Seculo


  • Lava Jato no ES

 

Governo entra tarde em campo para apagar incêndio na Assembleia


16/02/2017 às 16:07

Mais uma vez o secretário-chefe da Casa Civil, Zé Carlinhos da Fonseca, é acionado para tentar apagar o incêndio causado na Assembleia pelas desastrosas declarações da cúpula do governo, no auge da crise, acusando deputados de fazerem "reuniões secretas", que teriam atrapalhado as negociações entre o Estado e as mulheres dos policiais militares.

À coluna Plenário, do jornal A Tribuna, desta quinta-feira (16), o secretário-chefe diz que é descabida a ideia de que o governo se referia à reunião realizada na terça-feira (7), na Assembleia. “Não faz o menor sentido deputados dizerem que o governador se referiu à Assembleia ao citar reuniões escondida com as mulheres de PMs. Foi um grande equívoco. Temos conhecimento que outras reuniões foram feitas”, disse o secretário-chefe à coluna.

Mas a posição dos deputados não é tão descabida assim, afinal, até o momento da coletiva de imprensa do governo (8/2/17), em que o secretário de Segurança André Garcia e o vice-governador César Colnago, que respondiam naquele momento pelo governo; falaram em “sabotagem de atores políticos" ao processo de negociação. Não precisa dizer mais nada, a única reunião conhecida era a da Assembleia, no dia anterior à coletiva, que reuniu 22 deputados na sala da presidência da Casa, Erick Musso (PMDB). A reunião contou com a presença de uma figura vista com reservas pela Palácio Anchieta, a senadora Rose de Freitas (PMDB).

A cúpula do governo, para evitar a dor de cabeça, deveria ter especificado sobre qual reunião e quais deputados estava se referindo, o que também não resolveria o problema, afinal, os deputados estaduais são livres para conversar com quem quiserem, onde eles quiserem. Aliás, isso faz parte de suas prerrogativas parlamentares.

O que pegou mal para o governo foi o fato de alguns deputados terem usado o microfone da tribuna para cobrar uma retratação do Executivo sobre as declarações feitas na coletiva do dia 8. E explicações sobre o que o governo esperava da Casa no momento da crise, afinal, no dia seguinte ao episódio, quando finalmente o governo abriu diálogo com os manifestantes, nenhum deputado pôde acompanhar o processo de negociação.

Em um momento de crise e com os deputados estaduais cobrando atenção para suas bases, o governo tenta contornar a crise na Assembleia. Tudo que o governo não precisava aconteceu esta semana, com os deputados se revezando na cobrança e fazendo críticas ainda que suaves à atuação do Executivo.

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

SOCIOECONÔMICAS
Descompasso

Hartung priorizou tanto lotear a gestão com quadros políticos, que os embates ocorrem na contramão de sua própria estratégia. Rodney Miranda que o diga...

OPINIÃO
Editorial
Esgoto veio à tona
Manietada pelo governo, CPI para investigar Cesan se torna obrigatória após denúncias envolvendo a companhia
Piero Ruschi
O desmanche do Museu Mello Leitão
Um ato de desrespeito à população que foi camuflado e conta com o apoio da própria diretoria e sua associação de amigos
Renata Oliveira
Vai liberar?
Rodrigo Janot pode criar um precedente muito ruim para a política brasileira ao anistiar quem recebeu o “caixa dois do bem”
Caetano Roque
Desmonte em curso
Enquanto o movimento sindical dorme , o capital segue a passos largos a retirada de direitas
Nerter Samora
#SomosTodosBaianinho
Causa espécie um encontro às portas fechadas entre o governo e parte do empresariado capixaba logo após a “delação do fim do mundo”
Geraldo Hasse
O despudor do poder
O marqueteiro-mór pagou multa de R$ 30 milhões à Justiça, deu depoimento e saiu rindo
JR Mignone
Inquietudes políticas
O ''Fica, temer'' de Gaspari e a pesquisa que confirma a memória curta do eleitor
Caetano Roque
Greve na rua
É hora de o trabalhador dar a resposta as ações antidemocrática do governo golpista
BLOGS
Blog do Phil

Phil Palma

Um homem nu.
Flânerie

Manuela Neves

Nenna, em transição
Panorama Atual

Roberto Junquilho

A Odebrecht quebrou a "Omertá", e agora?
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Nossa Terra, nossa gente
Gustavo Bastos
Blog destinado à divulgação de poesia, conteúdos literários, artigos e conhecimentos em geral.
MAIS LIDAS

CPI da Odebrecht quer investigar contratos de empreiteiras com setor público

Descompasso

Sindicato quer que Nestlé preste esclarecimentos sobre possível venda da marca Serenata de Amor

Empresa de informática nega irregularidades em contratos com a Sesa

Assembleia barra projeto que acaba com exclusividade da Cesan na região metropolitana