Seculo

 

Mude de vida


28/02/2017 às 13:35
Tentemos somar quantos indivíduos existem com problemas de obesidade e que estão também endividados? Quantos estão endividados como Pessoa Física e também como Pessoa Jurídica? Quantos pais que possuem filhos endividados assim como eles próprios?
 
Os pontos convergentes para estas realidades somadas, vão desde a compulsão, desorganização, indisciplina, ao padrão de repetição, até a falta de cuidado e o desrespeito no uso do dinheiro e de seus recursos financeiros.
 
Os pais passam para os filhos os seus hábitos e comportamentos, assim como os indivíduos passam  para suas empresas “o seu jeito de ser e de agir”, imprimindo a sua marca pessoal ao negócio.
 
Somos o produto desse jeito construído de ser, produzidos através da educação familiar, das oportunidades, do conhecimento, das escolhas e práticas que adotamos.  Então, não dá para ser diferente em ambientes diferentes.
 
Ao fazer a reeducação alimentar num paciente com obesidade, outras áreas de sua vida também melhoram, inclusive a financeira. Como? A reeducação alimentar pressupõem a adoção de estratégias aplicáveis também ao tratamento do endividamento: Diagnóstico - conhecendo o seu peso atual, fazendo a contagem do quê e quanto ingere diariamente, Planejamento  - estimando o quanto deve ingerir e como deve gastar; controlando assim as calorias ingeridas versus as calorias gastas, mudando comportamentos e adotando novos hábitos de consumo para alcançar a meta estabelecida.
 
Quando um indivíduo é tratado do endividamento; ou seja, do seu padrão de comportamento de  consumo, naturalmente ocorrem mudanças também em seu meio familiar e social. Nessas situações estão os casos de filhos (incluindo as crianças e adolescentes) que, ao receberem educação financeira na escola, por exemplo, levam para a sua família esses novos conhecimentos e práticas, passando a refletirem antes de consumirem e a multiplicarem isso em seu meio, promovendo daí a mudança nos outros membros.
 
Ao tratar a pessoa física endividada, com foco para a promoção da mudança em seu comportamento de consumo, acaba por atingir também a pessoa jurídica, considerando que os indivíduos que se organizam e que modificam a sua forma de pensar e agir frente às suas finanças pessoais e ao consumo, também modificam estas práticas na pessoa jurídica, porque afinal “pau que dá em Chico, dá em Francisco” e mudando um, o outro muda por consequência.
 
Resumindo: é preciso pensar na saúde integral: corpo, mente, alma ... e bolso.
 

Ivana Medeiros Zon, Assistente Social, especialista em Saúde da Família e em Saúde Pública,  educadora financeira, palestrante, consultora, colunista do jornal eletrônico www.seculodiario.com https://sites.google.com/site/saudefinanceiraivanamzon/

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

OPINIÃO
Renata Oliveira
Mau negócio
Quando Casagrande e Hartung passam a polarizar o cenário, a política capixaba deixa de ser interessante para a Odebrencht
Geraldo Hasse
O despudor do poder
O marqueteiro-mór pagou multa de R$ 30 milhões à Justiça, deu depoimento e saiu rindo
Lídia Caldas
Por que engordamos?
Estamos ingerindo muito carboidrato de má qualidade. Fomos viciados pela indústria de alimentos em gordura saturada, açúcar e sal
BLOGS
Blog do Phil

Phil Palma

Imperdivel! Já em cartaz!
Flânerie

Manuela Neves

Nenna, em transição
Panorama Atual

Roberto Junquilho

A Odebrecht quebrou a "Omertá", e agora?
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Nossa Terra, nossa gente
Gustavo Bastos
Blog destinado à divulgação de poesia, conteúdos literários, artigos e conhecimentos em geral.
MAIS LIDAS

Candidatura individual para a Mesa Diretora indica nova realidade na Assembleia

TJES fará nova sessão de escolha em concurso para cartórios de 2006

Vereadora protocola indicação para nova licitação de ônibus em Vitória

Justiça rejeita ação popular contra programa de rádio do prefeito de Marataízes

Polícia Militar antecipa reintegração de posse de área em Vitória