Seculo

 

Deputados pedem retratação ao Executivo por criticar iniciativa da Assembleia em mediar crise na segurança


13/02/2017 às 17:05

No retorno às atividades na Assembleia Legislativa, nesta segunda-feira (13), não faltaram discursos sobre a grave crise na segurança pública do Espírito Santo e críticas à atitude do governo do Estado no debate. Um grupo de deputados abriu o debate cobrando respeito pelo Legislativo estadual.

O deputado Euclério Sampaio (PDT) foi quem puxou o debate. Ele afirmou que o governo tenta jogar a incompetência na mediação do tema na Assembleia e que o governo foi infeliz ao dizer que houve "reuniões às escondidas" na Assembleia.

O discurso mais esperado era o do deputado Josias Da Vitória (PDT), que foi alvo de ataques nas redes sociais por causa do movimento dos policiais. O deputado também fez um duro discurso direcionado ao Executivo. Ele lembrou que a situação da Polícia Militar já vinha sendo conversada com o governo. Que no ano passado, em reunião da Comissão de Segurança da Assembleia, com a presença do secretário de Segurança André Garcia, o assunto foi debatido.

“Não venha me acusar de oportunismo ou leniência. Oportunista é quem quer jogar a culpa para a Assembleia”, disse Da Vitória, que provocou dizendo: "Quiseram esticar a corda. Deveriam dar menos atenção à publicidade”.

Sobre acusação de que a Casa e os deputados estavam fazendo reuniões às escondidas, disse que se reuniu com o governador em exercício César Colnago (PSDB). Que ligou várias vezes para o secretário da Casa Civil Zé Carlinhos da Fonseca Júnior, e da Segurança, André Garcia, mas que não foi atendido. Da Vitória disse ainda que houve encontro, sim, na Associação de Cabos e Soldados, assim como a senadora Rose de Freitas (PMDB) que recebeu as mulheres do movimento ao lado do prefeito de São Mateus, Daniel da Açaí (PSDB) e que nenhum desses encontros foi às escondidas. Ele ainda questionou o direito de parlamentar de se reunir com os grupos que desejar.

O deputado Sérgio Majeski (PSDB) saiu em defesa da iniciativa da Assembleia de buscar uma mediação do conflito. Ele lembrou que a reunião dos deputados com as mulheres dos militares, que aconteceu na teça-feira (7) teve a participação de 21 deputados estaduais, e aconteceu na presidência da Casa, com a presença da imprensa.

Além disso, reagiu o deputado, faz parte de sua atribuição a reunião com a sociedade e que o governo do Estado não tem a prerrogativa de dizer com quem os deputados podem conversar ou não. “Isso aqui é um Poder. O governo quer encontrar um bode expiatório para justificar sua incompetência”, disparou Majeski.

O segundo secretário da Mesa Diretora, Enivaldo dos Anjos (PSD), disse que não ficou explícito que a fala do governador Paulo Hartung foi dirigida à Assembleia. A fala de Enivaldo, foi discutida pelo deputado Freitas (PSB), que pediu que isso seja posto em pratos limpos, já que “a sociedade não está entendo com a mesma clareza que o deputado Enivaldo”, disse.

Freitas, assim como outros deputados do interior do Estado, cobrou a distribuição mais igualitárias das Forças Nacionais, que estariam mais concentradas na Grande Vitória. O deputado Padre Honório (PT) falou da falta de policiamento em Nova Venécia e que não conseguiu contato com a cúpula do governo para buscar apoio. No fim de semana, uma mãe levou o caixão do filho para a porta do batalhão do município.




 

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

Espelho democrático

PH, com certeza, vai jogar pra frente dúvida sobre candidatura à reeleição. Mas não o vejo fora da disputa e sem mandato

OPINIÃO
Editorial
MPES omisso
Ministério Público decidiu não participar das audiências de custódia. Um dos prejuízos: denúncias contra tortura, comumente relatada por presos
JR Mignone
O voto facultativo
Atual insatisfação com a política seria uma chance para começar a estudar a implantação do voto facultativo?
BLOGS
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Para, relógio
MAIS LIDAS

Extermínio da juventude negra será tema de jornada de luta no mês da abolição

Presidenciável do PRB articula construção de palanque eleitoral no Estado

Sindicato dos Médicos e CRM encontram cenário caótico em hospitais do norte e noroeste

Processo de nepotismo contra Sérgio Vidigal vai a julgamento nesta terça-feira no TJES

Um filme sobre o extermínio da juventude negra