Seculo

 

Aposentados de cartórios não têm direito aos mesmos reajustes de servidores, decide STF


08/01/2017 às 19:04
O ministro Luís Roberto Barroso, do Supremo Tribunal Federal (STF), deu provimento ao recurso do Instituto de Previdência do Espírito Santo (IPAJM) contra uma decisão do Supremo Tribunal Federal (STF), que havia reconhecido aos aposentados e pensionistas de servidores de cartórios não oficializados o direito aos mesmos reajustes dados aos servidores do Poder Judiciário. Na decisão prolatada no início de dezembro, o relator considerou que o Supremo já apontou a inconstitucionalidade da equiparação entre serventuários da Justiça e os funcionários de cartórios extrajudiciais.

Segundo Barroso, os serventuários de cartórios não são detentores de cargos públicos e não são remunerados pelos cofres públicos. Essa interpretação havia sido diferente da Justiça estadual, nos dois graus de jurisdição, que obrigava o Estado ao pagamento de todos os benefícios e abonos concedidos aos servidores do TJES entre 2005 e 2010, quando o processo inicial foi ajuizado. A decisão anulada também obrigava o IPAJM a proceder ao reajuste do benefício da autora da ação todas as vezes em que fossem reajustados os vencimentos dos servidores vinculados ao Poder Judiciário.

“Dessa orientação [jurisprudência do STF] divergiu o Tribunal de origem, uma vez que reconheceu ser aplicável aos aposentados e pensionistas de servidores de cartórios não oficializados as regras do regime próprio dos servidores públicos estaduais. E, ao estender aos recorridos os reajustes concedidos aos servidores públicos do Poder Judiciário, violou o disposto na Súmula Vinculante 37 [que veda ao Judiciário de aumentar vencimentos de servidores públicos sob o fundamento de isonomia por não ter função legislativa]”, narra a decisão.

A ação movida pela pensionista foi inicialmente examinada pelo juízo da Vara da Fazenda Pública Estadual em Vila Velha. Naquela ocasião, o juiz Rodrigo Cardoso Freitas citou que a legislação vigente à época dos fatos [aposentadoria do ex-funcionário do cartório] garantia a igualdade entre os servidores da justiça e os funcionários públicos civis do estado, estabelecendo também a isonomia entre os serventuários de cartórios oficializados com as serventias não oficializadas. Desde aquela época, o IPAJM sustentava que os funcionários dos cartórios não oficializados não eram servidores públicos, sendo incabível o reajuste.

A decisão do STF foi proferida nos autos do Recurso Extraordinário (RE 861.520). Ainda existe a possibilidade de novo recurso, sendo o caso apreciado pelo restante do colegiado.

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

Até tu?

A situação está tão difícil, que PH almejou fazer uma dobradinha com os senadores Magno Malta e Ricardo Ferraço

OPINIÃO
Editorial
Quem paga a conta senta na cabeceira?
O financiamento pela Arcelor de uma pesquisa da Ufes de R$ 2 milhões acende o alerta sobre a autonomia universitária e a transparência nos acordos entre academia e capital privado
Piero Ruschi
Visita à coleção zoológica de Augusto Ruschi
Visitei a coleção zoológica criada por meu pai e seu túmulo na Estação Biológica. Por um lado, bom, por outro, angústia
JR Mignone
Uma análise
Algumas emissoras, aquelas que detêm alguma ou boa audiência, dedicam-se pouco à situação do país
Geraldo Hasse
Refém do Mercado
O País está preso ao neoliberalismo do tucano Pedro Parente, presidente da BR
Roberto Junquilho
A montagem da cena
Em baixa junto aos prefeitos da Grande Vitória, Hartung dispara para o interior do Estado
BLOGS
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Arrogância também conta?
MAIS LIDAS

Candidatura de Lula à Presidência será lançada neste domingo em Vitória e Serra

Servidores do Ibama e ICMBio no Estado protestam contra loteamento político do órgão

Quem paga a conta senta na cabeceira?

A montagem da cena

Defensoria Pública apura responsabilidades em mortes de bebês na UTI do Hospital Infantil de Vila Velha