Seculo

 

Governo entra tarde em campo para apagar incêndio na Assembleia


16/02/2017 às 16:07

Mais uma vez o secretário-chefe da Casa Civil, Zé Carlinhos da Fonseca, é acionado para tentar apagar o incêndio causado na Assembleia pelas desastrosas declarações da cúpula do governo, no auge da crise, acusando deputados de fazerem "reuniões secretas", que teriam atrapalhado as negociações entre o Estado e as mulheres dos policiais militares.

À coluna Plenário, do jornal A Tribuna, desta quinta-feira (16), o secretário-chefe diz que é descabida a ideia de que o governo se referia à reunião realizada na terça-feira (7), na Assembleia. “Não faz o menor sentido deputados dizerem que o governador se referiu à Assembleia ao citar reuniões escondida com as mulheres de PMs. Foi um grande equívoco. Temos conhecimento que outras reuniões foram feitas”, disse o secretário-chefe à coluna.

Mas a posição dos deputados não é tão descabida assim, afinal, até o momento da coletiva de imprensa do governo (8/2/17), em que o secretário de Segurança André Garcia e o vice-governador César Colnago, que respondiam naquele momento pelo governo; falaram em “sabotagem de atores políticos" ao processo de negociação. Não precisa dizer mais nada, a única reunião conhecida era a da Assembleia, no dia anterior à coletiva, que reuniu 22 deputados na sala da presidência da Casa, Erick Musso (PMDB). A reunião contou com a presença de uma figura vista com reservas pela Palácio Anchieta, a senadora Rose de Freitas (PMDB).

A cúpula do governo, para evitar a dor de cabeça, deveria ter especificado sobre qual reunião e quais deputados estava se referindo, o que também não resolveria o problema, afinal, os deputados estaduais são livres para conversar com quem quiserem, onde eles quiserem. Aliás, isso faz parte de suas prerrogativas parlamentares.

O que pegou mal para o governo foi o fato de alguns deputados terem usado o microfone da tribuna para cobrar uma retratação do Executivo sobre as declarações feitas na coletiva do dia 8. E explicações sobre o que o governo esperava da Casa no momento da crise, afinal, no dia seguinte ao episódio, quando finalmente o governo abriu diálogo com os manifestantes, nenhum deputado pôde acompanhar o processo de negociação.

Em um momento de crise e com os deputados estaduais cobrando atenção para suas bases, o governo tenta contornar a crise na Assembleia. Tudo que o governo não precisava aconteceu esta semana, com os deputados se revezando na cobrança e fazendo críticas ainda que suaves à atuação do Executivo.

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

SOCIOECONÔMICAS
Leonardo Duarte/Secom
Uma coisa só

Enquanto no campo nacional PRB e MDB ainda estão em fase de namoro, no Estado o partido já é um “puxadinho” de Hartung. E tudo começou com Roberto Carneiro...

OPINIÃO
Editorial
MPES omisso
Ministério Público decidiu não participar das audiências de custódia. Um dos prejuízos: denúncias contra tortura, comumente relatada por presos
Bruno Toledo
Por que negar os Direitos Humanos?
Não há nada de novo nesse discurso verde e amarelo que toma as ruas. É a simples manutenção das bases oligárquicas do Brasil
Eliza Bartolozzi Ferreira
Políticas de retrocesso
Dados educacionais do governo Paulo Hartung são alarmantes
JR Mignone
Enganosos
Fazendo uma comparação corajosa e dispersa, tanto as eleições do Brasil quanto a Copa do Mundo terão muita surpresas e varias decepções
Geraldo Hasse
Vampirismo neoliberal
O governo oferece refrescos aos trabalhadores enquanto suga seu sangue
Roberto Junquilho
Quem governa?
Um novo porto na região de Aracruz demonstra que, para as corporações, as minorias não importam
BLOGS
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Uh, Houston, temos um problem
MAIS LIDAS

Sindicato protocola denúncias contra Sesa por contratação de Organizações Sociais

Corrida ao Senado sinaliza mudança na bancada capixaba

Quem governa?

Vampirismo neoliberal

Greve dos professores de Vitória continua por tempo indeterminado