Seculo

 

Briga particular enfraquece principais lideranças da Serra no jogo estadual


10/01/2017 às 15:47

Para alguns observadores do cenário político do Estado, 2018 deve encerrar o ciclo de disputa entre o governador Paulo Hartung (PMDB) e o ex-governador Renato Casagrande (PSB), embora o primeiro projete seu caminho para o cenário nacional, a tendência é de que os dois rivalizem o mercado político, ainda que indiretamente. Por isso, uma fila sucessória começa a ser cogitada para um cenário pós-Hartung e pós-Casagrande.

Mas, nesses arranjos, algumas lideranças perdem seu lugar na fila sucessória. Os dois principais atores políticos da Serra, por exemplo, eram nomes que até pouco tempo atrás estavam cotados como nomes capazes de alcançar voos que os levassem até o Palácio Anchieta. Mas, hoje já estão sendo ultrapassados na fila sucessória.

O motivo é a briga particular que os dois vêm travando desde 2004, quando Audifax sucedeu o pedetista na prefeitura e foi impedido de disputar a reeleição em 2008, quando ainda era do PDT, tendo de ceder o lugar a contragosto a Vidigal.

De lá para cá, o clima político na Serra se radicalizou entre as duas lideranças, fechando o espaço para o surgimento de outros nomes com peso para superá-los na disputa local. O clima de polarização e medição de força, eleição após eleição, vem contaminando apoiadores dos dois lados e o clímax dessa disputa parece ter sido a eleição da Mesa Diretora na Câmara da Serra, que causou tumulto entre apoiadores dos dois lados.

Enquanto esquenta localmente, em nível estadual essa disputa é prejudicial para as duas lidernças. Tanto Audifax quanto Vidigal conseguiram, estando na planície, se eleger deputados federais, em 2010 e 2014, respectivamente, isso graças ao grande eleitorado que o município tem. Mas o endurecimento da disputa está começando a cansar o eleitorado e enfraquecendo os dois políticos a nível estadual.

Vidigal perdeu duas vezes no município e isso não é bom para quem tem planos estaduais maiores. Ao entregar o comando do partido ao deputado Josias Da Vitória,  durante o período eleitoral, Vidigal também acaba se enfraquecendo partidariamente, o que complica sua situação.

Audifax tem dois desafios, o primeiro de fazer um segundo mandato de resultado ou acabará desagradando o eleitorado e precisa organizar e fortalecer seu partido (Rede) no Estado para ganhar musculatura, o que para a classe política são tarefas que o cenário eleitoral não oferece condições facilitadoras.

Para os meios políticos, as musculaturas enfraquecidas das duas lideranças serranas é um alívio para quem está de olho no cenário pós-Hartung e espera dar um passo à frente na nova fila.
 

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

SOCIOECONÔMICAS
Próximos capítulos

Com Colnago no comando, dá para imaginar como ficaria o PSDB em 2018, inserido no projeto de Hartung...mas e se Max Filho levasse o pleito, como seria a relação do partido com o governador?

OPINIÃO
Renata Oliveira
Uma nova bandeira se ergue
O programa de combate à violência contra a mulher leva o governador Paulo Hartung a nova narrativa para 2018
Gustavo Bastos
O verão do amor e o movimento hippie
O que representava o movimento hippie como tal era a utopia
Geraldo Hasse
As abelhas e o Agro
Alguns líderes se dão conta da mútua dependência entre animais e plantas
BLOGS
Flânerie

Manuela Neves

Quem me ensinou a nadar
Panorama Atual

Roberto Junquilho

Este blog fica por aqui
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Algo de novo no ar
Gustavo Bastos
Blog destinado à divulgação de poesia, conteúdos literários, artigos e conhecimentos em geral.
MAIS LIDAS

Próximos capítulos

Conselho de Ética libera Colnago para disputar a presidência do PSDB

Tribunal de Justiça mantém bloqueio dos bens de ex-prefeito de Aracruz

Programação cultural do fim de semana

Avenida fica sem semáforo, pedestres ficam a perigo e a Prefeitura de Vitória só assiste