Seculo

 

Responsabilidade fiscal de Hartung compromete a responsabilidade social


15/02/2017 às 12:34

O prometido paraíso fiscal levou o Espírito Santo a viver dias de inferno social. A avaliação é do colunista da Folha de S. Paulo, Elio Gaspari. Ele aponta que o excesso de zelo do governador  Paulo Hartung (PMDB) em cumprir a lei de responsabilidade fiscal mostra a necessidade de se criar uma “lei de responsabilidade social”.

Para Gaspari, se fosse criada a tal lei, os governadores seriam punidos quando criassem situações caóticas, como a vivida nos últimos dias no Espírito Santo. Sem a polícia na rua, a criminalidade explodiu, deixando a população presa em casa por mais de uma semana, tirando os ônibus de circulação e causando um prejuízo gigantesco para a economia capixaba, que deve chegar a R$ 500 milhões. Além dos assaltos ao comércio, por exemplo, o cancelamento da Vitória Stone Fair.

O governador foca sua gestão na economia, mas ela também depende do equilíbrio social. Desde o início da crise, o governo tem sustentado o discurso de que não tem como atender a demanda da categoria por causa da Lei de Responsabilidade Fiscal.

Caso atenda os interesses da Polícia Militar, pode ter de enfrentar uma bola de neve no funcionalismo público, o que colocaria em risco a imagem que ele vem vendendo para o Brasil de que o Estado tem sido um exemplo de gestão. Hartung vem repetindo que o Estado tem pagado os salários em dia, aproveitado a crise financeira que tem se instalado nas regiões vizinhas.

Ao pedir auxílio da Força Nacional de Segurança e do Exército, segundo Gaspari, o governador usou de um expediente comum dos gestores, que depois de esticar muito a corda, encontram-se encurralados pela crise que eles mesmos criaram. No governo do Estado há dez anos, como destaca o colunista, Hartung trabalhou duro pelo saneamento fiscal, mas cometeu o mesmo erro de outros governantes Brasil afora que não souberam entender as demandas sociais.

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

SOCIOECONÔMICAS
Mesa aberta

Majeski não deve definir, por ora, seu destino partidário. Mas já tem duas certezas: não fica no PSDB, nem aceita compor numa vice

SOCIOECONÔMICAS
Rabiscos eleitorais

Articuladores já fazem suas contas de 2018. Entre os deputados considerados reeleitos, está quase toda bancada do PMDB, incluindo Erick Musso. Mas, antes, terá que colocar um ''bonde'' pra correr

OPINIÃO
Editorial
À oposição, o respeito!
Seja manifestando uma simples opinião ou criticando medidas do próprio legislativo ou do governo, falou em Sergio Majeski, o tiroteio é garantido
Piero Ruschi
Carta de aniversário ao papai
‘Venho lhe desejar um feliz aniversário de 102 anos, o mais feliz possível, diante de todas mazelas que atormentam o Museu que o senhor criou e o meio ambiente que tanto defendeu
Gustavo Bastos
Destino e acaso
''Quanto ao cético do acaso, ele chama destino de delírio e acaso de nada''
Geraldo Hasse
Em defesa da soberania
Manifesto combate o entreguismo, filho dileto do colonialismo neoliberal
Roberto Junquilho
Os pequenos se movem
Para garantir verba do fundo partidário, siglas como o PCdoB têm que apresentar chapa majoritária em 2018. E, no Estado, como fica?
BLOGS
Flânerie

Manuela Neves

Quem me ensinou a nadar
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Quem quer dinheiro?
Gustavo Bastos
Blog destinado à divulgação de poesia, conteúdos literários, artigos e conhecimentos em geral.
MAIS LIDAS

Hartung reforça interesse em projeto nacional nas eleições de 2018

Manifesto denuncia ameaças a lideranças mobilizadas contra agrotóxicos em Boa Esperança

Fundação Renova é multada e Samarco/Vale-BHP vira alvo de mais uma ação civil pública

Morre Chico Flores

Trabalhadores encerram Greve em Brasília e Jejum nos estados