Seculo

 

Mude de vida


28/02/2017 às 13:35
Tentemos somar quantos indivíduos existem com problemas de obesidade e que estão também endividados? Quantos estão endividados como Pessoa Física e também como Pessoa Jurídica? Quantos pais que possuem filhos endividados assim como eles próprios?
 
Os pontos convergentes para estas realidades somadas, vão desde a compulsão, desorganização, indisciplina, ao padrão de repetição, até a falta de cuidado e o desrespeito no uso do dinheiro e de seus recursos financeiros.
 
Os pais passam para os filhos os seus hábitos e comportamentos, assim como os indivíduos passam  para suas empresas “o seu jeito de ser e de agir”, imprimindo a sua marca pessoal ao negócio.
 
Somos o produto desse jeito construído de ser, produzidos através da educação familiar, das oportunidades, do conhecimento, das escolhas e práticas que adotamos.  Então, não dá para ser diferente em ambientes diferentes.
 
Ao fazer a reeducação alimentar num paciente com obesidade, outras áreas de sua vida também melhoram, inclusive a financeira. Como? A reeducação alimentar pressupõem a adoção de estratégias aplicáveis também ao tratamento do endividamento: Diagnóstico - conhecendo o seu peso atual, fazendo a contagem do quê e quanto ingere diariamente, Planejamento  - estimando o quanto deve ingerir e como deve gastar; controlando assim as calorias ingeridas versus as calorias gastas, mudando comportamentos e adotando novos hábitos de consumo para alcançar a meta estabelecida.
 
Quando um indivíduo é tratado do endividamento; ou seja, do seu padrão de comportamento de  consumo, naturalmente ocorrem mudanças também em seu meio familiar e social. Nessas situações estão os casos de filhos (incluindo as crianças e adolescentes) que, ao receberem educação financeira na escola, por exemplo, levam para a sua família esses novos conhecimentos e práticas, passando a refletirem antes de consumirem e a multiplicarem isso em seu meio, promovendo daí a mudança nos outros membros.
 
Ao tratar a pessoa física endividada, com foco para a promoção da mudança em seu comportamento de consumo, acaba por atingir também a pessoa jurídica, considerando que os indivíduos que se organizam e que modificam a sua forma de pensar e agir frente às suas finanças pessoais e ao consumo, também modificam estas práticas na pessoa jurídica, porque afinal “pau que dá em Chico, dá em Francisco” e mudando um, o outro muda por consequência.
 
Resumindo: é preciso pensar na saúde integral: corpo, mente, alma ... e bolso.
 

Ivana Medeiros Zon, Assistente Social, especialista em Saúde da Família e em Saúde Pública,  educadora financeira, palestrante, consultora, colunista do jornal eletrônico www.seculodiario.com https://sites.google.com/site/saudefinanceiraivanamzon/

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

Espelho democrático

PH, com certeza, vai jogar pra frente dúvida sobre candidatura à reeleição. Mas não o vejo fora da disputa e sem mandato

OPINIÃO
Editorial
MPES omisso
Ministério Público decidiu não participar das audiências de custódia. Um dos prejuízos: denúncias contra tortura, comumente relatada por presos
JR Mignone
O voto facultativo
Atual insatisfação com a política seria uma chance para começar a estudar a implantação do voto facultativo?
BLOGS
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Para, relógio
MAIS LIDAS

Luciano Rezende endurece retaliação ao movimento paredista dos professores

Presidenciável do PRB articula construção de palanque eleitoral no Estado

Sindicato dos Médicos e CRM encontram cenário caótico em hospitais do norte e noroeste

Processo de nepotismo contra Sérgio Vidigal vai a julgamento nesta terça-feira no TJES

Um filme sobre o extermínio da juventude negra