Seculo


  • Lava Jato no ES

 

Moradores lançam abaixo-assinado pelo Refúgio de Vida Silvestre de Fradinhos


16/02/2017 às 20:41
Fotos: Associação dos Amigos do Parque da Fonte Grande
 
O Refúgio de Vida Silvestre (Revis) Municipal de Fradinhos, criado pelo Decreto 16.818/2016, com 92,66 hectares, está ameaçado de ter seu nome trocado, o que causou revolta nos moradores dos seis bairros que participaram ativamente do processo de criação do Revis, o primeiro da cidade.

A lei que muda o nome do Revis para André Ruschi é de autoria do então vereador Luiz Emanuel Zouain e atual secretário municipal de Meio Ambiente, e foi aprovada de forma autoritária, como defende os moradores, atropelando todo o processo democrático de construção do projeto e de um senso de pertencimento das comunidades com a unidade de conservação (UC).

“De uma hora pra outra, no final do ano, é que soubemos. Foi sem conversar com as comunidades, não concordamos”, afirma Delma Pereira, vice-presidente do Movimento Comunitário do Romão, bairro onde está prevista a instalação do portal de acesso à sede administrativa do Refúgio.

“Para nós é uma coisa grandiosa”, exalta, resumindo o sentimento da sua comunidade com relação à criação da unidade e à escolha da entrada de acesso a ela. Ciúmes por parte dos morros do Forte São João, Cruzamento ou Fonte Grande? De jeito nenhum. O processo de criação do Revis, ao longo de dez anos, foi democrático, com ampla participação popular.

O entendimento sobre os benefícios do Refúgio está bem claro e fazendo crescer um sentimento de pertencimento. “Proteger as espécies, oxigenação do ar, evitar as queimadas e os deslizamentos de pedra, a caça. Proteger a parte arqueológica [inscrições nas pedras datadas de mais de 12 mil anos], as nascentes. Até a economia das comunidades vai melhorar, com o turismo”, enumera a líder local.

Muita paz
E sobre o nome, Fradinhos, também nenhum ciúme, devido ao reconhecimento do bairro que iniciou todo o processo e que é referência para os demais com relação à preservação ambiental. “Quando a gente entra em Fradinhos dá até vontade de chorar, de tanta paz”, emociona-se Dona Delma.
Rogério Fraga, da Associação de Amigos do Parque da Fonte Grande, esclarece que, entre os moradores e ambientalistas envolvidos na criação do Revis Fradinhos, não há nenhuma contrariedade em relação à municipalidade prestar uma homenagem ao biólogo André Ruschi, falecido em 2016. “O problema é a forma como foi feito”, explica, reforçando a fala de Dona Delma.

A advogada Anéris Pauzen, também da Associação, vai mais longe. “Essa lei não tem eficácia”, sentencia, alegando que ela não respeitou não só o processo histórico das comunidades, como também o Sistema Nacional de Unidades de Conservação (Snuc), que regulamenta a criação e gestão de UCs no Brasil, bem como o procedimento administrativo municipal, que viabilizou a criação do Revis.

Corredor ecológico

O abaixo-assinado publicado nessa quarta-feira (15) visa buscar apoio popular para sensibilizar a Câmara de Vereadores no sentido de aprovar um projeto de lei do vereador Max da Mata (PDT) que visa retomar o nome original do Revis, anulando a Lei de Luiz Emanuel.

Os ambientalistas também preparam um ofício a ser enviado ao agora secretário de Meio Ambiente, solicitando, além da manutenção do nome Fradinhos, a realização de ações de implementação da unidade, entre elas o reflorestamento de áreas devastadas, de forma a viabilizar, na prática um corredor ecológico interligando os parques da Fonte Grande e da Gruta da Onça.

Para acessar a petição, clique aqui

Um blog no facebook também traz outras informações sobre o processo. 

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

SOCIOECONÔMICAS
Descompasso

Hartung priorizou tanto lotear a gestão com quadros políticos, que os embates ocorrem na contramão de sua própria estratégia. Rodney Miranda que o diga...

OPINIÃO
Editorial
Esgoto veio à tona
Manietada pelo governo, CPI para investigar Cesan se torna obrigatória após denúncias envolvendo a companhia
Piero Ruschi
O desmanche do Museu Mello Leitão
Um ato de desrespeito à população que foi camuflado e conta com o apoio da própria diretoria e sua associação de amigos
Renata Oliveira
Vai liberar?
Rodrigo Janot pode criar um precedente muito ruim para a política brasileira ao anistiar quem recebeu o “caixa dois do bem”
Caetano Roque
Desmonte em curso
Enquanto o movimento sindical dorme , o capital segue a passos largos a retirada de direitas
Nerter Samora
#SomosTodosBaianinho
Causa espécie um encontro às portas fechadas entre o governo e parte do empresariado capixaba logo após a “delação do fim do mundo”
Geraldo Hasse
O despudor do poder
O marqueteiro-mór pagou multa de R$ 30 milhões à Justiça, deu depoimento e saiu rindo
JR Mignone
Inquietudes políticas
O ''Fica, temer'' de Gaspari e a pesquisa que confirma a memória curta do eleitor
Caetano Roque
Greve na rua
É hora de o trabalhador dar a resposta as ações antidemocrática do governo golpista
BLOGS
Blog do Phil

Phil Palma

Um homem nu.
Flânerie

Manuela Neves

Nenna, em transição
Panorama Atual

Roberto Junquilho

A Odebrecht quebrou a "Omertá", e agora?
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Nossa Terra, nossa gente
Gustavo Bastos
Blog destinado à divulgação de poesia, conteúdos literários, artigos e conhecimentos em geral.
MAIS LIDAS

CPI da Odebrecht quer investigar contratos de empreiteiras com setor público

Descompasso

Sindicato quer que Nestlé preste esclarecimentos sobre possível venda da marca Serenata de Amor

Empresa de informática nega irregularidades em contratos com a Sesa

Assembleia barra projeto que acaba com exclusividade da Cesan na região metropolitana