Seculo

 

Logo ele


01/02/2017 às 18:05
Imagine um Estado que ficou longe de atingir as metas de arrecadação previstas. Que a cada dez reais estimados, um deles jamais entrou no caixa do Tesouro. Que as receitas com transferências de convênios ficaram pela metade. O leitor mais desavisado poderia imaginar que estamos falando de algum entre tantos governos estaduais próximos da bancarrota. Ou talvez, do próprio Espírito Santo em governos anteriores. Mas esse é o resultado fiscal do governo Paulo Hartung (PMDB) em 2016.

No ano passado, as receitas ficaram bem aquém das previsões. O Estado registrou uma diferença de R$ 2,46 bilhões entre o esperado (R$ 17,25 bilhões) e o realizado (R$ 14,79 bilhões). Na receitas tributárias, que respondem por mais da metade das receitas correntes, o Estado não chegou a 90% do previsto. O orçamento previa uma arrecadação de R$ 6,7 bilhões em impostos, mas só chegou a quase R$ 6 bilhões (89,56%).

No balanço publicado esta semana, o único destaque ficou por conta da receita de valores mobiliários, que estava prevista em R$ 444,7 milhões, mas alcançou R$ 798,6 milhões (uma diferença de quase 80% a mais). Fora isso, o resultado fiscal do Espírito Santo não impressionou. Pelo contrário. As receitas de transferências de convênios, por exemplo, ficaram muito abaixo do esperado: dos R$ 44,7 milhões previstos somente R$ 24,2 milhões adentraram efetivamente nos cofres públicos.

Essa queda na arrecadação também reflete nas despesas do governo, provocando o congelamento dos investimentos – medida já incorporada no discurso de ajuste fiscal de Hartung. Em 2016, o Estado empenhou um pouco mais de um quarto do previsto com investimentos. Dos pouco mais de R$ 2 bilhões previstos na dotação orçamentária só foram empenhados (isto é, reservados) R$ 540 milhões. Se formos pegar as despesas liquidadas – aquelas já realizadas – o valor cai para R$ 471 milhões. Muito pouco para o governo estadual, que deveria exercer seu papel de gerador de oportunidades, sobretudo, em tempos de crise.

Isso tem a ver diretamente com a imagem vendida país a fora pelo governador de que o Espírito Santo é uma ilha de prosperidade em meio ao caos fiscal dos estados e da União. Um discurso que só pode se sustentar em números e que dá sinais claros de fadiga material – outro termo importado por este colunista dos jargões adotados por Hartung. Para o ano de 2017, caso a atividade econômica não dê sinais de retomada, o Estado caminha para seguir o exemplo de seus vizinhos.

Levando em consideração um resultado como esse, poder-se-ia falar até no orçamento de Hartung como “peça de ficção” de Hartung. Logo ele, que tanto acusou seu antecessor de trilhar o “descaminho da desorganização”.

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

SOCIOECONÔMICAS
Leonardo Duarte/Secom
Uma coisa só

Enquanto no campo nacional PRB e MDB ainda estão em fase de namoro, no Estado o partido já é um “puxadinho” de Hartung. E tudo começou com Roberto Carneiro...

OPINIÃO
Editorial
MPES omisso
Ministério Público decidiu não participar das audiências de custódia. Um dos prejuízos: denúncias contra tortura, comumente relatada por presos
Piero Ruschi
Pets: uma questão de responsabilidade socioambiental
Felizes as pessoas que podem ter um animal de estimação! Felizes os animais de estimação que têm um dono responsável!
Gustavo Bastos
Para que Filosofia?
''é melhor existir do que o nada''
Bruno Toledo
Por que negar os Direitos Humanos?
Não há nada de novo nesse discurso verde e amarelo que toma as ruas. É a simples manutenção das bases oligárquicas do Brasil
Eliza Bartolozzi Ferreira
Políticas de retrocesso
Dados educacionais do governo Paulo Hartung são alarmantes
Geraldo Hasse
Vampirismo neoliberal
O governo oferece refrescos aos trabalhadores enquanto suga seu sangue
Roberto Junquilho
Quem governa?
Um novo porto na região de Aracruz demonstra que, para as corporações, as minorias não importam
BLOGS
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Uh, Houston, temos um problem
MAIS LIDAS

Sindicato protocola denúncias contra Sesa por contratação de Organizações Sociais

Corrida ao Senado sinaliza mudança na bancada capixaba

Quem governa?

Vampirismo neoliberal

Greve dos professores de Vitória continua por tempo indeterminado