Seculo

 

Hartung reage a críticas nacionais sobre política de austeridade do ES


17/02/2017 às 11:17

Em artigo publicado nesta sexta-feira (17) no jornal Folha de S. Paulo, o governador Paulo Hartung (PMDB) reagiu às críticas que vem recebendo em nível nacional sobre o movimento da Polícia Militar como consequência de seu ajuste fiscal, que negou à categoria, e a todo o funcionalismo público, recomposição das perdas salariais.
 

Na quarta-feira (15), o colunista Elio Gaspari, que escreve no jornal paulista, publicou artigo, criticando a política de austeridade do governador. Em resumo, o colunista afirmou que Hartung ao pedir auxílio da Força Nacional Exército, usou de um expediente comum dos gestores, que depois de esticar muito a corda, encontram-se encurralados pela crise que eles mesmos criaram.

No governo do Estado há dez anos, como destaca o colunista, Hartung trabalhou duro pelo saneamento fiscal, mas cometeu o mesmo erro de outros governantes Brasil afora que não souberam entender as demandas sociais. Para Gaspari, a responsabilidade fiscal mostra a necessidade de se criar uma “lei de responsabilidade social”.

O tom do artigo de Hartung, na Folha, pareceu resposta à coluna de Gaspari. Ele destacou a inconstitucionalidade da greve dos policiais militares no Espírito Santo, o que o abre espaço para o debate sobre as tentativas de deixar a sociedade refém de interesses corporativistas, como ocorre no caso capixaba, o que ameaça os avanços da democracia brasileira.

Para o governador, os episódios ocorridos no Estado desde o último dia 4 de fevereiro, envolvendo mortes, propagação do pânico, cerceamento do direito de ir e vir, joga luz a uma “estratégia na qual grupos de interesse, com uma retórica muito bem aparelhada e articulada, colocam-se como defensores da coletividade, quando na verdade estão mobilizados por um discurso puramente corporativo”, diz.

Também no artigo, Hartung defende a política de austeridade adotada no Estado, que lhe garantiu projeção nacional no cenário de crise, como um modelo de gestão para o País. “Sem aumento de impostos, com foco na redução dos gastos e custeios da máquina pública e na prioridade aos serviços e obras essenciais, recuperamos o equilíbrio fiscal do Espírito Santo, cuja difícil manutenção demanda um esforço diário de muito trabalho e destreza política”, disse.

O governador retornou ao discurso da crise e do pagamento em dia do funcionalismo como um reflexo de sua gestão, mas dessa vez evitou alfinetar os estados vizinhos, como fez na semana passada com o governador do Rio de Janeiro, Pezão (PMDB).

 

Hartung citou a crise nacional, a crise hídrica atípica pelo qual passou o Estado, os impactos do que chamou de desastre da Samarco e a redução das receitas advindas do negócio de petróleo como elementos que drenaram recursos públicos do Estado. E mesmo assim, destacou, manteve todos os pagamentos em dia, seja a fornecedores, seja ao funcionalismo, incluindo a Polícia Militar.

Para o governador foi justamente a responsabilidade fiscal que permitiu no Estado a responsabilidade social para o conjunto da sociedade. “Não se trata de escolha entre uma ou outra. Uma leva à outra”, disse. E acrescentou que foi esse o debate que levou a criação da Lei de Responsabilidade Fiscal e que a falta dela levou o país ao fundo do poço e a uma crise econômica sem precedentes.

Hartung lembrou ainda que desde 2014 o Estado vem sendo alertado pelo Tribunal de Contas de que está além do limite de despesas com pessoal. Ele disse que não poderá sucumbir à pressão da categoria, já que seria irresponsabilidade ceder à demanda da Polícia Militar. “Nosso caminho é continuar trabalhando a responsabilidade fiscal para termos políticas públicas bem estruturadas e chegarmos aos menos favorecidos”. afirmou.

O governador termina o artigo, novamente, tentando se inserir no debate nacional, chamando a atenção para a necessidade de mobilizar o país em torno de uma agenda urgente de reformas estruturantes, que traga de volta o equilíbrio das contas públicas e a competitividade.

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

Disputa indefinida

Hoje, a raia que tem a linha de chegada no Palácio Anchieta tem apenas dois competidores: PH e Rose. O campo de oposição às lideranças de perfil tradicional ainda está aberto

OPINIÃO
Editorial
Operação seletiva
Mandado de busca coletivo cumprido nesta quinta (17) em Jesus de Nazareth viola Estado Democrático de Direito
Renata Oliveira
A escolha de Sofia
Os prefeitos do Estado têm de escolher entre Rose de Freitas ou Paulo Hartung
JR Mignone
Radiamadores
Os radioamadores continuam na sua ação principal, aquela de ajudar, informar, localizar, conhecer e explorar as distâncias
Geraldo Hasse
Pedalando rumo ao Norte
Até quando os brasileiros se deixarão governar por quem não os representa?
BLOGS
Blog do Phil

Phil Palma

Um homem nu.
Flânerie

Manuela Neves

Sizino, o pioneiro
Panorama Atual

Roberto Junquilho

A Força Nacional e o marketing de uma falsa segurança
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Sopa de Letrinhas
Gustavo Bastos
Blog destinado à divulgação de poesia, conteúdos literários, artigos e conhecimentos em geral.
MAIS LIDAS

Disputa indefinida

Mexer no PDU pode custar caro aos vereadores

À medida que a eleição se aproxima, perfil da equipe de Hartung se torna mais político

Justiça recebe ação penal contra ex-prefeito e vereadores de Barra de São Francisco

'Agricultura e cultura no nosso quilombo é a mesma coisa'