Seculo

 

Novos caminhos


04/02/2017 às 18:56

O governador Paulo Hartung já passou por muitos partidos. Do PSB ao PSDB, passando duas vezes pelo PMDB, não é uma liderança partidária, aliás, é um crítico dessa política no Brasil. Prefere trabalhar com os grupos, embora negue. Mas a importância de algumas siglas não é ignorada por ele. Neste contexto surge como nova menina dos olhos do governador, o PDT.

O partido vem se mostrando a maior força auxiliar do grupo político de Hartung e oferece espaços e quadros para o projeto do governador no Estado. Enquanto seu presidente Sérgio Vidigal (PDT) ainda remói a derrota para Audifax Barcelos (Rede) na Serra, Hartung vem trabalhando no fortalecimento do partido dentro de seu grupo, deixando de lado algumas inconveniências.

Na Assembleia, hoje o PDT é um problema. Euclério Sampaio é oposição declarada. Rodrigo Coelho foi para a sigla, enfrentando a ira petista, acreditando na proteção palaciana. Não teve condições de disputar a eleição no sul do Estado e nem de se viabilizar na presidência da Assembleia. Vai disputar a eleição para deputado federal com muita dificuldade. Josias da Vitória foi – pela segunda vez – tirado do jogo pela Mesa Diretora pelo governador.

Mas nem tudo é dificuldade no PDT. De lá vem Roberto Carneiro, um articulador de primeira hora que contribuiu muito para a movimentação de Hartung no sentido de esvaziar a candidatura à reeleição de Theodorico Ferraço (DEM) à presidência da Assembleia e articula dentro do partido uma manobra para endurecer na Câmara de Vitória, o enfrentamento ao prefeito Luciano Rezende (PPS).

Depois da negativa de filiação ao PSDB e com a possibilidade de ele ficar sozinho no PMDB com Rose de Freitas, o governador busca uma acomodação em outro partido. O PDT é o segundo maior partido do Estado, o campeão em número de vereadores em 2016, tem muitos aliados de Hartung, e pode ser uma excelente opção.

Mas o governador ainda tem muito tempo para pensar onde vai se acomodar. É bom ele saber, porém, que o PDT é uma força auxiliar sempre à mão e em condições de oferecer seu poder de fogo aos projetos de poder de Hartung, sem cobrar muito caro por isso.

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

SOCIOECONÔMICAS
Choque

Como diz o ditado, dois bicudos não se beijam. É isso mesmo, Fabrício Gandini?

OPINIÃO
Editorial
Política de encarceramento
Não adianta construir novos presídios. É preciso investir em políticas públicas que sejam capazes de prevenir a criminalidade
Renata Oliveira
Fica, gente!
Hartung tem se esforçado para manter ao seu lado os três grandes partidos do Estado: PT, PSDB e PDT
Ivana Medeiros Zon
Mude de vida
Pensar na influência do comportamento e dos hábitos individuais, incluindo os de consumo, vai muito além do que podemos imaginar.
JR Mignone
A volta da reza
Em 2013 escrevi sobre o ''Poder da Reza''. Hoje volto com ela, pois rezar, orar, falar com Deus, meditar, seja como for, nunca é demais
Caetano Roque
Briga desleal
Com a mídia na mão, o capital consegue fazer com que o cidadão acredite nas mentiras que eles querem
BLOGS
Blog do Phil

Phil Palma

pelas beiras!
Flânerie

Manuela Neves

Carmélia, um pouco mais dela
Panorama Atual

Roberto Junquilho

Deputado vai propor CPI para apurar crime da Samarco
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Entre sustos e suspresas
Gustavo Bastos
Blog destinado à divulgação de poesia, conteúdos literários, artigos e conhecimentos em geral.
MAIS LIDAS

Choque

Centrais sindicais convocam greve geral para 28 de abril

Ferraço afirma que contrato de antecipação de royalties foi 'malfeito'

Política de encarceramento

Dúvida sobre relator do Caso Alexandre pode adiar julgamento de recurso no TJES