Seculo

 

Austeridade de fachada


26/01/2017 às 10:19
Há 15 dias, o prefeito Luciano Rezende (PPS) convocou uma sessão extraordinária na Câmara para aprovar um pacote de medidas de austeridade. Um dos projetos (já aprovado) do Executivo foi a fusão de secretarias que, segundo o prefeito, irá proporcionar uma economia de cerca de R$ 3 milhões aos cofres da Prefeitura de Vitória. 
 
Esse tipo de medida, à primeira vista, revela a preocupação do prefeito com as contas públicas e serve como exemplo a toda a administração, que precisa seguir economizando neste segundo mandato. Luciano, com a medida, mostra que não pensa duas vezes na hora de cortar na própria carne. 
 
A narrativa seria convincente se dias depois o prefeito não passasse a fazer uma série de nomeações para acomodar na administração aliados políticos que ficaram pelo caminho na eleição passada ou sem espaço com as fusões anunciadas.
 
No texto da reforma administrativa (Projeto de Lei 6/2017), Luciano extingue as secretarias de Gestão Estratégica e Comunicação e cria a Secretaria de Gestão, Planejamento e Comunicação. A estratégia, na verdade, não está na economia, mas no compromisso de criar uma supersecretaria para o vereador Fabrício Gandini. Luciano tem planos para o seu principal correligionário e quer fortalecê-lo para disputas futuras.
 
Para reforçar o verniz da austeridade, o prefeito também anunciou a fusão das pastas de Meio Ambiente e Serviços, e as de Obras e Habitação. E comemorou, no balanço, que estava reduzindo a máquina pública de 21 para 18 secretarias. A “nova” Secretaria de Meio Ambiente foi entregue a Luiz Emanuel (PPS), um dos seus aliados que fracassou nas urnas e precisava ser acomodado na administração.
 
Na fusão da Comunicação, a ex-titular da pasta absorvida por Gandini, Margô Devos, também não ficou desempregada. O prefeito “arrumou” para ela o cargo de assessora especial. Aliás, os cargos de assessor especial e assessor  técnico viraram uma espécie de cargo genérico na gestão do prefeito: serve para acomodar quase todos. 
 
Reportagem do jornal A Gazeta (26/01/17) aponta que Luciano acomodou na prefeitura mais dois aliados políticos que foram derrotados nas urnas: Rogerinho Pinheiro (PHS) e Marquinhos Delmaestro (PP). O ex-taxista virou assessor técnico, mas admitiu, já no cargo, que não sabia ainda quais seriam suas funções. Delmaestro será assessor de projetos especiais. 
 
Obviamente os novos nomeados e a prefeitura negaram que se trata de contrapartida política. Esta semana, a coluna Socioeconômica, de Século Diário, ironicamente, cutucou Gandini, que agora é “dono” de uma supersecretaria. Questionou se ele deixaria o ex-presidente da Câmara Namy Chequer (PCdoB), que tanto fez pela administração do prefeito, na planície. A provocação foi válida. Namy, que também teve insucesso nas urnas, desconversa, mas sua vaga já está assegurada na administração de Luciano. 
 
É ingenuidade do prefeito tentar convencer a opinião pública que sua gestão não faz do cargos públicos balcão de negócios. Luciano tenta se defender com números. Vocifera que a maioria dos cargos não tem ligação partidária ou que apenas 5% dos servidores são comissionados. 
 
O prefeito não comentou, porém, que os dados do portal da transparência da prefeitura também apontam que dos 193 assessores técnicos, cargo entregue a Rogerinho Pinheiro, por exemplo, 161 são comissionados (dados de dezembro/2016). Só a folha desse grupo custou aos cofres públicos quase R$ 12 milhões em 2016, o que também não nenhuma bagatela. 
 
Luciano Rezende precisa ter mais humildade para tolerar as críticas. Embora a moda agora sugira tudo o que acontece no Espírito Santo como modelo de sucesso, a gestão do prefeito de Vitória não chegou a esse nível de perfeição para servir de exemplo. 

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

Por trás das cortinas

Hartung não ataca mais Casagrande como antes. E vice-versa

OPINIÃO
Editorial
Maquiagem oficial
Depois de episódios de repressão, governo Hartung tira a semana para valorizar uma das piores áreas de sua gestão: segurança pública
JR Mignone
Rádio Carnaval
'Taí' um dos poucos eventos em que o rádio perde feio para a televisão
Roberto Junquilho
O dia seguinte
O governador Paulo Hartung terá que se voltar mais intensamente à sua sucessão, depois de desfeito o sonho de ser vice de Luciano Huck
Geraldo Hasse
Manobras perigosas
Os empresários, que surfaram na onda de Lula, estão assustados com a pororoca de Temer
JR Mignone
Banalização
O carnaval fez com que se desse uma trégua nas informações sobre política no Brasil
BLOGS
Flânerie

Manuela Neves

A arte de pilotar motocicletas – ou com Chico na garupa
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Yes, nós também!
Gustavo Bastos
Blog destinado à divulgação de poesia, conteúdos literários, artigos e conhecimentos em geral.
MAIS LIDAS

Sesc Glória abre inscrições para propostas de apresentações

Hospital Bezerra de Farias suspende atendimento por falta de médicos

Governo Temer mente: a Previdência não está quebrada, afirmam manifestantes no ES

Manobras perigosas

Banalização