Seculo

 

Golfinho morto em Vila Velha é enterrado na praia em estado de decomposição


17/01/2017 às 17:40

O primeiro caso de golfinho encontrado morto no litoral capixaba este ano aconteceu na praia do Barrão, na Barra do Jucu, em Vila Velha. A análise feita no local, pela equipe da Scitech – consultoria contratada pela Petrobras, em decorrência de uma condicionante ambiental, responsável pelo monitoramento e recolhimento de animais vivos e mortos em toda a costa capixaba – indica que a causa da morte foi a captura acidental em rede de pesca, o motivo mais comum que acomete golfinhos e tartarugas marinhas. Enrolados nas redes, esses animais, que possuem respiração pulmonar, não conseguem subir à superfície e acabam morrendo afogados.

Devido ao avançado estado de decomposição, o golfinho (ou boto-cinza) chegou a ser enterrado em um local deserto da praia, com autorização do Instituto Orca. Mas posteriormente, técnicos do Instituto de Pesquisa e Reabilitação de Animais Marinhos (Ipram) – também contratado como parte da condicionante ambiental da Petrobras e responsável pela reabilitação de animais marinhos – o retiraram da praia para uma tentativa de necrópsia.

Em média, quatro golfinhos são encontrados mortos no litoral capixaba todos os meses. Já as tartarugas marinhas são encontradas mortas quase todos os dias. “As tartarugas são mais vulneráveis, elas comem muito lixo achando que é comida. Os golfinhos vivem um pouco mais afastados da costa e não se enganam tanto”, explica o auxiliar técnico da Scietech, Lucas Andrade.

População pode ajudar na fiscalização

Lucas apela para que a população colabore, denunciando redes de pesca instaladas indevidamente. “As pessoas muitas vezes veem o problema, mas não acionam a fiscalização. Poderia ajudar muito, pois o número de policiais e fiscais é muito reduzido”, apela Lucas.

Segundo o auxiliar técnico, a legislação federal impede as redes trasmalhas numa distância até 200 metros da praia e uma lei estadual aprovado no final de 2016, reforça essa proibição para a praia da Curva da Jurema, mas ainda não conseguiu reverter a situação, pois redes de pesca são colocadas na região constantemente.

A presidente da CPI dos Maus-Tratos aos Animais da Assembleia Legislativa, deputada Janete de Sá (PMN), enviou ofício para o IBAMA e para a Secretaria de Meio Ambiente da PMVV, para aumentar e fiscalização e a punição ao combate a pesca predatória na orla capixaba. “Precisamos agir para proteger os animais marinhos que constantemente aparecem mortos no nosso litoral depois de não conseguir se livrar das redes que são colocadas de maneira irregular na orla capixaba”, declarou a deputada Janete de Sá.

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

SOCIOECONÔMICAS
Declaração de guerra

Luciano Rezende inflou tanto a candidatura de Denninho, para se livrar da única oposição que sofria na Câmara, que acabou arrumando um problemão dentro de casa

OPINIÃO
Editorial
Operação seletiva
Mandado de busca coletivo cumprido nesta quinta (17) em Jesus de Nazareth viola Estado Democrático de Direito
Renata Oliveira
Estilhaços da bomba
O programa do PSDB Nacional foi demolidor e serve bem ao discurso palaciano para o processo eleitoral de 2018
Geraldo Hasse
Pedalando rumo ao Norte
Até quando os brasileiros se deixarão governar por quem não os representa?
BLOGS
Blog do Phil

Phil Palma

Um homem nu.
Flânerie

Manuela Neves

Sizino, o pioneiro
Panorama Atual

Roberto Junquilho

A Força Nacional e o marketing de uma falsa segurança
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

A árvore da via
Gustavo Bastos
Blog destinado à divulgação de poesia, conteúdos literários, artigos e conhecimentos em geral.
MAIS LIDAS

Tribunal condena promotor que alterou depoimento de testemunha em caso de ‘rachid’

Polícia Federal investiga superfaturamento de contrato em Cariacica

Universitários guaranis realizam encontro sobre saúde e saberes tradicionais

Declaração de guerra

Ex-prefeitos de São Gabriel da Palha viram réus em ação de improbidade