Seculo


  • Lava Jato no ES

 

Comunidades se unem para combater estratégia da Samarco-Vale-BHP de enfraquecer luta


06/01/2017 às 18:42
Reunir para vencer. Para combater a estratégia de “dividir para conquistar”, engendrada pela Samarco-Vale-BHP, os atingidos, no Espírito Santo, pelo maior crime socioambiental do País e um dos maiores do mundo se reúnem na próxima quinta-feira (12) para fortalecer o sentimento coletivo e mútua colaboração e para traçar novas estratégias de luta por seus direitos.

A mobilização está envolvendo entidades representativas dos atingidos de todo o Estado: Baixo Guandu, Colatina, Linhares, Regência, Degredo, Povoação, Pontal do Ipiranga, Barra Seca, Usussuquara, Campo Grande, Barra Nova Sul, Barra Nova Norte, Nativo, Ferrugem, Ponta São Miguel, São Mateus, Barra do Sahy, Barra do Riacho, Vila do Riacho e aldeias indígenas tupiniquim de Pau Brasil, Córrego do Ouro e Comboios.
 


Passados 14 meses do crime, boa parte dos pescadores, ribeirinhos, trabalhadores do mar, do rio e do turismo, atingidos pela lama de resíduos de mineração e impunidade, ainda sequer recebem o auxílio emergencial de subsistência. E isso é o mínimo que se deveria ter sido providenciado às famílias que perderam parcial ou integralmente suas fontes de renda. Indenizações também já foram prometidas e proteladas incontáveis vezes.

Tampouco foram dadas respostas concretas sobre a situação da contaminação das águas e do pescado, ou sobre os problemas de saúde registrados em crianças, adultos e idosos que mais permanecem em contato com a água. Apesar das incontáveis solicitações, algumas já até judicializadas.

Cadastros infernizam a vida das comunidades

Mas incontáveis mesmo são os infames cadastros, refeitos seguidamente, infernizando a vida das pessoas, que precisam responder às mesmas perguntas, tirar fotos, provar, comprovar e ... aguardar ... um tempo que, considerando a urgência demandada pela fome, pelas contas, pelo aluguel ... parece infinito.

“Dividir para conquistar” é talvez a única ação “eficiente” que a Samarco-Vale-VHP tem empreendido desde o rompimento da barragem de Fundão, no dia 5 de novembro de 2015. O crime jogou na cara do Brasil e do mundo, o tamanho da irresponsabilidade gerencial e incompetência técnica das empresas, ambas solidamente construídas ao longo das décadas, com conivência do Estado, e que contrastam, vergonhosamente, com as bilionárias publicidades corporativas.

Essa é uma estratégia de guerra que todas as grandes empresas sempre utilizam para enfraquecer a luta das vítimas de seus crimes socioambientais. Incitar o ódio, a disputa, a animosidade, seja entre comunidades próximas, entre setores de uma mesma comunidade e mesmo entre pessoas de uma mesma família.

Qualquer um que visitar as comunidades atingidas pode perceber isso: “a ruptura da coesão social”, como bem resumiu Joca Thomé, coordenador nacional do Centro Tamar/ICMBio. Aumentos alarmantes de crimes, violência, uso de álcool e outras drogas, um caos social. Muito triste, mas que, para a empresa, é um grande resultado, pois “distrai” as pessoas e as tira de seu foco, de lutar, organizada e unificadamente, por seus direitos.

Documento da União

Enquanto a Samarco e a Fundação Renova gastam milhões com advogados – R$ 80 milhões até agora, pelo que se sabe – e com consultorias, com reuniões e apresentações que visam a embelezar relatórios, sites e releases corporativos, milhares de pessoas passam fome, são despejadas de suas casas, entram em depressão, têm suas famílias, suas comunidades, suas vidas totalmente desestruturadas.

O pescador Carlos Roberto Zotteli é uma dessas vítimas do descaso. “Ainda bem que tenho amigos. Ganhei cinco quilos de arroz do MAB [Movimento dos Atingidos por Barragens, que tem apoiado os atingidos no ES e MG] há um mês, e ainda tem na minha geladeira. Ganhei um feijão ontem, uma buchada ... faço uns bicos”, narra, em lamúrias, como tem sobrevivido nos últimos 14 meses. Roberto conta que perdeu 15 kg, entrou em depressão e passou a beber. Está com a pensão alimentícia dos filhos atrasada há sete meses e tem medo de ser preso a qualquer momento. “Nunca passei por isso. A Samarco e a Vale mataram o meu rio, acabaram com a minha vida”, chora.

A grande reunião dos atingidos, na quinta-feira (12), será na Associação Comunitária de Barra do Riacho (ACBR), a partir das 15h. A coordenadora da Comissão de Emprego e Meio Ambiente da ACBR, Joice Lopes Miranda, conta que a mobilização faz parte da pauta de luta da Associação relacionada à dramática situação em que vivem a Barra e a Vila do Riacho, pressionadas pelos empreendimentos industriais e portuários que tem se instalado na região, sendo a Aracruz Celulose (Fibria) a pioneira. “Assinamos um Documento de União, uma Comissão de Amigos, que vão lutar juntos”, anuncia. 

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

SOCIOECONÔMICAS
Mais um teste

O prefeito Audifax Barcelos articula de um lado, o deputado federal Sérgio Vidigal do outro...e vai ganhando forma o tabuleiro eleitoral da Serra

OPINIÃO
José Rabelo
A vez dos fichas-limpas
No país da Lava jato, pesquisa Datafolha aponta que a corrupção tornou-se a principal preocupação dos brasileiros
Lídia Caldas
Nutrição e gestação
Será que uma gestante tem mesmo necessidade de uma dieta alimentar diferenciada?
JR Mignone
Avalanche de informações
Talvez a juventude seja o seguimento que mais sofre com tantos fatos e versões
Geraldo Hasse
Salgado Filho, um simples herói
Hoje ninguém mais lembra o advogado que regulamentou o comércio dos ambulantes
BLOGS
Blog do Phil

Phil Palma

Um homem nu.
Flânerie

Manuela Neves

Uma festa para Ro Ro que rolou escada abaixo
Panorama Atual

Roberto Junquilho

Mulher "noiada" mostra a falência de programas sociais
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Meu dia, seu dia
Gustavo Bastos
Blog destinado à divulgação de poesia, conteúdos literários, artigos e conhecimentos em geral.
MAIS LIDAS

Justiça arquiva investigação contra deputado e juiz citados na Operação Pixote

Comando Geral da PM chama de volta ao trabalho líderes de associações classistas

Mais um teste

Vila Velha aguarda R$ 7,9 milhões em emendas para construção de Unidades de Saúde

A vez dos fichas-limpas