Seculo

 

Moradores lançam abaixo-assinado pelo Refúgio de Vida Silvestre de Fradinhos


16/02/2017 às 20:41
Fotos: Associação dos Amigos do Parque da Fonte Grande
 
O Refúgio de Vida Silvestre (Revis) Municipal de Fradinhos, criado pelo Decreto 16.818/2016, com 92,66 hectares, está ameaçado de ter seu nome trocado, o que causou revolta nos moradores dos seis bairros que participaram ativamente do processo de criação do Revis, o primeiro da cidade.

A lei que muda o nome do Revis para André Ruschi é de autoria do então vereador Luiz Emanuel Zouain e atual secretário municipal de Meio Ambiente, e foi aprovada de forma autoritária, como defende os moradores, atropelando todo o processo democrático de construção do projeto e de um senso de pertencimento das comunidades com a unidade de conservação (UC).

“De uma hora pra outra, no final do ano, é que soubemos. Foi sem conversar com as comunidades, não concordamos”, afirma Delma Pereira, vice-presidente do Movimento Comunitário do Romão, bairro onde está prevista a instalação do portal de acesso à sede administrativa do Refúgio.

“Para nós é uma coisa grandiosa”, exalta, resumindo o sentimento da sua comunidade com relação à criação da unidade e à escolha da entrada de acesso a ela. Ciúmes por parte dos morros do Forte São João, Cruzamento ou Fonte Grande? De jeito nenhum. O processo de criação do Revis, ao longo de dez anos, foi democrático, com ampla participação popular.

O entendimento sobre os benefícios do Refúgio está bem claro e fazendo crescer um sentimento de pertencimento. “Proteger as espécies, oxigenação do ar, evitar as queimadas e os deslizamentos de pedra, a caça. Proteger a parte arqueológica [inscrições nas pedras datadas de mais de 12 mil anos], as nascentes. Até a economia das comunidades vai melhorar, com o turismo”, enumera a líder local.

Muita paz
E sobre o nome, Fradinhos, também nenhum ciúme, devido ao reconhecimento do bairro que iniciou todo o processo e que é referência para os demais com relação à preservação ambiental. “Quando a gente entra em Fradinhos dá até vontade de chorar, de tanta paz”, emociona-se Dona Delma.
Rogério Fraga, da Associação de Amigos do Parque da Fonte Grande, esclarece que, entre os moradores e ambientalistas envolvidos na criação do Revis Fradinhos, não há nenhuma contrariedade em relação à municipalidade prestar uma homenagem ao biólogo André Ruschi, falecido em 2016. “O problema é a forma como foi feito”, explica, reforçando a fala de Dona Delma.

A advogada Anéris Pauzen, também da Associação, vai mais longe. “Essa lei não tem eficácia”, sentencia, alegando que ela não respeitou não só o processo histórico das comunidades, como também o Sistema Nacional de Unidades de Conservação (Snuc), que regulamenta a criação e gestão de UCs no Brasil, bem como o procedimento administrativo municipal, que viabilizou a criação do Revis.

Corredor ecológico

O abaixo-assinado publicado nessa quarta-feira (15) visa buscar apoio popular para sensibilizar a Câmara de Vereadores no sentido de aprovar um projeto de lei do vereador Max da Mata (PDT) que visa retomar o nome original do Revis, anulando a Lei de Luiz Emanuel.

Os ambientalistas também preparam um ofício a ser enviado ao agora secretário de Meio Ambiente, solicitando, além da manutenção do nome Fradinhos, a realização de ações de implementação da unidade, entre elas o reflorestamento de áreas devastadas, de forma a viabilizar, na prática um corredor ecológico interligando os parques da Fonte Grande e da Gruta da Onça.

Para acessar a petição, clique aqui

Um blog no facebook também traz outras informações sobre o processo. 

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

Crônica de uma eleição

Vagões do trem do governador Paulo Hartung estão acima da capacidade da locomotiva. Haja peso para carregar...

OPINIÃO
Editorial
Futuro interrompido
Onde estão os promotores, delegados, políticos e demais agentes públicos para berrarem em defesa da infância? Mortes no Heimaba são alarmantes e inadmissíveis!
JR Mignone
Nova rádio
Tudo modificado, tudo moderno na Rádio Globo
Roberto Junquilho
Para onde ir?
A crítica vazia e sem fundamento à classe política coloca em risco a democracia
BLOGS
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Arrogância também conta?
MAIS LIDAS

Flic-ES: 'As livrarias não vendem obras capixabas'

Vitória já poderia ter identificado as fontes de emissão de pó preto

'Pensar a educação como a preparação do corpo para sentir, aprender e sonhar'

Webdoc Corpo Flor reflete sobre negritude e sexualidade