Seculo

 

Presidente da Associação dos Militares defende lavratura de termo circunstanciado pela PM


11/01/2017 às 18:03
O presidente da Associação dos Oficiais Militares do Estado (Assomes), major Rogério Fernandes, questionou o pedido das Entidades Unidas da Polícia Civil, que enviou ao secretário de Estado de Segurança Pública, André Garcia, um ofício solicitando que o Batalhão de Polícia Ambiental não lavrasse mais termo circunstanciado de ocorrência (TCO).

As entidades apontam que a possibilidade de lavratura dos termos se baseia com em portaria exarada pelo próprio comandante do batalhão, violando o princípio da legalidade e da reserva de competência da União em matéria processual penal.

O major ressalta que a Constituição Federal, no artigo 144, aponta que a segurança pública pública é responsabilidade de todos e dever do Estado, listando os órgãos policiais – Polícia Militar, Polícia Civil, Polícia Federal, Polícia Rodoviária Federal e Polícia Ferroviária Federal – e definindo a atribuição de cada policia.}

No entanto, a Constituição deixou de tratar como se daria a atividade policial frente à dinâmica da violência e da criminalidade, sendo que um modelo ultrapassado de atividade policial não consegue dar vazão às demandas do dia a dia, nem às da persecução penal.

O militar aponta para a necessidade de implementação no País do ciclo completo de polícia e lembra que, além do Brasil, apenas Cabo Verde e Guiné-Bissau ainda não implantaram este modelo.

O ciclo completo é a atribuição a uma mesma corporação policial as atividades repressivas de polícia judiciária e de prevenção de delitos e manutenção da ordem pública de polícia ostensiva. Para o major, a polícia de ciclo completo não retira poder de nenhuma das corporações, mas aperfeiçoa um serviço público em prol do cidadão.

Ele ressalta que a análise da implementação do ciclo completo de polícia, mesmo que de forma mitigada, na lavratura de TCO pela Polícia Militar deve ser feita sob o prisma da comodidade gerara para o cidadão que não precisa ser encaminhado até a delegacia, nem ser estigmatizado ao ser conduzido em uma viatura policial.

Além disso, evitaria gastos desnecessários com grandes deslocamentos de viaturas, que ao fim, acabam prejudicando o policiamento na região de origem, já que os policiais têm de se deslocar para entregar a ocorrência na delegacia mais próxima, o que implica num deslocamento, em alguns casos, de até 240 km. Ele aponta que com a lavratura do TCO, a viatura permaneceria na área de policiamento, maximizando a prestação do serviço policial.

O major também pontua que a polícia judiciária seria desonerada da simples incumbência de recebimento de ocorrência policial para desempenhar a função na investigação dos crimes de médio e grave potencial ofensivo.

Ele conclui que a realização de TCO pela Polícia Militar gerará benefícios para a atividade policial, seja ela ostensiva ou preventiva, já que, além de liberar a polícia judiciária para a investigação, trará menos gastos públicos e ainda possibilitará maior integração entre a polícia e a comunidade.

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

Os fantasmas de PH

Delações e medo das ruas assombram Hartung, cada vez mais distante das eleições de 2018

OPINIÃO
Renata Oliveira
Reformas inócuas
A Lava Jato revelou como a classe política articulou sua sobrevivência no ''mundo cão'' enquanto vendia honestidade
BLOGS
Blog do Phil

Phil Palma

Imperdivel! Já em cartaz!
Flânerie

Manuela Neves

Nenna, em transição
Panorama Atual

Roberto Junquilho

A Odebrecht quebrou a "Omertá", e agora?
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Nossa Terra, nossa gente
Gustavo Bastos
Blog destinado à divulgação de poesia, conteúdos literários, artigos e conhecimentos em geral.
MAIS LIDAS

Quem quer ser vizinho de uma siderúrgica?

Envolvimento de Ricardo Ferraço no esquema da Odebrecht inibe oposição de Theodorico na Assembleia

Delações jogam luz sobre passagens obscuras da política capixaba

Polícia Militar antecipa reintegração de posse de área em Vitória

Com baixa de 119 servidores em três anos, governo adia nomeação de escrivães de Polícia