Seculo

 

Idaf diz que monocultura de eucaliptos traz benefícios ambientais


02/02/2017 às 18:51
A afirmação não é novidade. Qualquer cidadão que acompanhe, com pesar, o triste avanço da monocultura de eucalipto sobre todo o território do Espírito Santo, sabe que o Instituto de Defesa Agropecuária e Florestal do Espírito Santo (Idaf) tem sido o bode expiatório de toda uma cultura anacrônica, insustentável e antidemocrática, que permanece entre os gestores públicos do Espírito Santo ainda nos dias de hoje, apesar das maquiagens verdes que se pretende impingir nos discursos, publicidades e justificativas de programas ambientais.

Cabe ao Idaf legitimar toda a devastação ambiental vivida ainda hoje no Espírito Santo. E as justificativas técnicas estão sempre lá, muito bem escritas e embasadas por estudos acadêmicos “idôneos”. 

O documento usado para ilustrar essa triste história da devastação da Mata Atlântica no Espírito Santo é a autorização para planto de 950 hectares de eucaliptos na Fazenda Eldorado II em Montanha/ES.

Um entre tantos, dezenas, centenas que vêm sendo aprovados em todas as instâncias, inclusive pelos conselhos estadual e regionais de Meio Ambiente (Consema e Conremas), onde a sociedade civil, verdadeira, crítica e independente, costuma ter uma cadeira, uma única voz destoante do hino obediente e servil ao capital insustentável dos grandes empreendimentos multinacionais.

Pois nesse laudo, como em tantos outros, a área pretendida, altamente degradada, é alvo de um conjunto de condicionantes que visam recuperar as Áreas de Proteção Permanente (APPs) e Áreas de Reserva Legal (ARL), que trará “benefícios ambientais”, justifcando a aprovação do empreendimento.

Nesta sexta-feira (3), o Consema irá referendar o citado projeto, da Suzano Papel e Celulose S/A, com relação à mudança de local de destinação da compensação ambiental, definida em pouco mais de R$ 132 mil.

O conselheiro José Marques Porto, representante da ONG Associação Nacional dos Amigos do Meio Ambiente (Anama), explica que o projeto já foi licenciado em 2016, com a verba sendo destinada para Cariacica, mas que Montanha requereu e o Consema agora irá se posicionar sobre a transferência.

A Anama foi a única a votar contra a liberação do plantio, na época, tanto na Câmara Técnica de Licenciamento de Grandes Projetos, Acompanhamento de Condicionantes de Licenças Ambientais, Fiscalização e Compensação Ambiental, do Consema, quanto, depois, no Conrema I. “Somos contra o aumento indiscriminado da expansão monocultura eucalipto”, afirma José Marques.

“Não podemos mais licenciar esse tipo de empreendimento. O Espírito Santo já tem mais de 600 mil hectares de eucaliptais. E continua crescendo, não só no noroeste, mas também na região serrana e até no Caparaó!”, reclama o ambientalista.

E assim, de supostos “benefícios ambientais” totalmente descontextualizados da realidade do imenso passivo socioambiental que a silvicultura alimenta no território capixaba, vemos aumentar o poder da Aracruz Celulose (Fibria) e Suzano. Os plantios licenciados de eucaliptos das duas multinacionais já ultrapassam em muito a área total considerada recuperada pelo programa Reflorestar, bola da vez no discurso estatal avesso ao compromisso com a sustentabilidade. 

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

SOCIOECONÔMICAS
Leonardo Duarte/Secom
Uma coisa só

Enquanto no campo nacional PRB e MDB ainda estão em fase de namoro, no Estado o partido já é um “puxadinho” de Hartung. E tudo começou com Roberto Carneiro...

OPINIÃO
Editorial
MPES omisso
Ministério Público decidiu não participar das audiências de custódia. Um dos prejuízos: denúncias contra tortura, comumente relatada por presos
Bruno Toledo
Por que negar os Direitos Humanos?
Não há nada de novo nesse discurso verde e amarelo que toma as ruas. É a simples manutenção das bases oligárquicas do Brasil
Eliza Bartolozzi Ferreira
Políticas de retrocesso
Dados educacionais do governo Paulo Hartung são alarmantes
JR Mignone
Enganosos
Fazendo uma comparação corajosa e dispersa, tanto as eleições do Brasil quanto a Copa do Mundo terão muita surpresas e varias decepções
Geraldo Hasse
Vampirismo neoliberal
O governo oferece refrescos aos trabalhadores enquanto suga seu sangue
Roberto Junquilho
Quem governa?
Um novo porto na região de Aracruz demonstra que, para as corporações, as minorias não importam
BLOGS
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Uh, Houston, temos um problem
MAIS LIDAS

Sindicato protocola denúncias contra Sesa por contratação de Organizações Sociais

Corrida ao Senado sinaliza mudança na bancada capixaba

Quem governa?

Vampirismo neoliberal

Greve dos professores de Vitória continua por tempo indeterminado