Seculo

 

Entidade quer suspender lei capixaba que muda pagamento de precatórios


15/02/2017 às 13:30
A Confederação dos Servidores Públicos do Brasil (CSPB) protocolou uma ação direta de inconstitucionalidade (ADI 5651) no Supremo Tribunal Federal (STF) contra normas do Estado do Espírito Santo que permitem a realização de acordos em sede de execução judicial e precatórios. Para a entidade, os dispositivos da Lei Estadual 10.475/2015 e do Decreto Estadual 3.925-R, que a regulamentou, violam o princípio constitucional de respeito à ordem cronológica nos pagamentos.

“O alcance que foi conferido pelo legislador à norma acabou por afrontar diversos preceitos constitucionais, trazendo claro prejuízo aos credores de precatórios que aguardam há anos na fila de quitação dos seus créditos”, apontou a CSPB, mencionando o fato das normas ignorarem a preferência concedida aos créditos de natureza alimentícia. Segundo a entidade, as regras da lei estadual excluem da conciliação os precatórios quando ainda pendentes de decisão judicial acerca da inexigibilidade total ou parcial do crédito.

A ação defende ainda a inconstitucionalidade dos dispositivos que instituem “leilão reverso” para o pagamento de dívidas da Fazenda Pública. Quanto a essa parte, a CSPB lembra que tal modalidade foi criada a partir da Emenda Constitucional 62/2009, que instituiu o regime especial de precatórios, mas o Plenário do STF, ao julgar as ADIs 4357 e 4425, declarou a emenda parcialmente inconstitucional, considerando válidas somente as compensações, leilões e pagamentos à vista realizados até 25 de março de 2015. “A partir dessa data não seria possível a quitação de precatórios por tais modalidades”, diz a peça.

A ADI questiona também o dispositivo que retira do Tribunal de Justiça do Estado (TJES) a competência para gerir a conta judicial em que são depositados os valores arrecadados pelo regime de precatórios instituído pela Emenda 62. Diante dos argumentos, a Confederação pede a concessão de medida cautelar para suspender a eficácia dos dispositivos atacados e, no mérito, a declaração de sua inconstitucionalidade. O relator do processo será o ministro Luiz Fux.

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

Espelho democrático

PH, com certeza, vai jogar pra frente dúvida sobre candidatura à reeleição. Mas não o vejo fora da disputa e sem mandato

OPINIÃO
Editorial
MPES omisso
Ministério Público decidiu não participar das audiências de custódia. Um dos prejuízos: denúncias contra tortura, comumente relatada por presos
JR Mignone
O voto facultativo
Atual insatisfação com a política seria uma chance para começar a estudar a implantação do voto facultativo?
BLOGS
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Para, relógio
MAIS LIDAS

Extermínio da juventude negra será tema de jornada de luta no mês da abolição

Presidenciável do PRB articula construção de palanque eleitoral no Estado

Sindicato dos Médicos e CRM encontram cenário caótico em hospitais do norte e noroeste

Processo de nepotismo contra Sérgio Vidigal vai a julgamento nesta terça-feira no TJES

Um filme sobre o extermínio da juventude negra