Seculo

 

Governo tenta extinguir foco de resistência no movimento 'implodindo' a Rotam


16/02/2017 às 16:43
Em resposta ao movimento de familiares de policiais militares, que já dura 13 dias, o governo continua adotando medidas para atingir a Polícia Militar para pôr fim a paralisação. Por meio de uma matéria publicada com exclusividade pelo jornal A Gazeta desta quinta-feira (16), o governo anunciou que vai extinguir o Batalhão de Ronda Ostensiva Tática Motorizada (Rotam), alegando que há um foco de resistência no grupamento especializado.

Usando de um discurso de preocupação, o governo acaba por expor a PM, colocando toda a corporação em suspeição e extinguindo um grupamento que, em teoria, é especializado e criado pelo próprio governador Paulo Hartung (PMDB), em 2009.

Em julho de 2015, o governador declarou, na passagem do comando da Rotam do tenente-coronel Wildelson Nascimento de Faria para o tenente-coronel Eduardo Nunes, que criar a Rotam foi uma decisão acertada, já que o batalhão atua de forma estratégica e complementar às demais ações da Polícia Militar.

Se, de fato, a Rotam é uma unidade especializada, a extinção do grupamento representa, no mínimo, o desperdício daquela força policial que atua no batalhão, que será espalhada por outros no Estado. O suposto foco de resistência existente, se fosse do interesse do Comando da Polícia Militar, poderia ser retirado do batalhão para a entrada de outros policiais, com a qualificação deles.

As medidas criminalizadoras da Polícia Militar adotadas pelo governo desde o início do movimento dos familiares gerou reação das entidades representativas, como a  Associação dos Oficiais Militares Estaduais (Assomes).

Na última terça-feira (14), o secretário de Estado de Segurança Pública, André Garcia, disse, em entrevista coletiva, que o movimento tem um núcleo de radicalizações, que promove atentados e que algumas ocorrências estão sendo investigadas por uma força tarefa especial criada para apurar se há, e se houver, punir policiais que tenham participado das ações.

Para a entidade, as acusações de que policiais militares estão envolvidos na prática de crimes, especialmente ataques a ônibus e no assalto ao frei Pedro Engel, ocorrido no Convento da Penha, na última terça-feira, infundadas e irresponsáveis.

A Assomes apontou que as declarações mancham a honra e a imagem de toda a corporação, que tem 182 anos e contribuiu decisivamente para que a taxa de homicídios no Estado fosse a menor dos últimos 20 anos.

A nota também questiona a motivação dos policiais militares para se apresentarem para serviço nas ruas depois de terem sido comparados a criminosos.

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

Crônica de uma eleição

Vagões do trem do governador Paulo Hartung estão acima da capacidade da locomotiva. Haja peso para carregar...

OPINIÃO
Editorial
Futuro interrompido
Onde estão os promotores, delegados, políticos e demais agentes públicos para berrarem em defesa da infância? Mortes no Heimaba são alarmantes e inadmissíveis!
JR Mignone
Nova rádio
Tudo modificado, tudo moderno na Rádio Globo
Roberto Junquilho
Para onde ir?
A crítica vazia e sem fundamento à classe política coloca em risco a democracia
BLOGS
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Arrogância também conta?
MAIS LIDAS

Flic-ES: 'As livrarias não vendem obras capixabas'

Vitória já poderia ter identificado as fontes de emissão de pó preto

'Pensar a educação como a preparação do corpo para sentir, aprender e sonhar'

Webdoc Corpo Flor reflete sobre negritude e sexualidade