Seculo

 

Entidades ingressam com ação civil pública pedindo o esvaziamento da Unip II


11/01/2017 às 16:47
A precariedade de condições da Unidade de Internação Provisória II (Unip II), em Cariacica, levou a Defensoria Pública do Estado, Ministério Público Estadual (MPES), o Centro de Defesa dos Direitos Humanos de Serra (CDDH-Serra), o Comitê Estadual para a Prevenção e Erradicação da Tortura no Espírito Santo (Cepet-ES) e a seccional capixaba da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB-ES) a ingressarem com Ação Civil Pública pedindo o esvaziamento da unidade.

O pedido de liminar foi impetrado na 3ª Vara de Infância e Juventude de Vitória em virtude do sucateamento da unidade. Inspeções feitas semanalmente pela Defensoria constataram que a Unip II não oferece condições de habitabilidade, higiene e limpeza; não há escolarização dos internos, uma vez que eles recebem apenas aulas de reforço; não há atendimento psicossocial e de saúde; também não existem atividades profissionalizantes e de encaminhamento ao emprego; a alimentação é ruim; água de torneira é oferecida aos internos; há problemas de violência crônica e agressões por parte de agentes socioeducativos.

A unidade tem capacidade para 60 internos, mas abriga atualmente 222, incluindo 55 com sentença de internação proferida. Além disso, não há separação de internos por idade ou ato infracional cometido. A falta de separação por delito ou compleição física provoca ainda mais tensão e aumenta a probabilidade de motins e rebeliões, que são comuns na Unip II.

A ação pede que o Instituto de Atendimento Socioeducativo (Iases) apresente o alvará de funcionamento do Corpo de Bombeiros e da Vigilância Sanitária e providencie dois jogos de cama por interno, que deverão ser trocados semanalmente; uniformes, incluindo, no mínimo, duas camisas, duas bermudas, um chinelo e um agasalho a cada adolescente internado; bem como a fornecer, a todos os socioeducandos, regularmente, material de higiene e limpeza, incluindo, no mínimo, escova de dentes, sabonete, desodorante e creme dental.

A ação também pede que os agentes socioeducativos envolvidos em episódios de agressões a internos sejam afastados e que seja alterada a Subgerência de Segurança da unidade.

Mortes

A unidade registrou diversas rebeliões, mortes e denúncias de agressões nos últimos anos. Em 2015, um adolescente morreu na unidade depois de uma rebelião que foi contida com gás de pimenta. Ele desmaiou no alojamento e morreu posteriormente.

A ação detalha uma denúncia de agressão a internos por parte de agentes socioeducativos. Segundo o processo, os adolescentes foram deitados no chão e agredidos com socos e chutes pelos agentes, depois levados para a delegacia para registro de Boletim de Ocorrência e corpo delito. No entanto, não receberam atendimento médico.

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

No rumo da ambição

PH deu a entender que estaria de malas prontas para o PSDB. Até agora não foi e ninguém lhe cobrou nada

OPINIÃO
Renata Oliveira
Obstáculos de Ferraço
Depois de cinco anos à frente da Assembleia, Theodorico Ferraço pode ter de passar o bastão
Geraldo Hasse
A madre superiora manda recado
Tirar das cadeias os presos provisórios pode ser o primeiro passo para a implantação da Justiça
BLOGS
Blog do Phil

Phil Palma

Mais que mil palavras!
Flânerie

Manuela Neves

As primeiras artes de Luizah Dantas nas paredes da casa de Branca
Panorama Atual

Roberto Junquilho

Não basta excluir os pobres, é preciso matá-los?
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Com abraços e pipocas
Gustavo Bastos
Blog destinado à divulgação de poesia, conteúdos literários, artigos e conhecimentos em geral.
MAIS LIDAS

Espírito Santo tem uma das maiores biodiversidades marinhas do Atlântico Sul

Desempenho dos partidos na eleição de 2016 aponta que PSB ainda tem estofo nas bases

Agroturismo nos sítios de agricultura orgânica aproxima consumidor e produtor

Obstáculos de Ferraço

PEC tira poder de fiscalização da Câmara da Serra sobre as contas do prefeito