Seculo

 

Explosão de homicídios não é novidade nos governos de Hartung


15/02/2017 às 18:09
A explosão no número de homicídios no mês de fevereiro, por causa da paralisação no policiamento ostensivo há 12 dias pelo movimento dos familiares dos policiais militares, expõe uma realidade que o Estado vivia até bem pouco tempo. No penúltimo ano (2009) do segundo mandato do governador Paulo Hartung (PMDB), com Rodney Miranda à frente da Segurança e André Garcia como sub-secretário, o Estado bateu, naquele mês de fevereiro, com a PM nas ruas, o recorde histórico de homicídios no mesmo mês: 210. 

Do dia 4 de fevereiro, primeiro dia da greve da PM, até esta terça-feira (14) foram registrados 145 homicídios no Estado, o que representa uma média de mais de 12 aasassinatos por dia desde o início da crise na segurança, ou seja, números de guerra civil. A média sangrenta de fevereiro de 2009 foi de sete homicídios/dia, dois a mais do que os cinco registrados nessa segunda-feira (13).

Estas mortes violentas ocorrem, geralmente, nas regiões periféricas e em municípios que já têm um histórico de violência, que foi exacerbada pela falta do policiamento. Esse mesmo governo já conviveu com índices mais altos de homicídio, atingindo números alarmantes, e com a mesma equipe. Naquele mesmo ano, 2009, o Estado também chegou ao número recorde de 2034 assassinatos em um ano.

Os locais em que os homicídios ocorrem também mostra que a violência permanece nas áreas que historicamente são mais violentas. As mortes durante a crise na segurança ocorreram em maior número em municípios que já lideram os rankings de homicídios – Serra, Vila Velha, Cariacica e Vitória – além de São Mateus e Linhares, no norte do Estado; Colatina e Nova Venécia, no noroeste.

A queda na velocidade dos homicídios aconteceu quando o policiamento voltou, mesmo que precariamente.

O ponto fora da curva dessa onda de homicídios, que vai mexer com as estatísticas do Estado, é Cachoeiro de Itapemirim, no sul do Estado. O município foi pioneiro na implementação da Guarda Municipal e conseguiu reduzir os homicídios em um tempo em que eles estavam em ascensão em todo o Estado. Mesmo sendo um município populoso, próximo ao Rio de Janeiro, Cachoeiro mantém índices muito abaixo do que preconiza a Organização Mundial de Saúde (OMS).

Nesta crise de segurança, o município não registrou um homicídio sequer, embora tenha feito manchetes por conta dos saques ocorridos no Centro da cidade. O reforço do Exército e da Força Nacional de Segurança (FNS) chegou tardiamente ao município, depois de muitos pedidos, e, ainda assim, não houve violência letal.

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

SOCIOECONÔMICAS
'Tapa na cara'

Na semana do Dia do Professor, os homenageados da Assembleia: Hartung, Haroldo Rocha e a vitrine Escola Viva. É mole ou quer mais?

OPINIÃO
Editorial
Ajuste fiscal, a 'isca' do negócio
Hartung tem feito publicidade nacional para mostrar que o ES é o novo paraíso para investidores. Esconde, porém, os problemas internos, que não são poucos
Renata Oliveira
Hartung fica?
O tempo passa e nada de Hartung deixar o PMDB. Já tem gente apostando que ele não sai do partido
JR Mignone
Meio a meio
Seria esta a solução para ter uma programação de rádio com a participação de emissora de fora?
Geraldo Hasse
Está começando o ano 2018
Tudo indica que o único evento positivo do próximo ano será a Copa do Mundo
Caetano Roque
Sindicalismo unilateral
O processo de debate no movimento sindical deve ser participativo, mas não é isso que vem acontecendo no país
BLOGS
Flânerie

Manuela Neves

Quem me ensinou a nadar
Panorama Atual

Roberto Junquilho

Este blog fica por aqui
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Algo de novo no ar
Gustavo Bastos
Blog destinado à divulgação de poesia, conteúdos literários, artigos e conhecimentos em geral.
MAIS LIDAS

'Tapa na cara'

Está começando o ano 2018

Ricardo Ferraço tenta construir imagem de ficha limpa e prega tolerância zero à corrupção

Mais veneno para o Espírito Santo

Ajuste fiscal, a 'isca' do negócio