Seculo

 

Golfinho morto em Vila Velha é enterrado na praia em estado de decomposição


17/01/2017 às 17:40

O primeiro caso de golfinho encontrado morto no litoral capixaba este ano aconteceu na praia do Barrão, na Barra do Jucu, em Vila Velha. A análise feita no local, pela equipe da Scitech – consultoria contratada pela Petrobras, em decorrência de uma condicionante ambiental, responsável pelo monitoramento e recolhimento de animais vivos e mortos em toda a costa capixaba – indica que a causa da morte foi a captura acidental em rede de pesca, o motivo mais comum que acomete golfinhos e tartarugas marinhas. Enrolados nas redes, esses animais, que possuem respiração pulmonar, não conseguem subir à superfície e acabam morrendo afogados.

Devido ao avançado estado de decomposição, o golfinho (ou boto-cinza) chegou a ser enterrado em um local deserto da praia, com autorização do Instituto Orca. Mas posteriormente, técnicos do Instituto de Pesquisa e Reabilitação de Animais Marinhos (Ipram) – também contratado como parte da condicionante ambiental da Petrobras e responsável pela reabilitação de animais marinhos – o retiraram da praia para uma tentativa de necrópsia.

Em média, quatro golfinhos são encontrados mortos no litoral capixaba todos os meses. Já as tartarugas marinhas são encontradas mortas quase todos os dias. “As tartarugas são mais vulneráveis, elas comem muito lixo achando que é comida. Os golfinhos vivem um pouco mais afastados da costa e não se enganam tanto”, explica o auxiliar técnico da Scietech, Lucas Andrade.

População pode ajudar na fiscalização

Lucas apela para que a população colabore, denunciando redes de pesca instaladas indevidamente. “As pessoas muitas vezes veem o problema, mas não acionam a fiscalização. Poderia ajudar muito, pois o número de policiais e fiscais é muito reduzido”, apela Lucas.

Segundo o auxiliar técnico, a legislação federal impede as redes trasmalhas numa distância até 200 metros da praia e uma lei estadual aprovado no final de 2016, reforça essa proibição para a praia da Curva da Jurema, mas ainda não conseguiu reverter a situação, pois redes de pesca são colocadas na região constantemente.

A presidente da CPI dos Maus-Tratos aos Animais da Assembleia Legislativa, deputada Janete de Sá (PMN), enviou ofício para o IBAMA e para a Secretaria de Meio Ambiente da PMVV, para aumentar e fiscalização e a punição ao combate a pesca predatória na orla capixaba. “Precisamos agir para proteger os animais marinhos que constantemente aparecem mortos no nosso litoral depois de não conseguir se livrar das redes que são colocadas de maneira irregular na orla capixaba”, declarou a deputada Janete de Sá.

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

Deu zebra

Já está na hora de passar o governador Paulo Hartung a limpo...

OPINIÃO
Editorial
Mais uma porta na cara
O racismo institucional do Palácio Anchieta ficou ainda mais claro com a presença do jornalista Willian Waack, demitido da Rede Globo por comentários racistas
Bruno Toledo
Estado sem PIEDADE!
As tragédias que se sucedem no Morro da Piedade sintetizam as contradições mais evidentes e brutais do modelo de sociedade e de Estado que estamos mergulhados
Erfen Santos
O Cidadão Ilustre
O filme suscita reflexões pertinentes sobre prêmios literários como o Nobel, que rejeitou grandes escritores
Geraldo Hasse
Notícias do fundo do poço
Se não ceder às pressões externas, a Petrobras pode voltar a liderar a economia
JR Mignone
A importância das eleições
Cada empresa de comunicação tem de se esmerar nas campanhas, sem partido ou cores políticas
BLOGS
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Além das lágrimas
MAIS LIDAS

Enivaldo diverge de Neucimar e expõe risco de racha na base governista

Corregedoria da Prefeitura de Vitória é acionada para investigar perda de recursos de compensação ambiental

Fase Escelsa e Rádio Capixaba de Hugo Borges

Chapa de deputados estaduais do PCdoB se arma para fortalecer Givaldo Vieira

A importância das eleições