo socioambiental desse tamanho?
 
Incrível como “a mais avançada tecnológica ambiental” está sempre muito aquém das necessidades de proteção da vida. Na década de 1960, era moderno derrubar floresta nativa com correntões para plantar uma espécie exótica em grandes extensões de terra.
 
Era o “progresso”, ao qual se submeteram – e ainda se submetem, a maioria, servilmente – os governantes, concedendo incentivos, isenções e tantas outras facilidades para que a instalação da parte mais suja e criminosa da indústria mundial fosse concretizada nas terras de indígenas e quilombolas.
 
Ruschi pesquisou, escreveu, falou, bradou, lutou muito contra a instalação das monoculturas de eucalipto no Espírito Santo. Mas essa foi uma batalha perdida. Não só a Justiça, mas também os governos, empresários e acadêmicos gananciosos e corruptos são cegos e lançam suas vendas contra os olhos da população. Ainda se sustenta o discurso de que é polêmica a agressividade da silvicultura exótica em larga escala. “Não há provas...”
 
O velho “dividir para conquistar”
 
Assim como “não há provas” também de que houve grilagem e expulsão de indígenas e quilombolas para que a Aracruz Celulose (Fibria) e depois a Suzano instalassem seu manto verde mortal sobre a região. 
Joice Nascimento Cassiano, liderança na comunidade do Linharinho, em Conceição da Barra, conta, com tristeza, uma das mais novas estratégias de guerra da Aracruz Celulose (Fibria) para minar a luta quilombola pela retomada de seu território tradicional.
 
Ao lado da criminalização e perseguição das lideranças, a empresa tem difundido o Programa de Desenvolvimento Rural Territorial (PDRT), em que as famílias que fazem a adesão, assinam um contrato em que aceitam os termos da empresa, onde ela diz “ceder suas terras” para uso das famílias, e somente em atividades e espaços por ela determinados.
 
Trata-se de uma forma de abrir mão da luta pela titularidade da terra, ao aceitar a cessão da mesma por parte da empresa. “É o velho ‘dividir pra conquistar’”, lamenta Joice. “Esses contratos dão direito e poder pra empresa dizer que a terra é dela”, adverte.
 
Justiça convoca testemunhas
 
A CPI da Aracruz Celulose, instalada na Assembleia Legislativa em 2002, foi encerrada sem relatório final por força de uma ação da empresa acatada pela Justiça. Mas os dados levantados pelos deputados serviram de base para o Ministério Público Federal ingressar com uma Ação Civil Pública contra a Aracruz, o Estado e o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES).
 
Segundo matéria publicada na última terça-feira (03) no site da Assembleia, a ACP (0000693-61.2013.4.02.5003) “pede a anulação dos títulos de domínio de terras devolutas cedidas à empresa pelo processo ter sido realizado de maneira fraudulenta, a devolução das terras obtidas e, caso o Estado verifique a condição de quilombolas, a titulação em favor das comunidades que ocupavam essas áreas, além do pagamento de indenização”.  E que, no último despacho do caso, constante no site da Justiça federal, o juiz responsável deferiu, no dia 13 de dezembro, pela produção de prova testemunhal, cabendo às partes envolvidas indicarem suas testemunhas sobre os fatos em questão.

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

Espelho democrático

PH, com certeza, vai jogar pra frente dúvida sobre candidatura à reeleição. Mas não o vejo fora da disputa e sem mandato

OPINIÃO
Editorial
MPES omisso
Ministério Público decidiu não participar das audiências de custódia. Um dos prejuízos: denúncias contra tortura, comumente relatada por presos
JR Mignone
O voto facultativo
Atual insatisfação com a política seria uma chance para começar a estudar a implantação do voto facultativo?
BLOGS
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Para, relógio
MAIS LIDAS

Extermínio da juventude negra será tema de jornada de luta no mês da abolição

Presidenciável do PRB articula construção de palanque eleitoral no Estado

Sindicato dos Médicos e CRM encontram cenário caótico em hospitais do norte e noroeste

Processo de nepotismo contra Sérgio Vidigal vai a julgamento nesta terça-feira no TJES

Um filme sobre o extermínio da juventude negra