Seculo

 

Sem transparência


11/01/2017 às 23:13
O acesso à informação talvez seja uma das mais bem-vindas contribuições da revolução tecnológica. O consumidor, com um aparelho de celular à mão, pode saber, em questão de segundos, por exemplo, informações sobre um produto que pretende comprar: da parte técnica ao melhor preço. Um “google” rápido também pode esclarecer se a empresa vendedora é idônea, se cumpre as exigências legais previstas no Código de Defesa do Consumidor.
 
Com a Lei de Acesso à Informação (LAI), a transparência também chegou ao setor público. Prefeituras, estados e União tiveram que se ajustar à legislação e assegurar o acesso do contribuinte ao que se passa na gestão pública. Os portais da transparência, alguns mais outros menos transparentes, passaram a ser canais obrigatórios nos sites das administrações públicas.
 
Mas ainda existe um abismo entre o que estabelece a LAI e o que de fato o poder público oferece ao cidadão para garantir o acesso amplo e irrestrito à informação. 
 
O Instituto Estadual de Meio Ambiente e Recursos Hídricos (Iema) é exemplo de um órgão público que continua com os dois pés no século passado, guardando a informação em caixas pretas, bem protegida da população. 
 
Reportagem publicada nesta quarta-feira (11) em Século Diário pergunta se o Iema é “incompetente ou está agindo de má-fé” ao se negar a fornecer à Universidade Federal do Espírito Santo (Ufes) dados brutos coletados na Rede Automática de Monitoramento da Qualidade do Ar (Ramqar).
 
A Ufes aguarda ansiosa os dados do Iema para poder oferecer gratuitamente à população, por meio de um aplicativo desenvolvido por uma aluna do curso de Engenharia, informações sobre a qualidade do ar na Grande Vitória - sem dúvida, uma prestação de serviço valiosa para o cidadão.
 
A professora Jane Mari dos Santos, que decidiu incentivar o desenvolvimento do aplicativo após conhecer experiência semelhante em Londres, não consegue compreender a resistência do órgão ambiental em abrir os dados. “Queremos divulgar os dados do controle ambiental e dar à população uma indicação sobre o que aqueles números podem significar com relação à saúde”, explica a professora. 
 
Coincidentemente, também nesta quarta, o jornal A Gazeta alertou que o Iema não faz medição do pó preto há sete meses. No caso da reportagem de Século Diário, embora demandado, o secretário estadual de Meio Ambiente, Aladim Cerqueira, não se deu ao trabalho de explicar à reportagem o motivo do Iema ainda não ter fornecido os dados à Ufes. 
 
Já ao jornal A Gazeta, Aladim preferiu se manifestar. No final das contas, as declarações do secretário foram esclarecedoras para as duas reportagens. O secretário enrolou, enrolou e não explicou nada. Restou patente, que a intenção de Aladim é “esconder” informações que possam comprometer as imagens das duas principais empresas poluidoras que operam na Ponta de Tubarão: Vale e ArcelorMittal. 
 
A sociedade não pode continuar passiva, esperando que a Secretaria estadual de Meio Ambiente abra espontaneamente a caixa preta da poluição para que os moradores da Grande Vitória tenham consciência sobre a qualidade do ar que respiram. É preciso que a sociedade civil organizada tome a frente e encontre outros meios de fazer uma medição independente. Talvez essa iniciativa empurre o Iema para o século 21.

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

Espelho democrático

PH, com certeza, vai jogar pra frente dúvida sobre candidatura à reeleição. Mas não o vejo fora da disputa e sem mandato

OPINIÃO
Editorial
MPES omisso
Ministério Público decidiu não participar das audiências de custódia. Um dos prejuízos: denúncias contra tortura, comumente relatada por presos
JR Mignone
O voto facultativo
Atual insatisfação com a política seria uma chance para começar a estudar a implantação do voto facultativo?
BLOGS
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Para, relógio
MAIS LIDAS

Extermínio da juventude negra será tema de jornada de luta no mês da abolição

Presidenciável do PRB articula construção de palanque eleitoral no Estado

Sindicato dos Médicos e CRM encontram cenário caótico em hospitais do norte e noroeste

Processo de nepotismo contra Sérgio Vidigal vai a julgamento nesta terça-feira no TJES

Um filme sobre o extermínio da juventude negra