Seculo

 

CNJ proíbe corte dos vencimentos em cargos comissionados no TJES


15/02/2017 às 13:14
O Conselho Nacional de Justiça (CNJ) ratificou, na sessão dessa terça-feira (14), a decisão liminar que impede o corte nos vencimentos em cargos comissionados no Tribunal de Justiça do Estado (TJES). Para o órgão de controle, a medida de ajuste fiscal viola o princípio da irredutibilidade de vencimentos. No entanto, o Conselho admitiu outras medidas para corte de despesas com pessoal, como a demissão de servidores comissionados e até a exoneração de servidores não estáveis.

De acordo com informações do CNJ, a liminar foi deferida no procedimento de controle administrativo (0005581-64.2016.2.00.0000), movida por um ocupante de cargo comissionado contra os efeitos da Resolução nº 12/2016 do TJES, que autorizava o desconto de 20% nos vencimentos e na parcela equivalente do 13º salário dos ocupantes de cargos em comissão.

O relator do caso, conselheiro Gustavo Alkmim, negou inicialmente o pedido de suspensão da medida, mas acabou reconsiderando a decisão, devido à natureza alimentar do pedido. No julgamento pela ratificação da liminar, ele lembrou que, ao julgar a constitucionalidade da Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF), o Supremo Tribunal Federal (STF) negou a possibilidade de redução dos vencimentos para cumprimento da lei, com base no princípio constitucional da irredutibilidade de vencimentos.

Segundo ele, o tribunal também não pode diminuir a carga horária dos servidores e seus vencimentos na mesma proporção, mas pode cortar as despesas com cargos em comissão e funções de confiança e exonerar servidores não estáveis, conforme decisão do STF. “É possível reduzir as despesas com os cargos de comissão, mas não reduzir os valores atribuídos a esses mesmos cargos”, afirma o relator, em seu voto. A liminar é válida até o julgamento de mérito do procedimento.

A medida, segundo o tribunal capixaba, foi tomada após a adoção de outras medidas saneadoras, como a suspensão da designação de servidores para a ocupação de funções gratificadas, a vedação de contratação de horas extras para magistrados e servidores, suspensão no pagamento de gratificação em razão de plantão judiciário e a adoção de um programa de aposentadoria incentivada para magistrados e servidores. Na época da edição do ato, o índice de gastos era de 6,18% da Receita Corrente Líquida (RCL) do Estado, sendo que o limite legal é de 6% (hoje o índice está em 6,07%).

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

SOCIOECONÔMICAS
Choque

Como diz o ditado, dois bicudos não se beijam. É isso mesmo, Fabrício Gandini?

OPINIÃO
Renata Oliveira
Carona perigosa
Hartung fez evento no mesmo dia da eleição da Amunes para atrair prefeitos, mas ausências ganharam mais destaque
Ivana Medeiros Zon
Mude de vida
Pensar na influência do comportamento e dos hábitos individuais, incluindo os de consumo, vai muito além do que podemos imaginar.
Nerter Samora
Pauta bomba
Fim da anistia a benefícios irregulares pode vingar rasteira dada em Ferraço por Hartung
JR Mignone
A volta da reza
Em 2013 escrevi sobre o ''Poder da Reza''. Hoje volto com ela, pois rezar, orar, falar com Deus, meditar, seja como for, nunca é demais
Caetano Roque
Briga desleal
Com a mídia na mão, o capital consegue fazer com que o cidadão acredite nas mentiras que eles querem
BLOGS
Blog do Phil

Phil Palma

pelas beiras!
Flânerie

Manuela Neves

Carmélia, um pouco mais dela
Panorama Atual

Roberto Junquilho

Deputado vai propor CPI para apurar crime da Samarco
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Entre sustos e suspresas
Gustavo Bastos
Blog destinado à divulgação de poesia, conteúdos literários, artigos e conhecimentos em geral.
MAIS LIDAS

Hartung muda discurso e atuação política depois da crise na segurança

Ferraço afirma que contrato de antecipação de royalties foi 'malfeito'

Presos do semiaberto vão trabalhar em obras e serviços públicos da Prefeitura de Colatina

Dúvida sobre relator do Caso Alexandre pode adiar julgamento de recurso no TJES

Da Vitória faz discurso apaziguador, mas mantém posição independente na Assembleia