Seculo

 

Intervenção federal na segurança pública é prorrogada até o próximo dia 23


17/02/2017 às 14:05
O governador Paulo Hartung (PMDB) estendeu o prazo de transferência do controle dos órgãos de segurança pública do Estado para as Forças Armadas até a próxima quinta-feira (23). A data é o limite da atuação das tropas federais no Espírito Santo, com exceção da Força Nacional – que vai permanecer até o próximo dia 5. No entanto, o Ministério da Defesa já admite a possibilidade de prorrogar a intervenção federal, caso o sistema de segurança estadual ainda não esteja normalizado até a próxima semana.

Apesar do retorno parcial da Polícia Militar no Estado, o movimento encabeçado por mulheres de militares segue a frente dos batalhões e quartéis da PM, impedindo a saída de viaturas e equipamentos para as ruas. Outro problema é o contingente de policiais que ainda não voltaram ao serviço devido a licenças médicas. A Secretaria de Segurança Pública (Sesp) ignora a existência de “policiais baixados”, além de não fornecer dados concretos sobre os casos de violência desde o início da paralisação, nas primeiras horas do último dia 4.

No decreto anterior assinado pelo vice-governador César Colnago (PSDB) – no exercício da chefia do Executivo –, o governo transferiu o controle da segurança pública ao general de Brigada Adilson Carlos Katibe, que é o comandante da Força-Tarefa Conjunta em atuação no Estado durante o motim da PM. Os efeitos dos decretos tiveram início no último dia 6, quando as tropas do Exército começaram a auxiliar no policiamento nas ruas.

Jungmann: ‘Permaneceremos o tempo necessário’

O ministro da Defesa, Raul Jungmann, admitiu que a atuação das Forças Armadas poderá ser ampliada, caso o sistema de segurança pública não esteja recuperado. A declaração foi feita à Rádio CBN Vitória, após a repercussão negativa da notícia sobre o fim do uso das tropas no Estado. “Por questão burocrática, o decreto precisa estabelecer o prazo de duração da GLO [Garantia da Lei e da Ordem] por questões legais. Mas eu quero reafirmar à população capixaba: nós permaneceremos o tempo que for necessário. Até que se superem as dificuldades na segurança pública do estado”, afirmou.

A Operação Capixaba tem toda logística concentrada no 38º Batalhão de Infantaria (BI), localizado em Vila Velha. A missão conta com a participação das Forças Armadas (Exército, Marinha e Aeronáutica), além de forças federais, como a Força Nacional e as Policias Federal e Rodoviária Federal, bem como a Polícia Civil capixaba.

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

Crônica de uma eleição

Vagões do trem do governador Paulo Hartung estão acima da capacidade da locomotiva. Haja peso para carregar...

OPINIÃO
Editorial
Futuro interrompido
Onde estão os promotores, delegados, políticos e demais agentes públicos para berrarem em defesa da infância? Mortes no Heimaba são alarmantes e inadmissíveis!
JR Mignone
Nova rádio
Tudo modificado, tudo moderno na Rádio Globo
Roberto Junquilho
Para onde ir?
A crítica vazia e sem fundamento à classe política coloca em risco a democracia
BLOGS
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Arrogância também conta?
MAIS LIDAS

Flic-ES: 'As livrarias não vendem obras capixabas'

Vitória já poderia ter identificado as fontes de emissão de pó preto

'Pensar a educação como a preparação do corpo para sentir, aprender e sonhar'

Webdoc Corpo Flor reflete sobre negritude e sexualidade