Seculo

 

Guerra de nervos


11/02/2017 às 17:09

Informação, contra-informação, chantagem de um lado e de outro, a crise na segurança pública está sendo tratada como se fosse realmente uma guerra. Não é difícil, no movimento político, observar como o governador Paulo Hartung (PMDB) chama as lideranças para o jogo e estabelece um difícil e misterioso jogo de xadrez.

Uma a uma, as lideranças sentam à mesa e acabam sendo engolidas pelas jogada do governador. Até mesmo o ex-governador Renato Casagrande (PSB), que acreditou ter feito uma jogada de mestre ao conseguir um acordo que obrigou o PMDB, e consequentemente Hartung, a apoiá-lo em 2010, na disputa de 2016, tomou um xeque-mate.

A crise na segurança causou um sério estrago à imagem ilibada do governador Paulo Hartung. Mas nunca é prudente decretar sua morte política. Ele tem a capacidade de reverter situações inimagináveis a seu favor. Isso tem se repetido ao longo dos últimos anos. Em nível nacional, Hartung já vem conseguindo se transformar em vítima da situação separando os vilões (a PM) dos mocinhos (o governo), que lutam para salvar a população da "chantagem" impostas pelos motinados.

Seu “ajuste fiscal” tem sido defendido pelos formadores de opinião aliados. Se antes a imprensa corporativa se limitava ao Espírito Santo, agora parece estar ampliada nacionalmente. Isso garantiu tranquilidade nos oito anos de Hartung no Estado e deve amenizar a crise em nível nacional.

Até porque ninguém questiona o fato de Hartung ter comemorado tanto o "superavitizinho" de R$ 40 milhões e agora repetir que não pode dar aumento porque o Estado está em crise. A situação é grave, mas, mesmo assim Hartung já achou um jeito de minimizar estragos. Coloca sua tropa de choque para fazer apelo emocionado pelo retorno dos policiais, ameaça punições pesadas aos policiais e mais uma vez se fecha para a negociação.

Todo mundo conhece a prática de não criar gastos permanentes do governador, fez isso nos seus dois governo anteriores, transformou os vencimentos em subsídios para dar volume aos valores e não recebe servidor para negociar. Pode vir a pagar o preço por isso, mas, enquanto tiver aparelhos midiáticos para reverter a o prejuízo em ganho, seguirá sobrevivendo.

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

SOCIOECONÔMICAS
Choque

Como diz o ditado, dois bicudos não se beijam. É isso mesmo, Fabrício Gandini?

OPINIÃO
Editorial
Política de encarceramento
Não adianta construir novos presídios. É preciso investir em políticas públicas que sejam capazes de prevenir a criminalidade
Renata Oliveira
Fica, gente!
Hartung tem se esforçado para manter ao seu lado os três grandes partidos do Estado: PT, PSDB e PDT
Ivana Medeiros Zon
Mude de vida
Pensar na influência do comportamento e dos hábitos individuais, incluindo os de consumo, vai muito além do que podemos imaginar.
JR Mignone
A volta da reza
Em 2013 escrevi sobre o ''Poder da Reza''. Hoje volto com ela, pois rezar, orar, falar com Deus, meditar, seja como for, nunca é demais
Caetano Roque
Briga desleal
Com a mídia na mão, o capital consegue fazer com que o cidadão acredite nas mentiras que eles querem
BLOGS
Blog do Phil

Phil Palma

pelas beiras!
Flânerie

Manuela Neves

Carmélia, um pouco mais dela
Panorama Atual

Roberto Junquilho

Deputado vai propor CPI para apurar crime da Samarco
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Entre sustos e suspresas
Gustavo Bastos
Blog destinado à divulgação de poesia, conteúdos literários, artigos e conhecimentos em geral.
MAIS LIDAS

Choque

Centrais sindicais convocam greve geral para 28 de abril

Ferraço afirma que contrato de antecipação de royalties foi 'malfeito'

Política de encarceramento

Dúvida sobre relator do Caso Alexandre pode adiar julgamento de recurso no TJES