Seculo

 

Na fila


07/01/2017 às 18:43

Em tese, o vice-governador César Colnago (PSDB) é a liderança política com a senha número um para a sucessão de Paulo Hartung (PMDB) ao Palácio Anchieta, como o próprio peemedebista afirmou antes mesmo de tomar posse em 2015. E é isso que causa um certo desconforto na classe política. Hartung não é o tipo de liderança que antecipa qualquer tipo de movimento, muito menos um cenário para depois de quatro anos.

Diante da movimentação iniciada pelo Palácio Anchieta de que o governador pode deixar o PMDB e migrar para o PSDB de Colnago, acendeu o sinal de alerta. As afirmações de que Hartung vai se desincompatibilizar em abril do próximo ano, passando a caneta para Colnago para que ele possa disputar o governo, são possibilidades inconsistentes demais para se cravar como certas.

A história de que ele vai disputar o Senado,  acomodando o senador Ricardo Ferraço (PSDB) na disputa ao governo, o que lançaria Colnago na corrida à Câmara dos Deputados, também é uma aposta arriscada. Por isso, a expressão “cargo de expectativa” nunca fez tanto sentido, quando se trata do posto de César Colnago de vice-governador. Pode acontecer tudo isso, e pode não acontecer nada disso.

A classe política coloca a possibilidade de Hartung disputar a reeleição como algo descartado, o que não é. Tudo vai depender do cenário político no Estado e fora dele em 2018. Se o campo nacional estiver árido demais para Hartung, ele pode repetir a atitude de 2010, quando sua candidatura ao Senado era dada como certa, e disputar a reeleição, sim. Permanecendo no cargo, sem dar tão sonhada caneta a Colnago.

Mas não se deve achar que Colnago é o elo mais frágil desse debate. Desde a manobra que o levou à presidência da Assembleia (2005 - 2006), desbancando a candidatura consolidada de Mariazinha Vellozo Lucas, a parceria de Hartung com Colnago não tem prejudicado o tucano. Muito pelo contrário. Parece haver um respeito muito grande de Hartung com seu vice, que tanto ajudou o governador a chegar onde está hoje.

Em 2014, Colnago conseguiu desarmar a candidatura ao Senado de Luiz Paulo Vellozo Lucas, tirando o PSDB do palanque de Renato Casagrande, para se abrigar na candidatura de Paulo Hartung.

O tucano, como fez em todos os processos articulados com Hartung, permanece tranquilo. E enquanto Colnago estiver tranquilo é sinal de que ele está forte no jogo.

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

SOCIOECONÔMICAS
Choque

Como diz o ditado, dois bicudos não se beijam. É isso mesmo, Fabrício Gandini?

OPINIÃO
Renata Oliveira
Carona perigosa
Hartung fez evento no mesmo dia da eleição da Amunes para atrair prefeitos, mas ausências ganharam mais destaque
Ivana Medeiros Zon
Mude de vida
Pensar na influência do comportamento e dos hábitos individuais, incluindo os de consumo, vai muito além do que podemos imaginar.
Nerter Samora
Pauta bomba
Fim da anistia a benefícios irregulares pode vingar rasteira dada em Ferraço por Hartung
JR Mignone
A volta da reza
Em 2013 escrevi sobre o ''Poder da Reza''. Hoje volto com ela, pois rezar, orar, falar com Deus, meditar, seja como for, nunca é demais
Caetano Roque
Briga desleal
Com a mídia na mão, o capital consegue fazer com que o cidadão acredite nas mentiras que eles querem
BLOGS
Blog do Phil

Phil Palma

pelas beiras!
Flânerie

Manuela Neves

Carmélia, um pouco mais dela
Panorama Atual

Roberto Junquilho

Deputado vai propor CPI para apurar crime da Samarco
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Entre sustos e suspresas
Gustavo Bastos
Blog destinado à divulgação de poesia, conteúdos literários, artigos e conhecimentos em geral.
MAIS LIDAS

Hartung muda discurso e atuação política depois da crise na segurança

Ferraço afirma que contrato de antecipação de royalties foi 'malfeito'

Presos do semiaberto vão trabalhar em obras e serviços públicos da Prefeitura de Colatina

Dúvida sobre relator do Caso Alexandre pode adiar julgamento de recurso no TJES

Da Vitória faz discurso apaziguador, mas mantém posição independente na Assembleia