Seculo

 

Do céu ao inferno


08/02/2017 às 02:12
Até outro dia, o governador Paulo Hartung e seu Espírito Santo estavam na crista da onda. O investimento vultoso numa das melhores assessorias de comunicação do País, transformou o Estado em modelo de excelência. O segredo estrondoso do sucesso: o pacote de ajuste fiscal do peemedebista, que foi posto em prática no primeiro dia do seu terceiro mandato, em 2015. 
 
A “mágica” de Hartung para manter as contas do Espírito Santo no azul, enquanto a maioria dos colegas governadores mal conseguia pagar os salários do funcionalismo em dia, não escondia nenhum truque espetacular. O governador capixaba simplesmente fez um corte linear geral, cancelou investimentos e paralisou obras. Ao pisar fundo no freio dos gastos, o cobertor da área social, que sempre foi curto em seus governos, praticamente desapareceu. 
 
A Segurança Pública foi uma das áreas que sentiram a lâmina afiada da guilhotina dos gastos. Para quem já se esqueceu, uma das primeiras polêmicas do início do governo Hartung foi o corte de combustíveis das viaturas das polícias Civil e Militar. Com combustível racionado, as escalas de patrulhamento foram reduzidas. 
 
À época, o secretário de Segurança André Garcia prontamente rebateu as críticas, alegando que estava apenas fazendo um racionamento de gastos, que não traria prejuízo algum ao patrulhamento ostensivo e ao atendimento de ocorrências. Na prática, porém, a população notava a redução do policiamento. 
 
Antes que a polêmica ganhasse força, o governo passou a comemorar os resultados na segurança. Gráficos bem ilustrados no Power Point apontavam a queda nos índices de homicídios. Os dados positivos sepultaram os questionamentos e ainda serviam para dar suporte a mais uma espetacular campanha de marketing do governo, enaltecendo que o Espírito Santo conseguiu a maior redução de homicídios dos últimos 20 anos. Os números da Segurança caíam na mesma velocidade que as perdas salariais dos policiais, que começaram a se sentir usados pelo governo.
 
Outros que também não estavam nada satisfeitos eram os servidores públicos, que pleiteavam reposição e reajustes salariais. Com estratégia muito bem planejada, lançaram a campanha “Abraça o Paulo”, uma crítica ao personagem criado pelos marqueteiros de campanha do então candidato ao governo. Os estrategistas políticos queriam humanizar a imagem de Hartung, tentando convencer o povão que ele era de carne e osso. 
 
Apesar dos protestos dos servidores serem todos pacíficos, criativos e organizados, acabaram perdendo força ante a política econômica do governador, que já começava a cair nas graças dos analistas econômicos e jornalistas dos principais veículos de comunicação do País.
 
Em 2016, Hartung já era apontado como “queridinho do mercado”. O governador que fez o dever de casa com nota dez e louvor e estava mostrando ao Brasil que o pequenino Espírito Santo poderia ser a solução para a crise econômica que afetava a maioria dos estados. Numa entrevista em janeiro deste ano, quando ele ainda desfrutava do reconhecimento do seu modelo de ajuste fiscal, chegou a admitir que o Estado nunca alcançara projeção nacional tão espetacular, fazendo referência à ampla exposição das ações de seu governo mídia nacional. 
 
Talvez naquele momento, quando acelerou o voo pensando em pousar  no PSDB, Hartung já tenha percebido que a onda de sucesso estava perdendo força. Sinal dessa desaceleração, foi que os tucanos acabaram fechando a porta para o governador, que tinha convicção que acumulara um retrospecto positivo nos últimos dois anos capaz de lançá-lo por cima no ninho tucano. Ledo engano.
 
Foi exatamente a partir desse episódio que a montanha russa do governador começou a descer. Todo trabalho de promoção nacional de imagem arduamente construído em dois longos anos, num trabalho de comunicação impecável, ruiu em 72 horas. Nesse período, o Espírito Santo de Hartung deixou de ser o modelo de excelência do País para se tornar o Estado do medo, o rascunho do inferno. Mas o observador mais absorto irá perguntar: ora, mas como é possível ir do céu ao inferno tão rápido? 
 
Uma hora a conta chega. Avesso ao diálogo, Hartung pagou pela soberba, pela intransigência. Agora que a água já passou do pescoço, o governo jura de pés juntos que sempre foi afeito ao diálogo. Mostrou-se espantando quando os policiais militares se queixaram que este governo é avesso ao diálogo. O secretário André Garcia chegou a dizer que essa era uma acusação mentirosa. Então todas as outras categorias do Estado que reclamam da falta de interlocução com o governo estão mentindo?
 
Basta olhar para seus dois mandatos anteriores para relembrar que Hartung nunca foi simpático ao diálogo. Não é de hoje que os policiais militares (e também os civis) batem na porta do governo em busca de diálogo. Afinal, são sete anos sem reposição salarial e outros três sem reajuste. 
 
Esses dias de caos têm mostrado à sociedade capixaba que a polícia é imprescindível para manter a ordem pública. O policial merece ter uma remuneração à altura de sua importância? Claro, assim como o professor, o médico e tantos outros servidores que integram o setor público. 
 
Que o pleito é justo, parece que quase todo mundo concorda. Mas não dá para concordar que a sociedade fique refém, desamparada, abandonada à própria sorte, enquanto policiais e governo esticam a corda para ver quem a solta primeiro. 
 
Nessa queda de braço insana, a grande vítima é a população. É preciso pôr os pingos nos is para esclarecer que o governo do Estado, na figura da sua autoridade máxima, o governador Paulo Hartung, e os policiais militares, são corresponsáveis pelos 75 corpos que jazem no Departamento Médico Legal (DML), alguns pelo chão, assim como pelos crimes contra o patrimônio que explodiram nos últimos quatro dias. Sem contar os efeitos psicológicos do pânico que se instalou no Estado e condenou a sociedade à prisão domiciliar. 
 
Governo e polícia precisam parar de olhar para o próprio umbigo e pensar um pouco na população. Já basta!

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

SOCIOECONÔMICAS
Choque

Como diz o ditado, dois bicudos não se beijam. É isso mesmo, Fabrício Gandini?

OPINIÃO
Editorial
Política de encarceramento
Não adianta construir novos presídios. É preciso investir em políticas públicas que sejam capazes de prevenir a criminalidade
Renata Oliveira
Fica, gente!
Hartung tem se esforçado para manter ao seu lado os três grandes partidos do Estado: PT, PSDB e PDT
Ivana Medeiros Zon
Mude de vida
Pensar na influência do comportamento e dos hábitos individuais, incluindo os de consumo, vai muito além do que podemos imaginar.
JR Mignone
A volta da reza
Em 2013 escrevi sobre o ''Poder da Reza''. Hoje volto com ela, pois rezar, orar, falar com Deus, meditar, seja como for, nunca é demais
Caetano Roque
Briga desleal
Com a mídia na mão, o capital consegue fazer com que o cidadão acredite nas mentiras que eles querem
BLOGS
Blog do Phil

Phil Palma

pelas beiras!
Flânerie

Manuela Neves

Carmélia, um pouco mais dela
Panorama Atual

Roberto Junquilho

Deputado vai propor CPI para apurar crime da Samarco
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Entre sustos e suspresas
Gustavo Bastos
Blog destinado à divulgação de poesia, conteúdos literários, artigos e conhecimentos em geral.
MAIS LIDAS

Choque

Centrais sindicais convocam greve geral para 28 de abril

Ferraço afirma que contrato de antecipação de royalties foi 'malfeito'

Política de encarceramento

Dúvida sobre relator do Caso Alexandre pode adiar julgamento de recurso no TJES