Seculo

 

Na fila


07/01/2017 às 18:43

Em tese, o vice-governador César Colnago (PSDB) é a liderança política com a senha número um para a sucessão de Paulo Hartung (PMDB) ao Palácio Anchieta, como o próprio peemedebista afirmou antes mesmo de tomar posse em 2015. E é isso que causa um certo desconforto na classe política. Hartung não é o tipo de liderança que antecipa qualquer tipo de movimento, muito menos um cenário para depois de quatro anos.

Diante da movimentação iniciada pelo Palácio Anchieta de que o governador pode deixar o PMDB e migrar para o PSDB de Colnago, acendeu o sinal de alerta. As afirmações de que Hartung vai se desincompatibilizar em abril do próximo ano, passando a caneta para Colnago para que ele possa disputar o governo, são possibilidades inconsistentes demais para se cravar como certas.

A história de que ele vai disputar o Senado,  acomodando o senador Ricardo Ferraço (PSDB) na disputa ao governo, o que lançaria Colnago na corrida à Câmara dos Deputados, também é uma aposta arriscada. Por isso, a expressão “cargo de expectativa” nunca fez tanto sentido, quando se trata do posto de César Colnago de vice-governador. Pode acontecer tudo isso, e pode não acontecer nada disso.

A classe política coloca a possibilidade de Hartung disputar a reeleição como algo descartado, o que não é. Tudo vai depender do cenário político no Estado e fora dele em 2018. Se o campo nacional estiver árido demais para Hartung, ele pode repetir a atitude de 2010, quando sua candidatura ao Senado era dada como certa, e disputar a reeleição, sim. Permanecendo no cargo, sem dar tão sonhada caneta a Colnago.

Mas não se deve achar que Colnago é o elo mais frágil desse debate. Desde a manobra que o levou à presidência da Assembleia (2005 - 2006), desbancando a candidatura consolidada de Mariazinha Vellozo Lucas, a parceria de Hartung com Colnago não tem prejudicado o tucano. Muito pelo contrário. Parece haver um respeito muito grande de Hartung com seu vice, que tanto ajudou o governador a chegar onde está hoje.

Em 2014, Colnago conseguiu desarmar a candidatura ao Senado de Luiz Paulo Vellozo Lucas, tirando o PSDB do palanque de Renato Casagrande, para se abrigar na candidatura de Paulo Hartung.

O tucano, como fez em todos os processos articulados com Hartung, permanece tranquilo. E enquanto Colnago estiver tranquilo é sinal de que ele está forte no jogo.

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

SOCIOECONÔMICAS
Quem segura?

Depois da seca, a bonança. Hartung tirou o último mês do ano para liberar seu ''pacote de bondades'''

OPINIÃO
Editorial
Morta-viva
Enfim, cumpre-se o destino óbvio no País das relações promíscuas: a Samarco/Vale-BHP tem as primeiras licenças ambientais para voltar a operar
Piero Ruschi
INMA e Ruschi em rota (s) de colisão
Nomeação de diretor dá sequência ao processo de imoralidades e falta de transparência contra patrimônio deixado por Ruschi
Gustavo Bastos
A volta do shoegaze
Ressurgimento do shoegaze se deu, sobretudo, com o retorno oficial do My Bloody Valentine
Geraldo Hasse
Aprimorando a arte das panacéias
Proliferam nas ruas os vendedores de panos de prato a 10 reais por meia dúzia
JR Mignone
Gazeta AM 34
Pode-se definir essa emissora em três fases distintas nesses 34 anos de comunicação
Roberto Junquilho
O abono como estratégia política
Como hábil conhecedor do seu mister, Hartung vislumbra apenas a conjuntura de 2018
BLOGS
Flânerie

Manuela Neves

Quem me ensinou a nadar
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Quem quer dinheiro?
Gustavo Bastos
Blog destinado à divulgação de poesia, conteúdos literários, artigos e conhecimentos em geral.
MAIS LIDAS

Redução de número de comissionados gera embate entre deputados na Assembleia

Questionamentos judiciais podem anular resultado da disputa ao comando do Crea-ES

Cesan e Cariacica negam responsabilidade sobre esgoto lançado na baía de Vitoria

Funcionário dos Correios é condenado por desviar encomendas do centro de triagem do aeroporto de Vitória

Projeto que garante abono aos servidores segue para sanção de Hartung