Seculo

 

MPF ratifica testemunhas no processo sobre grilagem de terras pela Aracruz Celulose


15/02/2017 às 18:20
Devido ao recesso do Judiciário e à interrupção dos trabalhos em função da "greve branca" da Polícia Militar do Espirito Santo, ainda corre o prazo de 15 dias dado pelo juiz Nivaldo Luiz Dias em 13 de dezembro de 2016, para que os réus e os autores apresentem as testemunhas que irão depor na audiência a ser marcada este ano sobre o caso, que trata da grilagem de terras pela Aracruz Celulose (Fibria).

O Ministério Público Federal (MPF), autor da Ação Civil Pública (nº 0000693-61.2013.4.02.5003), já ratificou as testemunhas listadas no ano passado. Os réus Aracruz Celulose (Fibria), Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) e governo estadual ainda não cumpriram, porém, a determinação. Segundo informações da assessoria de comunicação da Justiça Federal no Estado, os réus têm até o início de março para fazê-lo.

Em paralelo, tramita no Tribunal Regional Federal da Segunda Região, no Rio de Janeiro, (TRF2), um recurso do MPF (nº 0000684-68.2016.4.02.0000) pedindo a inversão do ônus da prova, ou seja, que os réus provem sua inocência, ao invés do autor, o MPF, levantar as provas sobre sua culpa. O prazo para as respostas da Procuradoria Geral do Estado (PGE) e do BNDES é de trinta dias, a contar a partir do dia 19 de janeiro.  

A ACP sobre grilagem de terras pela Aracruz Celulose, com participação do governo estadual e do BNDES, foi impetrada pelo MPF em 2013, a partir de dados levantados por uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) instalada em 2002 pela Assembleia Legislativa, que foi encerrada sem relatório final por uma decisão da Justiça. As investigações descobriram o esquema de fraudes para apropriação de terras pela empresa, que utiliza funcionários seus como “laranjas”: eles se apresentam como agricultores que preenchiam os requisitos necessários, obtinham os títulos das terras e os transferiam, dias ou semanas depois, para a empresa.

O objetivo da ação é anular os títulos de domínio de terras devolutas concedidas pelo governo à Aracruz Celulose (Fibria), visto que o processo foi ilegal, titulando essas áreas em favor das comunidades quilombolas de Conceição da Barra e São Mateus, donos das terras.

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

SOCIOECONÔMICAS
Rabiscos eleitorais

Articuladores já fazem suas contas de 2018. Entre os deputados considerados reeleitos, está quase toda bancada do PMDB, incluindo Erick Musso. Mas, antes, terá que colocar um ''bonde'' pra correr

OPINIÃO
Editorial
À oposição, o respeito!
Seja manifestando uma simples opinião ou criticando medidas do próprio legislativo ou do governo, falou em Sergio Majeski, o tiroteio é garantido
Piero Ruschi
Carta de aniversário ao papai
‘Venho lhe desejar um feliz aniversário de 102 anos, o mais feliz possível, diante de todas mazelas que atormentam o Museu que o senhor criou e o meio ambiente que tanto defendeu
Gustavo Bastos
Destino e acaso
''Quanto ao cético do acaso, ele chama destino de delírio e acaso de nada''
Geraldo Hasse
Em defesa da soberania
Manifesto combate o entreguismo, filho dileto do colonialismo neoliberal
Roberto Junquilho
Os pequenos se movem
Para garantir verba do fundo partidário, siglas como o PCdoB têm que apresentar chapa majoritária em 2018. E, no Estado, como fica?
BLOGS
Flânerie

Manuela Neves

Quem me ensinou a nadar
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Quem quer dinheiro?
Gustavo Bastos
Blog destinado à divulgação de poesia, conteúdos literários, artigos e conhecimentos em geral.
MAIS LIDAS

Hartung reforça interesse em projeto nacional nas eleições de 2018

Manifesto denuncia ameaças a lideranças mobilizadas contra agrotóxicos em Boa Esperança

Fundação Renova é multada e Samarco/Vale-BHP vira alvo de mais uma ação civil pública

Morre Chico Flores

Trabalhadores encerram Greve em Brasília e Jejum nos estados