Seculo

 

Aposentados de cartórios não têm direito aos mesmos reajustes de servidores, decide STF


08/01/2017 às 19:04
O ministro Luís Roberto Barroso, do Supremo Tribunal Federal (STF), deu provimento ao recurso do Instituto de Previdência do Espírito Santo (IPAJM) contra uma decisão do Supremo Tribunal Federal (STF), que havia reconhecido aos aposentados e pensionistas de servidores de cartórios não oficializados o direito aos mesmos reajustes dados aos servidores do Poder Judiciário. Na decisão prolatada no início de dezembro, o relator considerou que o Supremo já apontou a inconstitucionalidade da equiparação entre serventuários da Justiça e os funcionários de cartórios extrajudiciais.

Segundo Barroso, os serventuários de cartórios não são detentores de cargos públicos e não são remunerados pelos cofres públicos. Essa interpretação havia sido diferente da Justiça estadual, nos dois graus de jurisdição, que obrigava o Estado ao pagamento de todos os benefícios e abonos concedidos aos servidores do TJES entre 2005 e 2010, quando o processo inicial foi ajuizado. A decisão anulada também obrigava o IPAJM a proceder ao reajuste do benefício da autora da ação todas as vezes em que fossem reajustados os vencimentos dos servidores vinculados ao Poder Judiciário.

“Dessa orientação [jurisprudência do STF] divergiu o Tribunal de origem, uma vez que reconheceu ser aplicável aos aposentados e pensionistas de servidores de cartórios não oficializados as regras do regime próprio dos servidores públicos estaduais. E, ao estender aos recorridos os reajustes concedidos aos servidores públicos do Poder Judiciário, violou o disposto na Súmula Vinculante 37 [que veda ao Judiciário de aumentar vencimentos de servidores públicos sob o fundamento de isonomia por não ter função legislativa]”, narra a decisão.

A ação movida pela pensionista foi inicialmente examinada pelo juízo da Vara da Fazenda Pública Estadual em Vila Velha. Naquela ocasião, o juiz Rodrigo Cardoso Freitas citou que a legislação vigente à época dos fatos [aposentadoria do ex-funcionário do cartório] garantia a igualdade entre os servidores da justiça e os funcionários públicos civis do estado, estabelecendo também a isonomia entre os serventuários de cartórios oficializados com as serventias não oficializadas. Desde aquela época, o IPAJM sustentava que os funcionários dos cartórios não oficializados não eram servidores públicos, sendo incabível o reajuste.

A decisão do STF foi proferida nos autos do Recurso Extraordinário (RE 861.520). Ainda existe a possibilidade de novo recurso, sendo o caso apreciado pelo restante do colegiado.

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

SOCIOECONÔMICAS
Jogo pesado

O que falta para um consenso na disputa interna do PSDB? Parar César Colnago!

OPINIÃO
Editorial
Auto-homenagem
Governo usa sessão solene da Assembleia para coroar política de educação escorada na vitrine do Escola Viva
Piero Ruschi
O ‘Santo Graal’ de Augusto Ruschi
Eventos recentes de desrespeito ao Museu Mello Leitão, camuflados sob a criação do INMA, ressuscitam episódios históricos lamentáveis
Renata Oliveira
Juntos ou separados?
O que pode ser mais complicado para Hartung ter todos os seus adversários no mesmo palanque ou cada um em seu quadrado
Gustavo Bastos
O verão do amor e o movimento hippie
O que representava o movimento hippie como tal era a utopia
Geraldo Hasse
As abelhas e o Agro
Alguns líderes se dão conta da mútua dependência entre animais e plantas
BLOGS
Flânerie

Manuela Neves

Quem me ensinou a nadar
Panorama Atual

Roberto Junquilho

Este blog fica por aqui
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Algo de novo no ar
Gustavo Bastos
Blog destinado à divulgação de poesia, conteúdos literários, artigos e conhecimentos em geral.
MAIS LIDAS

Contas públicas viram pano de fundo para disputa entre 'doutores' em Itapemirim

Jogo pesado

Justiça suspende cassação do mandato de Ruberci Casagrande

'Refiliação' de secretário aumenta tensão no PSDB

Juntos ou separados?