Seculo


  • Lava Jato no ES

 

Consórcio Caparaó completa maioridade com jovem prefeito na presidência


08/01/2017 às 13:25
Chapa única e eleição por consenso. Desde 1999 tem sido assim. Forma ainda pouco comum de se eleger gestores no poder público e no terceiro setor, essa tem sido uma das razões para o bom funcionamento do Consórcio Intermunicipal para o Desenvolvimento Sustentável da Região do Caparaó. “Faz os municípios realmente conversarem, e não disputarem, entre si”, ressalta a socióloga Dalva Ringuier, diretora-executiva da entidade desde a sua fundação.

Seguindo a tradição, a eleição desta segunda-feira (09) deve levar à presidência o prefeito de Ibatiba, Luciano Salgado (PMDB) – o Pingo – tendo como vice o prefeito de São José do Calçado, José Carlos Almeida. Com 35 anos, Pingo traz uma promessa de renovação. “Ele é jovem, é da turma dos educadores ambientais do Caparaó. Tenho muita esperança nele, que tem uma visão diferenciada”, destaca Dalva.

Identidade regional

Primeiro consórcio intermunicipal do país e ainda único do Espírito Santo, o Consórcio Caparaó tem construído uma história importante para a região. A identidade regional é um dos resultados mais marcantes. Graças ao profundo e permanente trabalho de união dos municípios e comunidades em torno de uma pauta comum, aos poucos, os próprios moradores foram assimilando uma identidade regional. Hoje, praticamente, ninguém mais na região se considera apenas alegrense ou guaçuiense, por exemplo, mas todos são, também, caparaoenses.

Para o público externo, especialmente os turistas que visitam a porção capixaba do Parque Nacional do Caparaó, a abertura de um acesso pelo Espírito Santo foi o benefício mais visível. A portaria capixaba foi inaugurada no distrito de Pedra Menina, em Dores do Rio Preto, em 1998. Até então, só havia a portaria mineira, em Alto Caparaó, onde até hoje funciona a estrutura administrativa do Parna.

A inauguração aconteceu antes da criação do próprio consórcio, quando ele ainda germinava dentro do Fórum Pró-Caparaó, um protocolo de intenções envolvendo os 11 municípios do entorno direto e indireto do Parque: Alegre, Divino de São Lourenço, Dores do Rio Preto, Guaçuí, Ibatiba, Ibitirama, Irupi, Iúna, Jerônimo Monteiro, Muniz Freire e São José do Calçado.

Região Ecológica Modelo

A criação do fórum foi idealizada após a realização de um diagnóstico feito pela Secretaria Estadual de Meio Ambiente (Seama), onde Dalva era diretora de Educação Ambiental. Foram 12 edições itinerantes: uma em Vitória e as outras nos 11 municípios caparaoenses.

Ao final dos fóruns, a abertura de uma portaria capixaba de acesso ao Parque foi apontada como uma das três principais necessidades regionais. As outras duas foram: a criação de um projeto turístico para promover infraestrutura básica à atividade; e a criação de uma Região Ecológica Modelo.

Em busca de realizar as três grandes missões, o Consórcio implementou, de forma pioneira no País, o projeto turístico Cama e Café; conduziu um programa de Educação Ambiental que já capacitou mais de três mil pessoas; elaborou um Plano de Desenvolvimento Sustentável da região, os Planos Diretores dos 11 municípios e o Projeto da Estrada-Parque; construiu um Polo de Educação Ambiental e de Práticas Sustentáveis, além de realizar mostras culturais e de vídeo ambiental, entre outras ações.

Sustentabilidade ampliada

O principal desafio que ainda perdura é o saneamento básico. Também entram na conta a melhoria na rede de comunicação e transporte, a criação de uma central de informações turísticas, além do resgate de algumas ações paralisadas, como a Rede de Educadores Ambientais e as mostras culturais.

Maior "caixa d´água" do Espírito Santo, o Caparaó abriga as bacias hidrográficas dos rios Itapemirim, Itabapoana e Santa Maria do Rio Doce, afluente do Rio Doce, além da maior unidade de conservação do estado, onde a Mata Atlântica pulsa exuberante, com toda a sua biodiversidade e belezas naturais.

Na atual crise econômica nacional, o consórcio é um porto seguro para as pequenas prefeituras da região, que se apoiam mutuamente e buscam, juntas, por soluções comuns às suas necessidades. Educação, Saúde e Segurança estarão mais fortes na pauta do consórcio nesta nova gestão. “É uma visão mais ampliada da Sustentabilidade”, destaca a diretora-executiva. 

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

SOCIOECONÔMICAS
Tem, sim!

Não escapou Hartung nem Baianinho dos protestos de desta sexta-feira no Estado

OPINIÃO
Editorial
A PM sendo PM
Depois de estarem do “outro lado do balcão, policiais militares voltam a recorrer à violência para reprimir greve geral dos trabalhadores no ES
Piero Ruschi
O desmanche do Museu Mello Leitão
Um ato de desrespeito à população que foi camuflado e conta com o apoio da própria diretoria e sua associação de amigos
Renata Oliveira
Bancada na berlinda
A votação sobre a reforma trabalhista pode condenar metade da bancada capixaba, mas deputados parecem confiar na dialética
Nerter Samora
Uma nova República
Prestes a ser aprovada, a lei sobre abuso de autoridade é um bem necessário para esse ''novo Brasil''
Geraldo Hasse
Os apuros do rei da petroquímica
A ascensão da Braskem faz lembrar o ditado: tudo que sobe rápido demais, desce ligeirinho
Lídia Caldas
Como ter um coração saudável?
Curioso que algumas coisas que hoje são heresias amanhã podem se tornar dogmas
BLOGS
Blog do Phil

Phil Palma

Um homem nu.
Flânerie

Manuela Neves

Nenna, em transição
Panorama Atual

Roberto Junquilho

A Odebrecht quebrou a "Omertá", e agora?
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Nossa Terra, nossa gente
Gustavo Bastos
Blog destinado à divulgação de poesia, conteúdos literários, artigos e conhecimentos em geral.
MAIS LIDAS

Governador vira alvo nos protesto dos servidores públicos

Greve Geral: manifestações pacíficas são dispersadas com violência pela Polícia Militar

Delações da Odebrecht mudam expectativas de composições eleitorais para 2018

Givaldo critica Hartung, Lelo e Ana Paula Vescovi em protesto contra Reforma Trabalhista

STF decide que terreno de marinha em ilha com sede de município é da União