Seculo

 

E viva o carnaval


16/02/2017 às 14:16

Para parte da população, manter a agenda do fim de semana, com o desfile das escolas de samba do Estado é uma temeridade. Em meio a uma crise sem precedentes na segurança pública do Estado, com a Força Nacional e as Forças Armadas fazendo o policiamento ostensivo e a Polícia Militar ainda em greve, um evento desse porte é um risco.

Mas para o governo do Estado, que já está no tudo ou nada faz tempo, a realização do Carnaval é uma tentativa de mostrar para a população, e principalmente, para fora do Espírito Santo, que a situação está sob controle. A realização do evento pode trazer de volta a sensação de normalidade, que o capixaba ainda não encontrou.

O evento tende a ser um símbolo do retorno da normalidade do Estado, o que vai servir de subterfúgio para o governo enraizar seu discurso de controle da situação e apagar os focos de incêndio político, que ameaçam a estabilidade do governo como um todo.

Se obtiver êxito neste tento, vai poder continuar sua estratégia de sufocamento do movimento da Polícia Militar, de uma forma mais discreta, tirando das manchetes dos jornais a crise que vem trazendo acúmulo de desgaste para o governador Paulo Hartung (PMDB). E há dúvida de que vai dar certo?

O local deve ter uma segurança reforçada, a festa deve encobrir o que os primeiros dados sobre a violência mostrou: o massacre de jovens, negros e de periferia. Evidentemente a situação, nos bairros de maior risco social está bem longe de ser resolvida, mas o importante é melhorar a imagem na foto que o Estado vende ao Brasil.

A esperança do governo do Estado é que quando a folia acabar, o debate realmente necessário sobre a segurança vai ser esquecido e a vida vai finalmente voltar à normalidade. Mesmo que a criminalidade continue atuando nos bairros da periferia, porque isso nunca foi importante para as autoridades do Estado, muito menos para a sociedade que caminha de branco na orla.

Fragmentos:

1 – A bancada capixaba se reuniu nessa quarta-feira (15) com a ministra Cármen Lúcia, no Supremo Tribunal Federal (STF) para debater a Resolução 13, do Senado Federal, que reduziu a alíquota de importação de produtos através do fundo de desenvolvimento das atividades portarias (Fundap).

2 – A deputada federal Norma Ayub (DEM) fez seu primeiro pronunciamento na Câmara nessa terça-feira (14) e fez um apelo ao governo federal para não autorizar a importação de um milhão de sacas de café conilon, conforme pretende fazer o governo.

3 – O prefeito da Serra Audifax Barcelos (Rede) participa na manhã desta quinta-feira (16) da reunião de secretariado do município. Durante a reunião de trabalho, foram discutidos os projetos e ações prioritárias para a cidade.

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

SOCIOECONÔMICAS
Declaração de guerra

Luciano Rezende inflou tanto a candidatura de Denninho, para se livrar da única oposição que sofria na Câmara, que acabou arrumando um problemão dentro de casa

OPINIÃO
Editorial
Operação seletiva
Mandado de busca coletivo cumprido nesta quinta (17) em Jesus de Nazareth viola Estado Democrático de Direito
Renata Oliveira
Estilhaços da bomba
O programa do PSDB Nacional foi demolidor e serve bem ao discurso palaciano para o processo eleitoral de 2018
Geraldo Hasse
Pedalando rumo ao Norte
Até quando os brasileiros se deixarão governar por quem não os representa?
BLOGS
Blog do Phil

Phil Palma

Um homem nu.
Flânerie

Manuela Neves

Sizino, o pioneiro
Panorama Atual

Roberto Junquilho

A Força Nacional e o marketing de uma falsa segurança
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

A árvore da via
Gustavo Bastos
Blog destinado à divulgação de poesia, conteúdos literários, artigos e conhecimentos em geral.
MAIS LIDAS

Tribunal condena promotor que alterou depoimento de testemunha em caso de ‘rachid’

Polícia Federal investiga superfaturamento de contrato em Cariacica

Universitários guaranis realizam encontro sobre saúde e saberes tradicionais

Declaração de guerra

Ex-prefeitos de São Gabriel da Palha viram réus em ação de improbidade