Seculo

 

Golfinho morto em Vila Velha é enterrado na praia em estado de decomposição


17/01/2017 às 17:40

O primeiro caso de golfinho encontrado morto no litoral capixaba este ano aconteceu na praia do Barrão, na Barra do Jucu, em Vila Velha. A análise feita no local, pela equipe da Scitech – consultoria contratada pela Petrobras, em decorrência de uma condicionante ambiental, responsável pelo monitoramento e recolhimento de animais vivos e mortos em toda a costa capixaba – indica que a causa da morte foi a captura acidental em rede de pesca, o motivo mais comum que acomete golfinhos e tartarugas marinhas. Enrolados nas redes, esses animais, que possuem respiração pulmonar, não conseguem subir à superfície e acabam morrendo afogados.

Devido ao avançado estado de decomposição, o golfinho (ou boto-cinza) chegou a ser enterrado em um local deserto da praia, com autorização do Instituto Orca. Mas posteriormente, técnicos do Instituto de Pesquisa e Reabilitação de Animais Marinhos (Ipram) – também contratado como parte da condicionante ambiental da Petrobras e responsável pela reabilitação de animais marinhos – o retiraram da praia para uma tentativa de necrópsia.

Em média, quatro golfinhos são encontrados mortos no litoral capixaba todos os meses. Já as tartarugas marinhas são encontradas mortas quase todos os dias. “As tartarugas são mais vulneráveis, elas comem muito lixo achando que é comida. Os golfinhos vivem um pouco mais afastados da costa e não se enganam tanto”, explica o auxiliar técnico da Scietech, Lucas Andrade.

População pode ajudar na fiscalização

Lucas apela para que a população colabore, denunciando redes de pesca instaladas indevidamente. “As pessoas muitas vezes veem o problema, mas não acionam a fiscalização. Poderia ajudar muito, pois o número de policiais e fiscais é muito reduzido”, apela Lucas.

Segundo o auxiliar técnico, a legislação federal impede as redes trasmalhas numa distância até 200 metros da praia e uma lei estadual aprovado no final de 2016, reforça essa proibição para a praia da Curva da Jurema, mas ainda não conseguiu reverter a situação, pois redes de pesca são colocadas na região constantemente.

A presidente da CPI dos Maus-Tratos aos Animais da Assembleia Legislativa, deputada Janete de Sá (PMN), enviou ofício para o IBAMA e para a Secretaria de Meio Ambiente da PMVV, para aumentar e fiscalização e a punição ao combate a pesca predatória na orla capixaba. “Precisamos agir para proteger os animais marinhos que constantemente aparecem mortos no nosso litoral depois de não conseguir se livrar das redes que são colocadas de maneira irregular na orla capixaba”, declarou a deputada Janete de Sá.

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

SOCIOECONÔMICAS
Jogo pesado

O que falta para um consenso na disputa interna do PSDB? Parar César Colnago!

OPINIÃO
Editorial
Auto-homenagem
Governo usa sessão solene da Assembleia para coroar política de educação escorada na vitrine do Escola Viva
Piero Ruschi
O ‘Santo Graal’ de Augusto Ruschi
Eventos recentes de desrespeito ao Museu Mello Leitão, camuflados sob a criação do INMA, ressuscitam episódios históricos lamentáveis
Renata Oliveira
Juntos ou separados?
O que pode ser mais complicado para Hartung ter todos os seus adversários no mesmo palanque ou cada um em seu quadrado
Gustavo Bastos
O verão do amor e o movimento hippie
O que representava o movimento hippie como tal era a utopia
Geraldo Hasse
As abelhas e o Agro
Alguns líderes se dão conta da mútua dependência entre animais e plantas
BLOGS
Flânerie

Manuela Neves

Quem me ensinou a nadar
Panorama Atual

Roberto Junquilho

Este blog fica por aqui
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Algo de novo no ar
Gustavo Bastos
Blog destinado à divulgação de poesia, conteúdos literários, artigos e conhecimentos em geral.
MAIS LIDAS

Contas públicas viram pano de fundo para disputa entre 'doutores' em Itapemirim

Jogo pesado

Justiça suspende cassação do mandato de Ruberci Casagrande

'Refiliação' de secretário aumenta tensão no PSDB

Juntos ou separados?