Seculo

 

Rejeitada mudança no controle da jornada de trabalho de assessores jurídicos em Aracruz


10/01/2017 às 13:43
O juiz da Vara da Fazenda Pública de Aracruz (região litoral norte), André Bijos Dadalto, negou a possibilidade de mudança no controle de jornada de assessores jurídicos na Prefeitura do município. No último dia 13, o magistrado julgou extinto um mandado de segurança impetrado por três advogados (Ludmilla Dematte de Freitas Coutinho, Pollyana Alves Cuzzuol e Caio Inácio Faria Junior), que atuam como técnicos municipais de Nível Superior, em que pretendiam a isonomia de tratamento com os procuradores do Município, que não estão sujeitos ao controle de ponto e jornada.

No entanto, o juiz considerou que “podem se prender a padrões fixos de horários de entrada e saída, por ser compatível com o acompanhamento e assessoramento interno dos processos administrativos”. Para André Dadalto, os assessores não desempenham qualquer atribuição que os impeçam de permanecer na Prefeitura durante a jornada de trabalho. Segundo ele, apenas os procuradores, que atuam na representação judicial e extrajudicial do Município, não estão sujeitos ao controle por conta da realização de audiências ou deslocamentos para acompanhamento de processos, por exemplo.

No mandado de segurança (0005828-04.2016.8.08.0006), os advogados alegavam que não deveriam se sujeitar ao controle de jornada de trabalho estabelecido pela Prefeitura pelo suposto amparo no Estatuto da Advocacia, que dispõe sobre a independência da atuação do advogado. Os três advogados pediam que a municipalidade os abstivessem do controle de ponto de presença no trabalho. A sentença divulgada no site do tribunal nessa segunda-feira (9) ainda cabe recurso.

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

Crônica de uma eleição

Vagões do trem do governador Paulo Hartung estão acima da capacidade da locomotiva. Haja peso para carregar...

OPINIÃO
Editorial
Futuro interrompido
Onde estão os promotores, delegados, políticos e demais agentes públicos para berrarem em defesa da infância? Mortes no Heimaba são alarmantes e inadmissíveis!
Bruno Toledo
Em defesa dos defensores
Nunca antes foi tão necessário e urgente o fortalecimento da Defensoria Pública
Eliza Bartolozzi Ferreira
A greve é um direito
Prefeito de Vitória ignorou o direito dos professores e adotou medidas coercitivas contra a liberdade de expressão e de greve
JR Mignone
Nova rádio
Tudo modificado, tudo moderno na Rádio Globo
BLOGS
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Arrogância também conta?
MAIS LIDAS

Vitória já poderia ter identificado as fontes de emissão de pó preto

Regimento Interno da Câmara da Serra torna nulo pedido de empréstimo para a prefeitura

Audiência Pública debate políticas de enfrentamento às desigualdades raciais

Pulverizações com agrotóxicos continuam no entorno do Parque de Itaúnas

Mordaça na escola