Seculo

 

'Vem ver o sol nascer no mar'


09/01/2017 às 21:03
Escrevo essa reportagem ainda sentindo o balanço das ondas. Uma experiência incrível, que recomendo muitíssimo a todos os que tenham um mínimo de simpatia pelo mar, pelos esportes, por aventuras e pelo contato com a natureza em geral.

Não é preciso ter experiência em nada disso, apenas vontade de conhecer. Conhecer Vitória sob outro ponto de vista, conhecer um nascer do sol alguns metros mar adentro, conhecer pessoas legais, conhecer a si mesmo também sob outra perspectiva ...
 
 
No último domingo (08), participei pela primeira vez de uma Remada do nascer do sol na baía de Vitória, organizada pelo grupo Trilhas e Camping (www.facebook.com/grupotrilhasecamping/).

O ponto de encontro, como sempre, foi a Guarderia da Praça da Ciência e, às 4h30 da matina, lá estavam cerca de 40 pessoas, incluindo pessoal da organização e apoio, vindos de Vila Velha, Serra e vários bairros de Vitória, conversando animadamente ainda sob o manto escuro da noite, aguardando ansiosamente a hora de entrar na água. 

Minha parceira no caiaque duplo foi a assistente de vendas Sirley Soares, que pela primeira vez remava em cima de um caiaque. Sua animação era contagiante: “Quando saio de casa é pra me aventurar!”, sorria. Muito bem, instruções de segurança e locomoção recebidas, vamos lá!

As primeiras remadas nos levaram até o ponto combinado para esperarmos o sol surgir no horizonte. Aos poucos, o azul escuro foi se tingindo de rosa, as pedreiras que emolduram a cidade foram se mostrando – Mestre Álvaro, Pedra dos Dois Olhos, Morro do Moreno ... – e, a leste, uma luz laranja indicava o ponto exato de onde o espetáculo maior em breve chegaria em seu ápice.

As poucas nuvens no céu não tiraram a beleza única do momento tão aguardado e bastou o astro-rei começar a subir, como uma imensa bola de fogo vermelho, para a festa dos remadores começar, em forma de palmas, gritos e, claro, muitas fotos e selfies.

Marinheiros de primeira viagem

Conversando com as pessoas, percebo que a maioria também era, de alguma forma, estreante. Exemplo são o trader William Moreira, que nunca tinha subido em um caiaque, e que convidou o analista administrativo Jhonatam Aguiar, pra lhe dar um “apoio moral”. Qual foi sua surpresa ao descobrir que o amigo sequer sabia nadar! Gargalhadas à parte, a dupla inexperiente não se intimidou. “É extraordinário, nem sei como dizer”, exaltou Jhonatam.

A bioquímica Patrícia Dalbem, já praticante de rapel e tirolesa, estreava no passeio ao nascer do sol, se derrama em encantamentos: “Vitória tem tantos lugares bonitos, que as pessoas não exploram! Quando a gente começa a fazer essas aventuras, começa a conhecer, a gente vê como Vitória é bonita e como a gente pode fazer coisas bacanas, se divertir, fazer esportes, conhecer pessoas novas”, declara, entusiasmada.


Sua dupla no dia, a segurança Cleidiane Barbosa, já experiente nas remadas, expande o encantamento para outras opções disponíveis na cidade e no interior:  canoa havaiana, rapel, tirolesa ... “E tem a remada no por do sol também, de quinze em quinze dias. Venho direto”, convida. 

Potencial de mercado

Saciados de sol nascente, seguimos para o sul, em direção à chamada "Praia Secreta" de Vila Velha que, como muitos já sabem, de secreta não tem mais nada. De fato, a praia estava repleta de banhistas quando chegamos. Barcos e remos na areia, fomos esticar as pernas, nadando, caminhando, deitando sobre as pedras. Mais paisagens belíssimas, muito papo animado e, retomar a jornada.

A essa hora, o mar estava um pouco mais agitado e muitas ondas balançavam as embarcações e as enchiam de água. Enquanto um rema, o outro esvazia a frente do caiaque – a maioria dos caiaques foi duplo. O percurso agora foi passando por entre ilhas – inclusive uma dita “privada”, com placa de Não Entre e tudo! – avistando tartarugas marinhas e com pequenas pausas para banhos.

O retorno à Praia do Canto foi às 10h00. Todos exaustos e muito felizes, pedindo mais. E mais teremos, pois o grupo tem crescido em número de participantes e dicas de passeios. Filipe Bessa, um dos coordenadores, conta que o mercado para esportes de aventura na Grande Vitória é muito promissor.

Quem gosta, cuida

Natural do Rio de Janeiro, onde começou a trabalhar no ramo, Felipe Bessa enumera o potencial capixaba: “Um ambiente muito diversificado, você tem a praia, montanhas, serra, cachoeiras, tem tudo aqui. Vento pra poder voar de parapentes, paraquedas. Mar bom pra fazer mergulho ... A gente tem público, tem mercado, o que está faltando são mais profissionais pra fazer acontecer. Tendo mais grupos, se tem uma divulgação maior e atrai um público maior”.
 
Importante que cresça esse mercado. O turismo de aventura e o ecoturismo são ferramentas importantes de sensibilização, grandes aliadas na conservação ambiental. Eu que o diga. Tão desanimada com o mar de corrupção, abusos e inoperância estatal com relação aos problemas ambientais da baía de Vitória, acostumada a ver Vitória como “a ilha sem praia”, voltei desse passeio com ânimo renovado pra acreditar que a população vai ter sim seu mar de volta, seu ar limpo de volta. Vai porque tem que ser assim. E quanto mais contato prazeroso tivermos com a natureza de Vitória, mais força e vontade teremos pra lutar por isso. 

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

SOCIOECONÔMICAS
Leonardo Duarte/Secom
Uma coisa só

Enquanto no campo nacional PRB e MDB ainda estão em fase de namoro, no Estado o partido já é um “puxadinho” de Hartung. E tudo começou com Roberto Carneiro...

OPINIÃO
Editorial
MPES omisso
Ministério Público decidiu não participar das audiências de custódia. Um dos prejuízos: denúncias contra tortura, comumente relatada por presos
Piero Ruschi
Pets: uma questão de responsabilidade socioambiental
Felizes as pessoas que podem ter um animal de estimação! Felizes os animais de estimação que têm um dono responsável!
Gustavo Bastos
Para que Filosofia?
''é melhor existir do que o nada''
Bruno Toledo
Por que negar os Direitos Humanos?
Não há nada de novo nesse discurso verde e amarelo que toma as ruas. É a simples manutenção das bases oligárquicas do Brasil
Eliza Bartolozzi Ferreira
Políticas de retrocesso
Dados educacionais do governo Paulo Hartung são alarmantes
Geraldo Hasse
Vampirismo neoliberal
O governo oferece refrescos aos trabalhadores enquanto suga seu sangue
Roberto Junquilho
Quem governa?
Um novo porto na região de Aracruz demonstra que, para as corporações, as minorias não importam
BLOGS
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Uh, Houston, temos um problem
MAIS LIDAS

Sindicato protocola denúncias contra Sesa por contratação de Organizações Sociais

Corrida ao Senado sinaliza mudança na bancada capixaba

Quem governa?

Vampirismo neoliberal

Greve dos professores de Vitória continua por tempo indeterminado